A emissora estatal do Luxemburgo RTL confirmou que não marcará presença no Festival Eurovisão 2018. O país saiu da competição há precisamente 25 anos.

A emissora estatal do Luxemburgo confirmou, esta manhã, que não estará representado no Festival Eurovisão 2018, certame que será realizado em Portugal. A última vez que o país participou no concurso foi em 1993, há precisamente 25 anos.

No ano passado, o diretor de programação da emissora luxemburguesa justificou as razões da não participação do país em Kiev: "Para a garantir a participação não seria difícil: bastaria recorrer a um patrocinador e houve bastante interesse. Mas o grande risco é que não conseguiríamos suportar os custos com a organização em caso de vitória". Contudo, sabe que o sucesso do país no concurso é limitada: "Eu acredito que com o alargamento da Eurovisão, os dias da vitória foram-se... Com o novo sistema de votação, é muito improvável que o Luxemburgo seja bem sucedido.".

Até ao momento, o Festival Eurovisão 2018 conta com 18 países provisoriamente confirmados, sendo que Luxemburgo e Andorra são os únicos países que já confirmaram que não estarão representados em Portugal.


Participante na primeira edição do Eurovision Song Contest em 1956, o Luxemburgo participou por 37 ocasiões na competição europeia, ganhando o 1.º lugar em 5 ocasiões (1961, 1965, 1972, 1973 e 1983). Em 1993, o país conquistou a 20.ª posição no evento, o que culminou no seu afastamento da edição seguinte, pelas então regras da EBU/UER. No entanto, a RTL antecipou-se ao afastamento forçado e anunciou a retirada do evento, algo que ainda permanece. Em 2004 e 2005 chegou a fazer uma inscrição provisória, mas não chegou a efectivá-la.

Recorde, seguidamente, as participações do Luxemburgo no Eurovision Song Contest entre 1956 e 1993:


Esta e outras notícias também no nosso Facebook e Twitter. Visite já!
Fonte: eurovoix / Imagem: RTL / Vídeo: YOUTUBE

12 comentário(s):

  1. Luxemburgo sempre armados em chiques.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo18:00

    Comentário muito interessante tirado dum blog de fans do Eurovision e que devia chegar à RTP:

    As a mainly investigative journalist , I find it quite shocking (regarding costs) but at the same time heartening that such things will always be revealed these days, even after the event, it is “fake news” v facts as always, thus am hoping RTP will decide to back to original origins of a “song” contest, smaller , intimate venue, orchestra (RTP one maybe?), singing in national language would be great too (as this year’s winner has shown can be done), limits on Swedish influence in all aspects of ESC, etc etc, Salvador’s win has meant a rethinking of the contest IMO, I hope for the best and for RTP’s first planning for ESC ..

    Natércia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo23:03

      Ahahah a sua máquina do tempo deve ter avariado em 1960. Tempo de orquestra já la vai longe....

      Eliminar
  3. Anónimo18:55

    Mais que teimosia desses gajos do Luxemburgo. Pensam que só têm luxo naquele burgo!

    ResponderEliminar
  4. Anónimo19:08

    Deixem de ser inácios, Luxemburgo! Todos queremos ver-vos na Eurovisão de novo.

    ResponderEliminar
  5. Deixem-se de ser labregos por favor....

    ResponderEliminar
  6. Anónimo20:12

    Voltem luxemburgueses, tão aperdoados!

    ResponderEliminar
  7. Anónimo20:33

    Resumindo, dinheiro para participar não lhes falta, só que eles acham que com o novo modelo de votação é impossível obterem bons resultados. Por outro lado têm medo de vencer pois não conseguem garantir fundos para organizar. Minha conclusão: Dahhhh!!

    ResponderEliminar
  8. Anónimo21:54

    Tinha esperança que com a vitória de Portugal, o Luxemburgo voltasse no próximo ano...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo13:07

      E porquê? Tratando-se do Luxemburgo, um dos paises com mais sucesso na Eurovisão, não tem correlação nenhuma.

      Eliminar
  9. Anónimo03:20

    2017-1993=24...

    ResponderEliminar
  10. Não vejo grande interesse na participação luxemburguesa que recorre sempre a artistas estrangeiros, principalmente franceses, como foram os casos da Anne-Marie David e da Corinne Hermès.

    ResponderEliminar

Temas em Destaque

 
Top