Vânia Fernandes: "Às vezes penso que há um preconceito em gostar do Festival da Canção"


Quer saber o que Vânia Fernandes acha da retirada de Portugal do Festival da Eurovisão? E quais as suas recordações de Belgrado? Saiba tudo na segunda parte da Grande Entrevista do ESCPORTUGAL à representante portuguesa no Eurovision Song Contest 2008!

Aceda AQUI à primeira parte da entrevista!

Quando confrontada sobre se foi preciso "coragem" para aceitar dar voz a um tema de Carlos Coelho e Andrej Babic, Vânia Fernandes revelou que o receio esteve relacionado com a aceitação do público: "Admito que foi preciso coragem! A grande responsabilidade foi deixar as pessoas, que uns meses antes me tinham dado a vitória na OT, orgulhosas e contentes. Longe da minha cabeça estava a vitória ou algo que se parecesse...". Salienta ainda, que os resultados estão longe da sua esfera de preocupações: "Os resultados são factores de distração e nunca são, foram ou serão a minha preocupação. Interessa-me é fazer o melhor possível e dar o máximo à música".



Contudo, se hoje é a primeira a afirmar que 'Senhora do Mar' é uma das melhores composições de sempre, Vânia admite que a primeira impressão que teve do tema não foi 'amor à primeira vista': "A primeira reacção que tive não foi a mesma que tive quando ouvi o produto final... A versão que me chegou às mãos estava em inglês e com um arranjo muito diferente!" afirmou, revelando que estava, aquando da primeira audição, com alguns dos membros que foram consigo a Belgrado - "não gosto de usar o termo coro: eles são cinco cantores fabulosos que me apoiaram".

Porém, destaca a enorme confiança que o letrista do tema teve em si: "Se tive amor à primeira vista, foi pelo Carlos Coelho. A confiança dele, de que eu era a pessoa certa para dar a voz ao tema, sem me conhecer pessoalmente... Foi uma confiança que não se descreve! É algo que um pai pode ter por um filho e não por uma estranha", admitindo que o convite apareceu "antes da vitória na Operação Triunfo e foi ele o causador de eu ter ido ao Festival da Canção".



"Quando vi o poema em português... aí sim, fiquei totalmente rendida" recorda a cantora, destacando que só ouviu a orquestração definitiva do tema aquando da gravação da demo final. "A interpretação que toda a gente ouviu foi a minha 1.ª aproximação ao tema". Porém, os elogios ao produto final de 'Senhora do Mar' sucederam-se: "Era impossível não me apaixonar pelo tema! Tinha uma letra muito nossa e bastante intensa, bem como os ingredientes certos para uma magnífica canção ligeira portuguesa, mas estava longe de imaginar que se ia tornar no produto final que hoje temos: algo fabuloso e soberbo". Contudo, a preocupação marcou a cantora nos dias antes do concurso: "O Andrej criou tudo na Croácia e chegou com aquele produto fabuloso. Aí a minha preocupação passou a ser conseguir transmitir aquela força que o tema pedia e defender o melhor possível", garantindo que, na sua opinião, "um cantor defende a música e não a si próprio", querendo ser "o melhor veículo possível para passar a mensagem".




Contudo, nem tudo foi um mar de rosas:  "Não gostei da nossa atuação no Teatro Camões! Não estivemos muito bem!", confessa. "O nervosismo afetou-nos muito e não estava muito bem vocalmente" confessa Vânia, realçando que "a melhor atuação que tivemos foi na Grande Final da Eurovisão! A nível de performance foi quando tive a voz mais estável!", realçando que o nervosismo foi um dos seus inimigos: "Nós trabalhamos ao máximo os nossos atributos para os pormos à mercê da música, mas o sistema nervoso dá cabo de nós".

