ESC2021: Vocais pré-gravados não iriam ser testados tão cedo se não fosse a COVID-19


O supervisor executivo da Eurovisão, Martin Österdahl, revelou que a regra que permite vocais pré-gravados não teria sido testada este ano se não fosse a pandemia de COVID-19.


Foi numa entrevista ao podcast Eurotrip que Martin Österdahl, supervisor executivo da Eurovisão,  explicou que há muito que há planos para introduzir vocais pré-gravados na Eurovisão, mas é improvável que isso tivesse sido feito antes de 2021. “Nalgum momento ia acontecer, mas não sei...acho que é possível que o tivéssemos sugerido e tentado sem a pandemia, mas não teríamos tentado este ano", afirmou.

Nos novos protocolos de segurança de saúde lançados no início desta semana, foi anunciado que o número de pessoas por delegação presentes no concurso deste ano seria limitado, com esta mudança de regras feita para restringir o número de artistas necessários para participar no concurso.

Antes de assumir a função de supervisor executivo, Martin Österdahl também produziu o Melodifestivalen e explicou que essa foi a inspiração por trás da mudança de regra: "é algo que tentamos e fizemos na final nacional sueca e funcionou bem lá. Temos trabalhado numa série de maneiras diferentes de acertar, não gostamos de backing vocals em palco a fazer mímica. Portanto, estamos a permitir backing vocals nos backing tracks com canto em tempo real no caso de harmonias".


 Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Eurovoix / Imagem: Eurovision.tv

Sem comentários