Bielorrússia: BTRC reage à suspensão de membro ativo da EBU/UER

A emissora bielorrussa BTRC reagiu à suspensão imposta pela União Europeia de Radiodifusão (EBU/UER): "Vamos realizar o sonho da maioria dos bielorrussos. Chega de Eurovisão".


O Conselho Executivo da União Europeia de Radiodifusão (EBU/UER) concordou, recentemente, em suspender permanentemente a associação da emissora estatal da Bielorrússia à EBU/UER, semanas depois de ter anunciado o processo de suspensão devido "a transmissão de entrevistas aparentemente obtidas sob coação" no final de maio e de não ter recebido qualquer recurso da BTRC no prazo estabelecido.

Contudo, depois da suspensão, a BTRC reagiu através de um longo comunicado disponibilizado no site oficial da emissora, onde tece duras críticas à decisão da EBU/UER: "A BTRC reagiu com um sorriso e alguma satisfação à tão esperada suspensão da EBU/UER, organização que não teve, não tem e nunca terá uma opinião própria (...) Inicialmente, queríamos ser nós a abandonar a associação, mas quisemos deixar a farsa chegar ao clímax. Assistimos com a respiração suspensa ao trabalho titânico dos funcionários da EBU/UER a tentar justificar todo o horror... Eles merecem férias".

"O presidente da BTRC falou, recentemente, durante vários minutos com Noel Carran, diretor-geral da EBU/UER. Sentimos pena dele e não o julgamos. Tem um bom emprego, uma óptima posição e um salário decente. Durante toda a conversa, ele não foi capaz de apresentar uma única reclamação contra a BTRC, excepto que «Você está envolvido nisto» e «Os pais de Protasevich acreditam que ele está feito refém» pode ler-se no comunicado, acusando a organização de envolvimento num golpe no governo bielorrusso, "A EBU/UER sabe que os países ocidentais estão envolvidos no golpe na Bielorrússia. As emissoras da Polónia, Lituânia e República Checa apresentam reportagens sobre nós que nos lembram o pior da televisão americana".

A BTRC acusa também as emissoras da Alemanha, Lituânia e Noruega de "fabricação de histórias sobre marchas femininas e tortura a um motorista de táxi", frisando que "a vergonha da União Europeia de Radiodifusão é o melhor do jornalismo europeu". A emissora da Bielorrússia garante também que contará a verdade sobre o que acontece no país e no Mundo: "que as manifestações na Bielorrússia não foram pacíficas, que na Holanda esmagaram os manifestantes com cavalos, nos Estados Unidos as pessoas são mortas à queima roupa. E como os canais da oposição são fechados e mortos na Ucrânia. Como a imprensa russa é expulsa da Letónia. E como os jornais da oposição são presos da Polónia e o partido no poder rouba dinheiro colocado para ajudar emigrantes bielorrussos".

Por fim, a emissora bielorrussa agradece pela expulsão da associação: "Iremos poupar muitos milhões de euros e realizaremos o sonho da maioria dos bielorrussos. Chega de Eurovisão" destacou, admitindo entrar em novas associações em breve, "Todas as agências que já nos contactaram para substituir a EBU/UER: sejam todos bem vindos".

Sendo a única emissora da Bielorrússia associada ao organismo, a suspensão de membro ativo da EBU/UER coloca também o país fora do Festival Eurovisão Júnior 2021 e do Festival Eurovisão 2022, bem como dos restantes eventos eurovisivos, até que a situação seja revertida. De realçar que, este ano, a BTRC foi desclassificada do concurso depois da submissão de duas candidaturas do grupo Galasy ZMesta com conteúdo político.

Estreante em 2004, a Bielorrússia contabiliza 16 participações no certame europeu, tendo apenas seis participações na grande final do concurso. O melhor resultado remonta a 2007 quando Dmitry Koldun e o tema Work Your Magic alcançaram o 6.º posto em Helsínquia. Vencedores do Eurofest 2020, os VAL representariam a Bielorrússia no Festival Eurovisão 2020 com "Da Vidna", canção interpretada na íntegra em bielorrusso.


Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Escxtra/ Imagem e Vídeo: Eurovision.tv

2 comentários:

  1. Anónimo11:12

    Bye Felicia ...

    ResponderEliminar
  2. Realmente a Bielorrússia está sobe um regime de um presidente horrível, que recusa a destituir-se. Até que isso mude eu prefiro a Bielorrússia fora da EBU, consequentemente fora da Eurovisão, neste momento não passa nada interessante para os agora ex-membros da EBU, além de mensagens de apoio a um regime extremista, com o qual ninguém devia compactuar.

    ResponderEliminar