Vânia lamenta que pouca gente tenha noção do que é o Festival da Eurovisão: "O ESC é uma coisa de uma dimensão... fora do normal! A produção deve ocupar uns 4 MEO's Arena!". No entanto, recusa admitir que gostaria de voltar ao evento: "Pelos motivos anteriores, acho que muita gente merecia lá ir, para valorizar o trabalho no ESC, mas também para perceber a dimensão que tem esse encontro de culturas. É uma oportunidade que muitos dos nossos artistas merecem ter e temos pessoas maravilhosas! Seria um egoísmo muito grande pensar em ir novamente, com muita gente a merecer também ir".



Porém, a memória que os eurofãs têm de 'Senhora do Mar' é outro dos factores que colocam Vânia Fernandes numa posição de indecisão: "Fico sempre numa posição estranha! Gostava de lá ir... mas com a mesma equipa: o que é quase impossível! Além disso tinha de ter uma música soberba como a 'Senhora do Mar' e com um arranjo do mesmo patamar! Mas atenção: Nunca digo nunca...".

Luís Sousa, companheiro da cantora e que a acompanhou em palco, garante que "a decisão tem de ser totalmente dela e tem de depender do tema... Tem de ser algo muito bem pensado, com o tema e a equipa à escolha dela", admitiu, depois de recordar a sua participação em 'Canta Por Mim': "Foi uma experiência muito gira".



No entanto, a conversa mudou de tom, quando Vânia Fernandes foi questionada sobre a sua posição acerca da retirada da RTP do Festival da Eurovisão: "É dramático! Nem sei que dizer... É descabido e não vamos culpar a crise nem o dinheiro: é uma questão de prioridades! Não entendo como é que a RTP, que tem noção real do que é a Eurovisão, fica de fora do concurso!?", avançando que "o número de oportunidades que a Eurovisão dá, são tantas mais do que os euros gastos para lá ir".

"Toda a gente sabe que o dinheiro nunca foi a razão... Não estar representados no maior evento europeu é uma oportunidade perdida de vincarmos quem nós somos!" afirma Vânia Fernandes, cuja opinião é apoiada por Luís Sousa: "Falou-se que a compra de direitos de jogos de futebol podem ter pesado na decisão: isso é um desrespeito claro a todos os artistas, especialmente àqueles a quem fecharam as portas de uma oportunidade! É muito mau ser sempre o Festival da Canção o programa que leva pontapés para o lado em alturas de aperto".



A representante portuguesa no ESC2008 deixa algumas críticas à passividade de alguns eurofãs portugueses: "Parece que tudo o que já aconteceu é dispensável! Mas a culpa também é nossa: a RTP é um canal público e devíamos reivindicar se realmente nos importássemos. Mas, infelizmente, falamos sempre que Portugal parava para ver o FC...", garantindo que "Portugal podia voltar a parar.". Além disso, recorda que há quem acuse o Festival da Canção de ser de má qualidade musical: "Má qualidade? Então façam melhor... Temos artistas para isso, só têm é que se mexer! Temos grandes talentos escondidos que precisam de oportunidades para se dar a conhecer! Obviamente só podemos gostar do que conhecemos...".

Porém, Vânia admitiu que há uma espécie de 'estigma' sobre o Festival da Canção que a preocupa: "O núcleo de fãs do ESC e do FC em Portugal é tão pequeno... Acho que há um preconceito das pessoas afirmarem que acompanham os eventos. Já me aconteceu várias vezes virem-me dizer em baixinho que me viram na Eurovisão! Parece que temos vergonha daquilo que é um marco cultural e social da nossa sociedade".

"Não foi só no tempo do Ary dos Santos, do Nuno Nazareth Fernandes ou da Rosa Lobato de Faria que tínhamos grandes compositores e autores no Festival da Canção! O Carlos Coelho anda aí e com eles muitos outros" relembra a cantora, deixando críticas aos últimos processos de seleção do evento: "Isso de convidar os compositores não me agrada e contra mim falo. Acho que devia ser um concurso aberto a toda a gente".


