Malta: Destiny Chukunyere assina contrato mundial com a 'Sony Music'

 

A cantora Destiny Chukunyere, representante de Malta no Festival Eurovisão 2021, assinou um contrato mundial com a Sony Music.

A cantora Destiny Chukunyere, vencedora do Festival Eurovisão Júnior 2015 e representante de Malta no Festival Eurovisão de 2020 e 2021, anunciou, nas redes sociais, que assinou um contrato mundial com a Sony Music. "Este é um sonho que se tornou realidade e é a prova de que estou no caminho certo e que o trabalho árduo compensa. Não posso esperar para aumentar esse relacionamento e começar a trabalhar com a Sony Music para atingir novos níveis" revelou a cantora nas redes sociais, frisando que "Je Me Casse", canção que defenderá em Roterdão, contará com distribuição mundial pela Sony Music.

Estreante em 1971, Malta conta com 31 participações no Festival Eurovisão, sendo atualmente o país mais antigo a concurso sem qualquer vitória. Segundo classificado em 2002 e 2005, o país regressou à Grande Final em 2019 com Michela e "Chameleon", tendo a candidatura terminado em 14.º lugar com 107 pontos, nenhum deles oriundos de Portugal. Depois da vitória no X Factor Malta, a cantora Destiny Chukunyere adquiriu o direito de representantar Malta no Festival Eurovisão 2020 com "All Of My Love". 



Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Destiny/ Imagem e Vídeo: Eurovision.tv

7 comentários:

  1. Anónimo13:17

    Se ganha... sabemos que o festival é ou estará comprado. Gosto da miúda e da canção mas cuidado com estes contratos antes da competição. Acabam por ter influências injustas para a legalidade do concurso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo13:26

      Pode influenciar o resultado dos júris, do televoto não, mas é uma variável a ter em conta depois de saírem os resultados

      Eliminar
    2. Anónimo14:09

      Hã?? A grande maioria dos artistas a participar têm contratos discográficos com editoras. É assim que a indústria musical sempre funcionou

      Eliminar
    3. Anónimo18:38

      Realmente este comentário não tem sentido nenhum... Se ganhar para mim só será por mérito pois na verdade a EBU não quer que estes países pequenos ganhem! A única coisa que influencia pode ser o televoto visto qque vai ser distribuida mundialmente e promovida pela Sony Music...

      Eliminar
  2. Anónimo22:45

    Esse mérito é questionável, a Destiny não passa de uma rapariga com uma boa voz, como ela há ao pontapé nas centenas de programas de novos talentos como o The Voice por essa Europa fora. Se ela fosse uma cantautora como a Netta ainda percebia, mas ela não é, ela apenas foi contratada para cantar, arranjaram-lhe uma música e este ano teve a sorte da música não ser para uma mulher com 40 anos como era a do ano passado.
    Em todo o caso, gosto da canção, gosto da Destiny, mas dentro do género pop prefiro mil vezes a Albina.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo01:56

      A Albina nem sequer é cantora pop. A única música pop que tem é esta da Eurovisão e não tem nada a haver com a música de Malta. Pesquisa sobre a Albina e vês que nunca cantou pop antes. Esteve no The Voice 2020 e só cantava baladas e a primeira música dela foi também uma balada.
      Depois, discordo que a canção do ano passado fosse para 40 anos. Para mim, era melhor que a deste ano!

      Eliminar
    2. ... não tem nada a ver...

      Eliminar