Daniel Deusdado, diretor de programas da RTP, revelou alguns pormenores sobre a organização do Festival Eurovisão 2018. Por outro lado, Carla Bugalho, produtora executiva adjunta, confirmou a participação de 43 países em Lisboa.

O programa A Voz do Cidadão, transmitido esta tarde pela RTP1, foi totalmente dedicado à organização do Festival da Canção 2018 e do Festival Eurovisão 2018. Daniel Deusdado, diretor de programas da emissora nacional, revelou que a administração não tenciona cortar valores na grelha de programação devido à organização do evento internacional: "A administração já disse que tentará fazer o mais barato Festival da Eurovisão dos últimos anos (...) também já foi dito às equipas que planeiam o orçamento para 2018 que o valor importado às grelhas de programas não será afetado pela Eurovisão... mas são previsões. A determinação da equipa que está a gerir é jogar com este equilíbrio.".

Questionado sobre os custos da organização, o diretor de programas revelou que "a Eurovisão enquanto organismo traz 5 milhões de receitas e Lisboa contribui com o local do evento e outras funcionalidades", destacando também a contribuição do Turismo de Portugal e os fundos oriundos das receitas publicitárias. Contudo, "o orçamento só será finalizado no final do ano".

Gonçalo Madaíl, subdiretor da RTP1, respondeu a um dos leitores sobre o sistema de voluntários, garantindo que existirá um programa para o Festival Eurovisão 2018: "Um projeto como este requer a participação de muitos voluntários a vários níveis com alguns requisitos, como o dominío da língua inglesa (...) Nesta fase não está previsto o modelo, mas será comunicado em breve". Por outro lado, Nuno Galopim, consultor da RTP para o Festival da Canção, falou sobre as diferenças entre o processo de seleção dos compositores para o FC2017 e para o FC2018, garantindo que "foi aumentado o espectro" com o aumento do número de participações.


Por fim, Carla Bugalho, produtora executiva adjunta do evento, garantiu que o processo está numa "fase de preparação", destacando o facto da "timeline estar definida e estabilizada (...) estamos numa fase de identificação de recursos, fornecedores e pessoas através de concursos e contratações". Além disso, a chefe de delegação de Portugal destacou a "presença de 43 países em Lisboa", enquanto Daniel Deusdado revelou que as "comitivas gravarão os postcards em diversos sítios de Portugal", iniciativa a cargo do Turismo de Portugal.

Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: RTP / Imagem: RTP / Vídeo: RTP

10 comentário(s):

  1. Quer dizer então que ou o Cazaquistão ou a Moldávia não participaram, leva-me mais a querer que é o Cazaquistão a não participar. Com o Kosovo bateríamos o recorde de 44 países.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. si ke partecipera Moldova, con todos los moldavos ke estAN en portugal

      Eliminar
    2. Anónimo22:30

      si, tu tener razon

      Eliminar
  2. Anónimo17:08

    casaquistao .-. :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo22:31

      não percebo esta maluqueira pelo Cazaquistão, ainda por cima quando nem se sabe escrever o nome do País...

      Eliminar
    2. Anónimo13:26

      22:31 - "Não percebo esta maluqueira" de criticar a escrita e as preferências dos outros, "ainda por cima" quando parece não se saber que não se começa uma frase com letra minúscula...

      Eliminar
    3. Anónimo20:49

      13:26 Haha excelente. Muito bem dito.

      Eliminar
  3. Anónimo20:12

    Desejo que corra tudo bem e que seja um sucesso. Bom trabalho Esc Portugal!

    ResponderEliminar
  4. Anónimo22:53

    EXCELENTE!!! TINHA QUE SER, E AINDA BEM, 43 POSTCARDS DE PORTUGAL :) (h)

    Algo me diz que vai ser um grande sucesso este ESC 2018 :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo10:22

      O melhor de todos os tempos!

      Eliminar

Temas em Destaque

 
Top