O espetáculo '50 Anos de Canções' lotou o CAE Portalegre no passado sábado! O ESCPORTUGAL esteve lá e mostra-lhe mais alguns momentos do espetáculo da Banda Euterpe, Portalegre com Vânia Fernandes e Luis Sousa! www.escportugal.pt #VâniaFernandes #Euterpe #Portalegre #CAEP #LuísSousa #FestivaldaCanção
Publicado por ESC Portugal em Quarta-feira, 9 de Dezembro de 2015

Vânia afirma que não entende "qual o drama de se compor para o FC, quando se compõe para filmes ou telenovelas", afirmando que o evento deveria ser a "nossa montra musical, o lugar de destaque da música ligeira portuguesa, que infelizmente anda perdida". Confessa que "detesta" o termo música festivaleira: "Confundem os termos... A música ligeira existe ou como iríamos catalogar o Sol de Inverno, a Desfolhada ou a Tourada? São canções belíssimas, com grandes arranjos e poemas! Agora que música festivaleira é mito".

Por sua vez, Luís Sousa garante que o cerne da questão está na atitude da RTP perante o certame europeu: "A RTP tem de ir para lá com outra perspectiva e encarar o concurso com outra mentalidade. Desafio a estação a ir para lá sem ser só para participar!", justificando o afastamento das pessoas do evento: "É estranho que o ESC aumente cada vez mais e em Portugal continue a diminuir. Mas não admira se tivermos atenção: as pessoas desistem da canção porque sabem que nunca vamos lá para ganhar".

O trabalho de algumas comitivas em Belgrado rapidamente vêm à memória de Vânia: "Temos de ir lá sendo humildes, mas temos de mostrar o nosso valor e que estamos lá para ganhar também! Há países que gastam milhares de euros: o Azerbaijão, a Sérvia, a Geórgia... países que sofrem tanto com disparidades e pobrezas, mas tinham equipas completamente organizadas com kits de promoção completíssimos, enquanto que nós chegámos a Belgrado já sem Cd's promocionais", lamenta, tendo posteriormente recordado uma ida à Alemanha: "No ano seguinte estive numa festa da Eurovisão e o CD da Senhora do Mar estava nas raridades, porque os jornalistas não tiveram acesso ao single! Foi ridículo!"


"Sem preparação não se faz nada" lembra, dando o exemplo de uma corrida: "É como dizer que vou correr uma maratona... morro a meio do caminho", frisando que a falta de investimento não é só monetário: "Falta entrega pessoal e trabalho de equipa!". Contudo, em Belgrado, isso não aconteceu: "A equipa que foi comigo foi fantástica e não houve essa atitude, porque o Carlos estava com o pensamento de «vamos dar isso e vamos ganhar», o que influenciou todos os outros", lamentando que tal não tenha acontecido noutros anos.

Em jeito de remate final, Vânia relembra que a Eurovisão é muito mais do que três minutos de música: "É o reconhecimento do nosso valor e de todos os que trabalham em prol disso! O ESC vai muito além de uma simples música: é a representação de um povo, do nosso povo, e isso é facilmente esquecido".


Entrevista a Vânia Fernandes
Vânia Fernandes, representante portuguesa no Eurovision Song Contest 2008, esteve à conversa com o ESCPORTUGAL. Quer saber a opinião da cantora sobre a retirada de Portugal do concurso? E as recordações de Belgrado? Saiba tudo este Natal em www.escportugal.pt
Publicado por ESC Portugal em Quinta-feira, 24 de Dezembro de 2015


Esta e outras notícias também no nosso Facebook e Twitter. Visite já!
Fonte/Imagem: ESCPORTUGAL / Vídeos: ESCPORTUGAL/YOUTUBE

30 comentários:

