ESC2021: Votação do júri da República Checa no Festival Eurovisão 2021 poderá ser anulada

 A votação do júri da República Checa no Festival Eurovisão 2021 poderá ser anulada devido a uma violação das regras da EBU/UER. Portugal poderá perder a única pontuação máxima recebida do júri.


O júri da República Checa está envolvido na mais recente polémica do Festival Eurovisão 2021: a cantora Tonya Graves, uma das integrantes do painel, não tem cidadania checa, mas sim norte-americana, o que viola uma das principais regras dos elementos do júri do Festival Eurovisão. A violação da regra poderá levar à anulação da votação do júri da Final e na semifinal, sendo esperado que a EBU/UER lance um comunicado nas próximas horas.

A verificar-se à anulação da votação do júri da República Checa, o mesmo não será substituído por uma votação resultante de outros painéis, sendo que tal apenas aconteceria se o caso tivesse sido detetado antes da gala Final. Assim, Portugal poderá perder a única pontuação máxima recebida no júri em ambas as galas: a classificação na Grande Final permanecerá igual, mas na semifinal Portugal descerá para 5.º lugar na classificação ao ser ultrapassado pela Finlândia.

A República Checa foi representada por Benny Cristo e "Omaga" na semifinal 2 do Festival Eurovisão 2021, terminando em 15.º lugar com 23 pontos, fruto do 13.º lugar no júri e do 17.º no televoto sem qualquer pontuação, tendo recebido 5 pontos do júri português.


 Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Eurovoix/ Imagem: ESCPortugal / Vídeo: Youtube

18 comentários:

  1. Anónimo14:59

    Só faltava esta...

    ResponderEliminar
  2. Anónimo15:10

    Na final Portugal ficaria na mesma posição?

    ResponderEliminar
  3. Pelo menos, o 12ºlugar mantém-se, mas em vez de 153 pontos passamos a ter 141. A EBU é tão rigorosa com umas coisas e com outras fecha os olhos. Podiam anular apenas a votação dessa jurada e mantinham a dos outros 3 jurados, que são checos.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo15:26

    Alguma vez foram anuladas votações de um júri no ESC?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo16:22

      Bielorrússia 2019

      Eliminar
    2. Sim, já aconteceu algumas vezes!

      Eliminar
    3. Anónimo01:07

      Se anularem este ano os votos do júri checo não deveriam aplicar as mesmas regras que foram usadas em 2019 quando anularam os votos bielorrússos?
      I.e., na final o top do "júri" da República Checa ser o inverso do top do televoto e haver um 12 para o Reino Unido, 10 Alemanha, 8 Espanha e por aí adiante

      Eliminar
  5. Anónimo15:59

    Por acaso o ator Fabrizio Raggi, que fez parte do júri de São Marino, é natural deste país? Na agência internacional e-Talenta (em que se inscrevem atores de vários nacionalidades europeias para participarem em eventuais "castings" para filmes e séries - vários atores portugueses também constam dos registos) aparece como tendo a nacionalidade italiana. Sabe-se que o televoto de São Marino é fictício, mas a votação do júri é tida como válida.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo16:43

    Drew Sarich vive em Viena desde há uns anos, mas é americano (de nascimento - Missouri - e nacionalidade). Por que razão os votos da Áustria também não são anulados?

    ResponderEliminar
  7. Anónimo17:57

    Estou para ver quando é que 1 votação por televoto será anulada por incumprimento de alguma regra...
    Ah espera... no televoto não há regras ou critérios, há números, audiências e dinheiro, conclusão não se mexe no lado mais necessário à sobrevivência do concurso... teleespectadores/público. Posso votar no meu vizinho por ser meu vizinho, e se eu for Grego ou Moldavo vou votar na minha língua cm se votasse em mim mesmo (Chipre, Roménia respetivamente). Se sou Norurguês vou reparar sobretudo nos meus vizinhos escandinavos e se eu for do Azerbaijão vou dar os 12 à Rússia e fingir que a Arménia não existe no meu dicionário, senão sofro consequências. Tão musical esta forma de votar não é??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo18:59

      Apoiadíssimo! E, mesmo no que respeita aos júris, que EBU é esta que não nota a troca de 12 pontos que ano após ano Chipre e Grécia cumprem? Que EBU é esta que não se apercebe das mudanças de votação dos mesmos jurados da semifinal para a final? Que, entretanto, prefiram canções que da outra semifinal passaram à final ou canções dos Big 5 ou 6, compreende-se, mas há jurados que mudam por completo a votação mesmo quanto às votações das canções da semifinal em que votaram. Na 2ª semifinal o júri da Sérvia considerou a canção da Finlândia a quinta melhor (tendo as quatro primeiras sido apuradas); na final passou a ser a 2ª melhor de todas as 25 em que podia votar. Na 2ª semifinal o júri francês pôs a canção suíça no 8º lugar (dois jurados até a puseram abaixo do 10º); dois dias depois passou a ser a quarta melhor da final; o jurado que a tinha posto em 15º pô-la agora em 1º. Mas para a EBU nada disto é estranho. Grave é uma cantora e atriz nascida nos EUA ter feito parte do júri da República Checa, país onde vive desde há mais de quinze anos...

      Eliminar
  8. Anónimo18:34

    Fiquei mesmo mal disposto com esta notícia!..... :-(((

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ate eu....🙄
      Isto é uma palhacada 😊
      So porque a franca ficou em segundo lugar 😉
      Se tem ganhado estava tudo bem 😂😂😂

      Eliminar
  9. Não faz sentido nenhum. O festival a bem dizer está encerrado e essa votação nem sequer interfere com a canção vencedora, isso sim é que se poderia considerar um prejuízo. Nem percebo porque é que só agora divulgam tal informação, que a ser verdade é só para acender mais uma polémica tão tola como irrelevante.

    ResponderEliminar
  10. Claro. Quando se anda a prestar atenção ao fogo de artifício e a passadeiras de todas as cores, não se pode atentar a estes pormenores de secretaria. Esta UER tudo pode e tudo permite. Deveriam ter verificado antes. Questiono-me, de facto, se o regabofe que há noutros aspetos não é penalizador e é sempre permitido: autores russos que ora concorrem pela Rússia ora pela Moldávia; gregos a representar Chipre e vice-versa e tantos, tantos outros exemplos. Sei que vou ser impopular, mas devia voltar a ser como antes: autores do país (somente o Luxemburgo podia concorrer com estrangeiros), cada um na sua língua e, já agora, com a orquestra. O Festival é da canção, não é só da Visão, não sei se me entendem ;).

    ResponderEliminar
  11. claro que tinha que envolver os nossos 12 pontos...tão raro recebermos 12 pontos numa final e vão anula-los. Enfim

    ResponderEliminar
  12. Anónimo13:29

    Já anular aquela troca de pontos descarada entre Chipre e Grécia, está quieto...!

    ResponderEliminar
  13. Anónimo16:59

    Então, como ficou esta estória?

    ResponderEliminar