Jon Ola Sand confirma conversações para o regresso de Marrocos ao Festival Eurovisão


Jon Ola Sand, supervisor executivo do Festival Eurovisão, frisou que "não há sinais de interesse do Médio Oriente" no concurso e confirmou as negociações para o regresso de Marrocos ao certame.
 
Depois de vários anos na chefia do Festival Eurovisão enquanto Supervisor Executivo da EBU/UER, o norueguês Jon Ola Sand está de saída depois da edição de Roterdão e deu uma entrevista ao jornal holandês Ad.Nl. Frisando que "é mais fácil trabalhar em Roterdão do que na Ucrânia, como aconteceu em 2017" devido à maior experiência com grandes eventos, Jon Ola Sand destacou o fim da orquestra ao vivo, o regresso do júri e a entrada de países da Europa de Leste no concurso como as maiores mudanças nos últimos anos.
Questionado sobre o desejo de aumentar o lote de participantes, Jon Ola Sand garante que o limite de participantes da EBU/UER é de 44 países, frisando que "não há sinais de interesse do Médio Oriente". Uma possível estreia da Jordânia, Argélia ou Líbano "tornaria o concurso mais variado e eu sou pessoalmente a favor". Contudo, até ao momento, a EBU/UER apenas mantém conversações com Marrocos, país que participou em 1980.

Sobre a questão da Arménia e do Azerbaijão, países em conflito armado que se anulam nas votações, Jon Ola Sand garante que a EBU/UER não poderá sancionar os mesmos: "Que podemos nós fazer? Colocá-los fora? Não. Já estamos orgulhosos que eles partilhem o palco e queremos manté-los a bordo e mudar a situação através do diálogo" referiu, relembrando que a EBU/UER estudou a mudança do sistema de votação para 25% júri e 75% televoto, "mas achámos o sistema 50/50 como o melhor".

Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Ad.NL / Imagem:Eurovision,tv

11 comentários:

  1. Anónimo00:08

    Comeback Marroco

    ResponderEliminar
  2. Anónimo10:15

    E aceitam passar a música de Israel?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo14:05

      Não sei, a Albânia não têm tido problemas com isso e também é um país maioritariamente muçulmano

      Eliminar
    2. Anónimo16:24

      É um país laico, o que já faz alguma diferença. E tenho dúvidas que seja maioritariamente muçulmano pois tem muitos Cristãos, católicos e ortodoxos.
      Curiosamente, em 80 Israel não participou...
      E o Líbano, que esteve para participar em 2005, retirou-se porque tinha de passar a canção israelita...
      Todos muito tolerantes...
      Mas seja bem-vindo Marrocos

      Eliminar
    3. Anónimo17:45

      Mais de 60% da população albanesa identifica-se como muçulmana.
      Mas o seu comentário colocou uma questão interessante,será que Israel vai passar a música de Marrocos? E será que Israel sendo um país tão "tolerante" vai votar na música marroquina ou será que vai imitar a Armênia/Azerbaijão e fazer de conta que não existe?

      Eliminar
  3. Anónimo10:16

    Que pena o Médio Oriente não ser multicultural...

    ResponderEliminar
  4. Anónimo13:14

    Já agora a Líbia e a Síria....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo14:03

      Ah ah que engraçado... Dois países em conflito armado e onde muitos cidadãos são forçados a fugir para viver devem estar mesmo preocupados com a eurovisão... ah ah ah
      Olha pra mim! A rebolar no chão a rir...

      Eliminar
    2. Anónimo16:24

      Já ouviste falar em ironia?

      Eliminar
  5. Anónimo16:05

    São países que nem aceitam gays . Enforcam eles .... lol para rir né . A Europa um dia vai ser igual a eles

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo17:38

      @16:05 Pois e o governo de Bolsonaro que é contra os gays é porquê? Por causa dos muçulmanos?

      Eliminar