  1. Rui Ramos21:47

    É uma entrevista muito grande mas depois de começar a ler, tem facil leitura e tem assuntos muito interessantes. Parabens mais uma vez escportugal por escreverem assuntos tão variados.
    Bem, a Vânia esta carregada de razão. Se ela estivesse aqui, dava-lhe um grande beijo :-)

    ResponderEliminar
  2. Esta entrevista esta CHEIA de pontos de interesse e de declaraçoes do teor das que so Simone de Oliveira as vezes tem dado.Merece ser relida varias vezes.Independentemente de discordar de Vania e Luis em alguns pontos,obrigado aos dois por falarem tao abertamente.O titulo do artigo e 100% VERDADE.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo21:52

    A RTP não tem ninguem nas cupulas que goste e entenda o que é a Eurovisão. O unico que gostava da Eurovisão era o Poiares, quer se queira quer não.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo21:57

    Incrivel como é que foi um CROATA que fez a canção que nos ultimos anos que, com mais emoção, uniu os portugueses

    ResponderEliminar
  5. Rita Martins22:00

    A Vânia é linda e merece tudo de bom. (K)
    Palmas para as suas palavras (h)

    ResponderEliminar
  6. Anónimo22:04

    desculpe vania
    mas como podemos fazer melhor em relaçao se ao FC, se o FC é fechado a candidaturas e é a propria RTP que escolhe os artistas e as musicas mediocres com convites?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem sempre assim tem sido.Houve muitos e muitos anos com candidaturas abertas a todos e todas e com resultados nada bons.Mas,pessoalmente,defendo a abertura a todos os que queiram concorrer.Contudo os interpretes devem ter um minimo de voz e presença,para evitar" catastrofes".

      Eliminar
    2. Anónimo23:55

      lol rg isso porque as musicas que ganharam eram más, é notavel que há muito mais qualidade com candidaturas abertas do que com convites.
      o fc da cançao com convites a compositores estrangeiros ainda se safava, mas este ano com compositores 100% portugueses foi horrivel... alias foi pessimo, nenhuma musica de jeito.

      Eliminar
    3. 23:55-Seria interessante que desses exemplos concretos.Falas muito por alto baseado no FC 2015.Para avaliarmos um FC temos sempre de o situar no ano em que foi efectuado e partir dai.Achas que os anos de 2011,2012,2014 com compositores estrangeiros foram assim tao bons?

      Eliminar
    4. Anónimo03:23

      rg aprende a respeitar a opiniao dos outros.
      qualquer pessoa com 2 ouvidos percebe perfeitamente que o festival da cançao perde qualidade com convites.
      O ano 2011 foram candidaturas, e sim tinha musicas boas, o ano 2012... mediocre, por convites, 2014 tinhamos 2 musicas boas, com compositores estrangeiros, em 2015... nem comento pior FC de todos os tempos.
      Queres mais exemplos? lol

      Eliminar
    5. 03:23- Ja que falas em RESPEITAR OPINIOES,tenta nesse caso deixar de usar os LOL`s(pessoalmente nao me incomodam,mas nao sao propriamente sinais de"respeito").LE OBJETIVAMENTE! Diferença de opiniao,diferença de gostos e normal.Dois ouvidos todos nos temos.

      Eliminar
  7. Pedro Carvalho22:09

    ""O núcleo de fãs do ESC e do FC em Portugal é tão pequeno..."
    Não é assim tão verdade. Secalhar a Vânia está a confundir fãs da Eurovisão com membros da OGAE. Uma coisa não tem nada a ver com outra. Tenho vários amigos que são fãs da Eurovisão e do festival, e nenhum é membro da OGAE porque não se sentem minimamente representados. No dia da Eurovisão juntamo-nos em minha casa sempre umas 30 pessoas e nenhum é membro da OGAE.

    São muitos os fãs do festival em Portugal, mas nenhuum está no Governo ou na RTP, lá isso é verdade. Na RTP há um preconceito, há falta de conhecimento e secalhar quem decide não faz ideia do que é a Eurovisão.

