[Rumo a Roterdão] Nathalie Brydolf: "É empolgante fazer parte de um conceito que nenhum outro participante experienciou ainda"



Nathalie Brydolf faz, esta noite, a sua estreia no Melodifestivalen com "Fingerprints". A artista esteve à conversa com o ESCPORTUGAL na rubrica Rumo a Roterdão.


A Suécia inicia, esta noite, a sua caminhada para o Festival Eurovisão 2021 com a primeira semifinal do Melodifestivalen 2021. Sete artistas estão na disputa pelo acesso à Grande Final do certame, com o público a ser o responsável por todos os resultados. Depois de Paul Rey, o ESCPORTUGAL esteve à conversa com Nathalie Brydolf, semifinalista do concurso, na rubrica Rumo a Roterdão.

Conhecida do público pela sua participação no Idol 2018, Nathalie Brydolf entra naquela que será uma das experiências mais marcantes da sua vida, conforme nos revelou, recordando a sua carreira musical até ao dia em que subirá ao palco do Melodifestivalen: "Suponho que tudo tenha começado quando tinha cerca de 14 anos. Comecei por ter aulas de canto depois da escola. Seguidamente, iniciei os estudos em música durante três anos, em Estocolmo. Finalmente, tive aulas numa escola de canto e representação, durante um ano, em Londres. No entanto, para mim, a minha carreira começou a descolar após a minha participação no versão sueca do programa Idol. Fiquei classificada em 6.º lugar. Por coincidência, conheci um “conhecido” que trabalhava na Warner. Começámos a trabalhar juntos com um objetivo definido: o Melodifestivalen. Aqui estou eu, hoje! E é incrível!".

Questionada sobre as razões da participação neste ano, Nathalie garante que era o passo natural da sua carreira: "Depois de aproveitar extremamente bem o meu tempo no programa Idol, a participação no Melodifestivalen parecia ser o próximo passo na minha carreira, algo óbvio e perfeito. Assisto ao Melodifestivalen desde criança e é uma honra absoluta poder participar neste concurso! Estou excitadíssima! " frisou, contando-nos as suas primeiras memórias do concurso e do Festival Eurovisão, "Recordo-me de muitos fãs e das ventoinhas a assoprarem os cabelos… Recordo-me fortemente, também, dos Lordi vencerem o Festival Eurovisão. Para mim, foi uma loucura, mas bastante fixe!".

No palco do The Annexet, em Estocolmo, a cantora defenderá "Fingerprints", canção composta por Andreas Johansson, Etta Zelmani, Laurell Barker e Anna-Klara Folin. "É uma canção forte, mas ao tempo vulnerável. Suave, mas ao mesmo tempo poderosa. É uma linda canção que espero que toque os corações do público." descreveu, garantindo que a atuação será bastante contida, "Haverão muito poucos passos de dança, mas muita emoção. “Fingerprints” é uma canção que merece atenção mas, ao mesmo tempo, não deve possuir demasiados fatores de distração ao seu redor.".

Sobre a realização do concurso num estúdio televisivo e sem público, Nathalie Brydolf não poupa nos elogios à SVT, apesar de admitir que vai sentir falta dos espectadores ao vivo: "É uma boa e necessária decisão. Vou sentir saudades do público, da sua energia e da sua alegria, vistas na televisão durante tantos anos. Mas também acho que é empolgante fazer parte de um conceito que nenhum outro participante do Melodifestivalen experienciou ainda.".

Em caso de vitória, Nathalie Brydolf representa a Suécia no Festival Eurovisão 2021, mas a cantora admite que ainda não pensou na eventualidade de tal acontecer: "De facto, ainda não pensei em relação a isso. Ganhar seria, por si só, uma experiência tão incrível. É, simplesmente, difícil entender isso. Melhor ainda seria pensar em atuar no Festival Eurovisão da Canção! Acredito que iria ouvir a opinião dos votantes e iria construir um espetáculo baseado nisso.". Sobre os grandes resultados do país no certame, a artista destacou a educação musical existente no país: "Desde há muito tempo que a Suécia tem tido uma grande exportação a nível musical. Acredito que existam várias razões para isso, mas uma delas poderá ser o facto de termos uma ótima educação na Suécia! ".

No final da conversa, questionámos Nathalie Brydolf sobre Portugal, tendo-nos confessado que tenciona visitar o nosso país no verão de 2021 e recordando a vitória de Salvador Sobral em Kiev: "Ainda não estive em Portugal mas, de facto, estava a planear visitar em 2021! Veremos, com o passar do ano, o que acontecerá em relação a isso. Mas ouvi falar de muitas coisas bonitas sobre Portugal. A canção vencedora em 2017, “Amar Pelos Dois”, interpretada por Salvador Sobral, é, na verdade, uma das minhas canções favoritas de todos os tempos na história do Festival Eurovisão. É uma canção tão bonita! ".

 Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: ESCPORTUGAL /Imagem: Google / Vídeo: Youtube

Sem comentários