Slider

Portugal: Reações à morte de Zé da Ponte

Muitos foram os músicos, artistas e outras figuras públicas que partilharam mensagens de pesar após o desaparecimento de José da Ponte, vítima de doença prolongada e que faleceu na madrugada de ontem, tal como noticiámos AQUI. Damos a conhecer algumas dessas mensagens:





Dulce Pontes (FC/ESC1991)


Em 1988 respondi a um anúncio de jornal "Procuram-se jovens que gostem de cantar, dançar e representar". Guardei o recorte e uma semana depois tive autorização do meu pai para telefonar. Ele acompanhou-me até aos Estúdios Namouche. Sentado a um piano de cauda inteira, estava um Senhor a sorrir que na brincadeira me disse: "se calhar ainda somos família, chamas-te Dulce Pontes e eu sou o Zé da Ponte. O que é que queres cantar?" Após essa audição a minha vida mudou totalmente e fiquei perplexa, sem acreditar muito, quando no final ele me disse: "Tu fazes falta à música portuguesa!". O meu Amigo Zé da Ponte, compositor da música da nossa "Lusitana Paixão" com Jorge Quintela, partiu para a mais longa viagem, em direcção à luz. Estou triste, não consigo deixar de estar triste, queria poder ter-lhe dado um abraço. (...) Que Deus permita que o meu abraço chegue até ao céu e sei e sinto, que onde estiveres neste momento, estás a sorrir com aquele sorriso inteiro só teu!


Filipa Sousa (FC/ESC2012):

Hoje deixa-nos mais um nome da música portuguesa... Zé da Ponte! Há pessoas que nos marcam, e o Zé foi uma delas! Há 14 anos, quando o conheci, ouvi-o comentar "A miúda canta bem, tem futuro!". Longe de mim acreditar naquilo e imaginar que o meu caminho seria a música, e que o encontraria anos mais tarde como júri na Operação Triunfo! Foi dele que recebi o maior elogio enquanto concorrente daquele programa (min 7:00) Tomara que todas as "nomeações" na minha vida sejam com argumentos destes! smile emoticon Obrigada Zé, por todas as palavras, por todo o incentivo... Obrigada por ter cruzado o meu caminho! Descanse em paz!




António Leal (FC1988/1991/1996/1999):

Estou triste....partiu mais um dos meus amigos. Alguém com quem aprendi e trabalhei muito. Inesqueciveis momentos em estúdio, muitos deles partilhados com os meus companheiros Isabel Campelo, Gustavo de Matos Sequeira, Jorge Barata, Formiga, Luis Pedro Fonseca, Guilherme Inês ...tempos de rigor e competência , mas também de boa disposição e aprendizagem. As minhas referências maiores na musica, os meus "mestres", começaram subitamente o ano passado a partir. Estou triste... Boa viagem Zé da Ponte!

António Leal interpretou o hino da RTP de 1992, um tema composto por Zé da Ponte:




Isabel Campelo (FC1992/1993/1994):

Acabo de saber que partiu um dos meus mestres de bem cantar em estúdio-e não só-, músico incrível, com apurado sentido de humor e inteligência inesquecíveis: Zé da Ponte. Sempre o conhecemos doente, mas nunca deu confiança à doença e pela vida fora foi ultrapassando crise após crise até aquela que terá sido a sua batalha final. Muitas sessões de estúdio - algumas verdadeiras maratonas, ainda no tempo do analógico - acompanhadas de enormes risadas e testemunhadas pelos meus amigos e companheiros Formiga - já desapareecida- Tó Leal, Gustavo Sequeira, Glória Bento, Jorge Barata e outros - na companhia, muitas vezes, do Guilherme Inês e do Luis Pedro Fonseca-recentemente desaparecido também- ficam gravadas na minha memória. Começamos a ficar muito poucos para contar uma importantíssima parte da história da música gravada em Portugal (...)


Luís Filipe Aguiar (FC1985/1986)

Zé da Ponte grande músico e grande amigo, partiste cedo demais. Lá onde estás tenho a certeza que se faz música, daquela que nós gostamos. Até um dia velho amigo, em que voltaremos a tocar juntos. Descansa em Paz.