    Mas na RTP ha também uma falta de conhecimento do que é MUSICA. Quantos programas existem onde os artistas podem atuar e apresentar as suas canções? Nenhum, tirando um ou outro no meio de conversas, mas onde a música não tem o papel principal, aparece apenas nos intervalos de alguma coisa.

    Parabéns Vânia por aquulo que disseste, por seres tão autentica e não teres problemas em dizer o que sentes, que é a verdade.

    Parabéns EscPortugal por me fazerem sentir identificado aqui: são um site profissional, onde mostram tudo e dão voz a todos. Esta entrevista poderia ser publicada no Expresso ou no Diario de Noticias de tão bem escrita que está. Assim sim se dignifica os artistas e o festival.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo22:19

    Vânia: adoro-te!

    ResponderEliminar
  9. Anónimo22:22

    "Fico sempre numa posição estranha! Gostava de lá ir... mas com a mesma equipa: o que é quase impossível!

    Só é impossível porque há um bando de víboras em torno da RTP que os mal aconselham. E muitas estão no meio dos fãs, o que é de lamentar. Acham-se os donos da verdade e do saber, querendo reduzir o festival a um feudo, um campo minado , a algo intocavel e que so eles têm acesso. E dai o festival ter ficado reduzido a nada e desistiram sem quase ninguem dar por isso

    ResponderEliminar
  10. Anónimo22:29

    A Vânia foi uma lufada de ar fresco no ESC2008. Eu estive em Belgrado e vi a receção que ela teve em tudo: nas festas, nos eventos, nas conferencias de imprensa. Super simpatica, humilde mas sem ser parola ou choramingas, simples, sempre a dar altas risadas. Foi muito bom ser portugues nesse ano. Toda a gente queria autografos, fotos. A Vânia foi tratada como uma rainha. Tinha tambem canção para isso: a Senhora do Mar era uma obra prima e foi super bem interpretada e coreografada. A partir desse ano, Portugal nunca mais teve aquela receção nem sequer se preparou como em 2008. Mas todo o sucesso se deveu à Vânia, ao Babic, ao Coelho, e nada à RTP. A verdade tem de ser dita e isso doi a muita gente

    ResponderEliminar
  11. Anónimo23:00

    Vânia (k) (k) (k)

    ResponderEliminar
  12. Anónimo23:04

    Daqui a 10 anos talvez tenhamos massa crítica em condições em relação ao Festival.
    O FC é pessimo, e para continuar assim, a RTP fez bem em acabar com ele. Representa ZERO para a música, está cheio de amadores armados em profissionais da música que depois levam com resultados PESSIMOS na Eurovisão e em Portugal.
    Mas a Vânia tem razao quando diz: ""Má qualidade? Então façam melhor... Temos artistas para isso, só têm é que se mexer!"

    ResponderEliminar
  13. Carmen23:05

    A Vânea é uma Mulher muito talentosa, esclarecida e corajosa.
    O Carlos Coelho, sempre soube escolher muito bem as representantes dos seus temas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo21:24

      Não é por nada, mas... Vânea?? LOOOL

      Eliminar
    2. Carmen23:38

      Tem razão... Não é Vânea, mas Vânia. Já tinha reparado. Mas fique sabendo que também existe essa variante.
      Não é por nada, mas a sua chamada de atenção...

      Eliminar
  14. Anónimo23:18

    Se ha preconceito, começa na propria RTP! Para a RTP, só o The Voice é que é bom

    ResponderEliminar
  15. Anónimo23:22

    BRAVO VÂNIA!! És fantástica!

    ResponderEliminar
  16. Anónimo23:27

    Ui que a Vânia disse tantas verdades...vai buscar RTP

    ResponderEliminar
  17. Miguel Matias15:34

    Gostei de toda a entrevista, mas a frase mais acertada foi esta: "a falta de investimento não é só monetário: Falta entrega pessoal e trabalho de equipa!".

