10 artistas famosos que participaram na Eurovisão

Desde 1956, o Festival da Eurovisão é um pilar para o público da televisão internacional. Um festival cheio de tradição que deu a conhecer ao mundo inúmeros artistas e até mesmo bandas. Em Portugal, a história também é feita de Eurovisão. Salvador Sobral, Simone de Oliveira ou Paulo de Carvalho, fizeram história e pintaram as suas carreiras com prestações brilhantes!

Contudo, o artigo de hoje incide sobre os artistas internacionais que fizeram da Eurovisão palco até mesmo depois de se tornarem famosos. Curioso para saber quem?

Celine Dion

Celine Dion representou a Suíça no Festival da Eurovisão em 1988, em Dublin, Irlanda. Ela escolheu a música "Ne Partez Pas San Moi (Do Not Leave Without Me)".

Surpreendentemente, Celine não era a favorita para ganhar essa edição da Eurovisão. Embora possa parecer “estranho”, devido à sua carreira enquanto artista, Celine Dion durante a maior parte do período de votação, estava atrás do concorrente do Reino Unido, Scott Fitzgerald.

Nada como uma boa surpresa!


ABBA

Nem é preciso dizer que os ABBA são provavelmente a banda musical de maior sucesso que passou pela Eurovisão. Os ABBA representaram a Suécia no Festival Eurovisão de 1974 em Brighton, Inglaterra. Com a música “Waterloo” venceram o concurso e começaram a sua história no mundo musical.

Depois desta vitória, foi sempre a somar. Com ‘singles’ nos ‘tops’ de todo o mundo, centenas de milhões de discos foram vendidos e ‘videoclipes’ cheios de cores e adereços, os ABBA marcaram uma era.

Além de todo o sucesso, uma das particularidades da banda foi sempre as temáticas das suas letras. Três delas ganham especial relevância: “Waterloo” fala sobre Napoleão, “The Winner Takes it All”, faz referência ao jogo de dados, e “Money, Money, Money” é um hino ao desejo de ser rico.

Caso para dizer, criatividade não faltava aos membros da banda!


t.A.T.u

A dupla pop russa, conhecida em grande parte devido ao videoclipe "All The Things She Said", participou na edição de 2003.

Com um estilo irreverente e reivindicativo, foram umas das sensações desse ano, exatamente pela mensagem da música e estilo da atuação.

Esta energia levou o duo ao terceiro lugar. Depois da Eurovisão, começaram a aparecer mais em lutas, causas e… em reality ‘shows’! Paralelamente a tudo isso continuaram a lançar uma série de ‘singles’ de sucesso antes de se separarem oficialmente em 2011.


Olivia Newton-John

Embora a estrela de Grease (filme que vai ter um remake) residisse na Austrália, por nascer no Reino Unido, representou o país de nascimento no concurso de 1974 com "Long Live Love".

Infelizmente foi no mesmo ano que os ABBA participaram (como já foi referido, ganharam), mas Olivia Newton-John ficou num respeitável 4º lugar. É extraordinariamente notável considerando que Newton-John não gostou nada da música.

Um dado curioso sobre a participação da cantora, esta não gostou da música que cantou. Aliás, nas suas palavras, o estilo que levou não era o ideal para a música sobressair e brilhar!


Julio Iglesias

A aparição de Julio Iglesias no Festival da Eurovisão de 1970 em Amesterdão, na Holanda, também serviu como a sua estreia na televisão internacional, após alcançar algum sucesso musical no seu país natal, Espanha.

Entre doze países participantes, emocionou e encantou com a música “Gwendolyne”, uma balada sobre um homem que chora a distância da sua amada e espera que esta ainda se lembre dele e doseu amor. Iglesias terminou em quarto lugar.

Bonnie Tyler

A cantora oriunda do País de Gales, mais conhecida por ‘singles’ de sucesso como "Total Eclipse of the Heart" de 1983 e "Holding Out For A Hero" de 1984, representou o Reino Unido em 2013 com "Believe In Me".

Contudo, a experiência não foi a melhor. Terminou em 19º lugar entre 26 países participantes. Na altura referiu, "Tenho certeza de que muitas pessoas ficarão desapontadas, mas apesar disso, gostei realmente da minha experiência na Eurovisão”.

Fair-Play primeiro!


Engelbert Humperdinck

Foi por trás de uma carreira de sucesso que Engelbert Humperdinck foi escolhido para representar o Reino Unido no Festival Eurovisão da Canção de 2012 em Baku, Azerbaijão. Com a música “Love Will Set You Free”, apresentou-se numa competição com 26 países finalistas.

Para alguém com 76 anos na época do concurso, Humperdinck ainda tinha uma voz forte e clara, tão boa quanto o seu pico de popularidade nos anos 60 e 70.

Apesar de um bom desempenho, Humperdinck conseguiu apenas doze pontos e na 25ª posição, escapando por pouco do último lugar.

Por vezes, nem sempre uma boa carreira significa vitórias.


Cascada

Na Edição da Eurovisão de 2013, em Malmö, Suécia, Cascada apresentou-se a votação com a música “Glorious”. Em 26 países finalistas, Cascada ganhou apenas dezoito pontos, colocando a Alemanha em 21º lugar.

Antes da competição, a cadeia televisiva alemã Norddeutscher Rundfunk (NDR) investigou a canção por plágio devido a alegações de que "Glorious" soava muito como “Euphoria”, a canção sueca vencedora da Eurovisão de 2012.

Contudo, nada impediu Cascada de participar e até (longe de saber a posição que viria a ficar) ser das favoritas ao prémio final.


Katrina & The Waves

A banda conhecida pelo single de 1985, "Walking on Sunshine", participou na edição da Eurovisão de 1997 pelo Reino Unido.

Para espanto de muitos e surpresa de outros, nada faria prever a sua participação. E não foi por acaso, porque essa participação levou a uma vitória por uma larga margem. O grupo venceu o concurso de 1997 com a música "Love Shines A Light".


Salvador Sobral

Para último, fica alguém bem português, Salvador Sobral. O músico, gradualmente, passou de eliminatória em eliminatória e conseguiu chegar à grande final.

Sem grandes fogos de artifícios e campanhas de promoção, “Amar pelos dois” chegou para levar de vencida a edição de 2016. Um hino ao amor, numa voz melódica e com traços especiais.


Existe mais algum nome a acrescentar?

Com efeito, com ou sem carreira, a verdade é que muitos destes artistas e bandas experimentaram o fenómeno da Eurovisão. Um mundo de talento que todos os anos leva ao público o melhor de cada país no campo da música nacional.

2 comentários:

  1. Não foi em 2017 que o Salvador Sobral brilhou como uma verdadeira estrela? De resto é um lapso quase sem importância porque quem assistiu ainda não esqueceu essa noite histórica para Portugal em termos eurovisivos, de tão faminto que estava de uma vitória assim e que escapava ano após ano até parecer uma eternidade e um sonho utópico das hostes portuguesas.

    ResponderEliminar
  2. A estrelinha do Salvador brilhou em 2017 com um amor não partilhado, mas como disse 20 anos antes Katrina Waves o amor faz brilhar uma luz.

    ResponderEliminar