Dora (FC/ESC1986/1988)

Imortal!! Adoro-te Zé! R.I.P.


Hugo Andrade (diretor de programas da RTP)

Foi em 1992. Eu e o Zé da Ponte trabalhámos nesta campanha que nasceu com a cumplicidade, a loucura e o sonho que nos fez Amigos para sempre. Depois desta outras vieram. Outros sonhos. Outras concretizações. E muito mais. Uma Amizade que nos uniu em todos os momentos e que saiu reforçada num momento em que ambos estivemos gravemente doentes. E superámos esse momento com a esperança de quem queria viver porque não queria partir com tanto por fazer. E muito fizemos depois. E tanto ficou por fazer. O Zé já cá não está. Partiu. E levou-me. Levou com ele os momentos mais duros da minha vida. E os melhores. Levou-me o conforto de o ter. Aqui. E levou momentos inesquecíveis de partilha, de receio, medo, mas também de alegria, companheirismo, esperança, criatividade, risco. O Zé já cá não está e eu não me vou convencer disso. Não aceito. Deu-me tanto e deixou-me tanto. Estávamos para almoçar há muito tempo mas esta minha vida tem esta consequência. Não faço o que deve ser feito a troco de coisa nenhuma. Um dia estaremos juntos de novo e terei oportunidade de lhe agradecer tudo, todos os momentos, a nossa extraordinária cumplicidade e amizade. O Zé é das pessoas mais importantes da minha vida. Fica escrito. Até breve, Zé.




Glória Bento (FC1987/1988)

Porque as palavras já não me chegam e os amigos e mestres vão voando para outras paragens... Zé obrigada por tudo o que contigo aprendi e foi imenso. Obrigada por todas as gargalhadas. Obrigada sobretudo por me teres deixado partilhar contigo alguma da minha "estrada". Que a tua genialidade brilhe onde quer que agora estejas. Até já meu querido...

José Jorge Letria (Presidente da Sociedade Portuguesa de Autores - SPA):

(...) O conselho de administração, na dolorosa hora da partida, faz questão de salientar as suas grandes qualidades profissionais e humanas e a profunda dedicação que sempre teve à SPA e ao esforço pela sua modernização e adaptação aos desafios impostos pelas novas realidades. (...) José da Ponte nunca deixou, embora fortemente condicionado, de acompanhar os combates da cooperativa pela criação de uma legislação adequada à defesa dos autores portugueses. José da Ponte, atingido por uma doença prolongada e incapacitante, deixa nos funcionários e dirigentes da SPA e no colectivo dos autores portugueses uma profunda saudade e respeito por tudo aquilo que deu a esta instituição, associando a sua intensa actividade criativa a um profundo conhecimento das questões técnicas ligadas à gestão e ao conhecimento do Direito de Autor. (...)
A SPA e a vida cultural portuguesa ficam mais pobres e mais tristes com esta inesperada despedida.


O corpo de José da Ponte, numa despedida simbólica àquela que foi durante anos a sua casa profissional e a sua instituição de referência, foi velado durante a tarde de ontem na sala-galeria Carlos Paredes, no edifício II da SPA, partindo esta sexta-feira, dia 30 de Janeiro, ao fim da manhã, para Silves, sua terra natal, onde será sepultado.


Foto JN: José da Ponte (segundo da esquerda para a direita), com Alexandre Honrado, Ernesto Leite com Rui Drummond e Luciana Abreu, intérpretes da canção portuguesa "Amar" no Festival da Eurovisão de 2005, em Kiev
Esta e outras informações também no nosso Facebook. Visite já!
Fonte: ESCPORTUGAL, SPA, FACEBOOK / Imagem: GOOGLE / Vídeos: YOUTUBE

1
( Hide )
  1. Miguel Matias17:42

    Esses 2 hinos da RTP são geniais. DEP Mestre José da Ponte

    ResponderEliminar

Ideas

both, mystorymag

A NÃO PERDER...

TOP
© Todos os direitos reservados
Criado por templatezoo Personalizado por ESC Portugal - PG, 2022.