    ESTE é o problema da RTP e de muitos"dochamado núcleo de fãs" que a Vânia refere. Vão para a Eurovisão para passear, não para trabalhar, para promover. E levam ao FC canções que tinham na gaveta. Em 2015 o proprio arranjo final da canção da Leonor Andrade foi feito ás 3 pancadas. aquilo ficou pior que no FC, é impossivel que tenham perdido muito tempo a produzir, nem sequer ouviram as canções dos outros paises para comparar e tentar fazer melhor. nada. tudo feito em cima do joelho. A administração da RTP,s e quer voltar à Eurovisão, tem de mudar TODA a equipa que trabalha: a chefe de delegação (que alguem a catalogou como personalidade do ano, estão a brincar nao??), os dois produtores (tantos anos a fazer derrotas e continuam a ser concvidados como se não houvesse mais ninguem), o styling e o coreografo que não há. Se ha alguem para a comunicação e marketing (deve haver porque a delegação da RTP em Viena tinha imensa gente)esse alguem tambem deve sair.

    ResponderEliminar
  18. Hugo15:40

    Entrevista interessante e que expoe todas as certezas que ja tinhamos a muito tempo : a inatividade e falta de empenho da RTP...

    ResponderEliminar
  19. Anónimo18:24

    há tanta coisa errada no FC
    convites... votaçao aberta desde inicio (pessoas votam por nomes e nao pelas musicas), nao revelarem as musicas antes do fc, sendo que a votaçao é logo aberta... e manterem sempre os mesmos produtores (ou so existem 2 produtores neste pais??)

    ResponderEliminar
  20. Anónimo23:15

    Quando leio "RTP" dá-me vómitos! (FR)

    ResponderEliminar
  21. Anónimo20:07

    A visão que a Vânia Fernandes tem acerca do funcionamento da RTP nesta matéria, bem como dos portugueses em geral (na minha opinião contaminados pela ineficácia e mediocridade desta estação), é a mesma que tenho, infelizmente!

    Claro que não podemos dissociar este triste facto com o que se tem passado nos bastidores do Eurovision em relação às diversas injustiças que vão surgindo a cada momento, ou seja, mesmo que a RTP tivesse outro desempenho, ainda assim lhe surgiria pela frente a falta de isenção que se está a tornar imagem de marca do Eurofestival.
    Ainda assim isto não devia ser motivo para cruzarmos os braços, muito pelo contrário, oferecer resistência expondo-nos ao desafio de provarmos que também somos capazes de fazer algo que desperte atenção. É um dos principais vazios que temos, pouco fazemos para despertar atenções.

    Desde a semana das semi-finais de 2015 que acompanho as notícias do ESC e muitas foram as opiniões que surgiram quanto à forma de como Portugal se tem mostrado ao longo das suas participações no Eurofestival. Um saldo muito negativo em popularidade e agora a notícia de que Portugal não irá participar no Melodifestivalen? Será? Ou percebi tudo mal? Queria estar equivocado! Tinha até ao momento alguma esperança de que isto não acontecesse! Fiquei sem mais palavras...

    ResponderEliminar
  22. Anónimo21:32

    Bravo... o quanto adorei ler (mais uma vez) esta entrevista.
    Tudo isto que aqui foi dito pela Vânia, bem podia chegar à RTP, que lhes fazia bem ler isto a ver se fazia luz...
    Não me vou alongar muito mais pois acho que a Vânia falou muito bem.Apenas vou acrescentar que faz falta haver pessoas que defendam desta maneira aquilo que deve ser feito, e que façam questão de dizê-lo sem problemas, pois a mudança não acontece sozinha! É preciso fazer por isso! Muito mais artistas bem podiam ter a mesma opinião... talvez fosse um passo pequeno, mas já seria um passo para avançar.
    Obrigado Vânia por tudo (h)

    ResponderEliminar