Faleceu Mário Contumélias, vítima de doença prolongada. O sociólogo, jornalista e escritor tinha 68 anos de idade.


Iniciou a atividade como jornalista no jornal O Século, tendo feito parte da equipa que editou a revista Cinéfilo. Mudou-se depois para o Diário de Notícias, onde foi grande repórter. Mais tarde, chefiou as redações do Correio da Manhã, de que foi fundador, e de O Século. Foi também presidente do Sindicato dos Jornalistas no biénio 1975/1976. Quando deixou as redações em 1989 dedicou-se ao ensino do jornalismo, como assessor técnico de formação e formador do Centro Protocolar de Formação Profissional para Jornalistas – CENJOR, onde foi coordenador pedagógico de Curso de Formação Geral em Jornalismo (depois, Curso de Especialização em Jornalismo), durante pouco mais de 20 anos. Catarina Furtado, Nuno Markl, Ana Markl, Pedro Pinto, Bárbara Alves da Costa, Paulo Chitas, José Gabriel Quaresma, foram alguns dos seus muitos formandos, hoje profissionais respeitados.

Participou no Festival da Canção com 9 canções, das quais foi autor. O primeiros festival foi o de 1978 onde foi autor de O Largo do Coreto, interpretada por José Cid. No ano seguinte foi autor de três canções no festival: Cantiga de Amor, interpretada por Isabel Soares, O Comboio do Tua, por Florência, e Quando Chego A Casa, interpretada por Manuel José Soares. Regressa em 1980 como autor de Concerto Maior, interpretada por Manuel José Soares e de Agosto Em Lisboa, por Zélia Rodrigues. Em 1981 assina a letra de Daqui Deste País, interpretada pelo grupo Bric-À-Brac. Para os Broa de Mel foi autor de de No Calor da Noite, em 1983. A sua última participação no Festival aconteceu em 1984, quando assinou a letra de Num Olhar, interpretada por Marisa. Mas foi com a Suzy Paula, que conseguiu o maior êxito, como letrista de O Areias (1982), Visitas (1981) e o álbum No País da Gente. 

Recuperamos a atuação de Suzy Paula na SIC com "O Areias":



Noutra área de ação, fundou e dirigiu empresas de comunicação – como a Mediática e a Idade Media. Em 1999 deixou a vida empresarial para se dedicar em exclusivo ao ensino da Sociologia e da Antropologia. Deu aulas até ao final de 2010, após o que passou a dedicar-se por inteiro à investigação em Ciências Sociais e às escritas documental e ficcional.

As sentidas condolências da equipa do ESCPORTUGAL à família e amigos de Mário Contumélias. 

Esta e outras notícias também no nosso Facebook e Twitter. Visite já!
Fonte: WIKIPEDIA. FACEBOOK. ESCPORTUGAL /Imagem: FACEBOOK / Vídeo: YOUTUBE

1 comentário(s):

  1. Anónimo13:18

    "O Areias é um camelo" marcou a minha infancia. Tão lindo (f) RIP

    ResponderEliminar

Temas em Destaque

 
Top