[Rumo a Roterdão] Hans Nayna: "Podem esperar uma atuação genuína, que é o meu grande objetivo"


Depois de falhar uma carreira como piloto, Hans Nayna dedicou-se à musica e ao canto fazendo, este ano, a sua estreia no Eesti Laul. ESCPORTUGAL esteve à conversa com o cantor na rubrica Rumo a Roterdão.

A Estónia é um dos países que optou pela realização da sua final nacional para o Festival Eurovisão de 2021, com 24 artistas a concurso no Eesti Laul 2021. Depois de Ivo Linna, quinto classificado no concurso de 1996, REDEL, Tuuli Rand e WIIRALT, o ESCPORTUGAL esteve à conversa com Hans Nayna na rubrica Rumo a Roterdão.

Originário da Maurícia, o cantor Hans Nayna faz, este ano, a sua estreia na corrida pelo Festival Eurovisão 2021, tendo falado com o ESCPORTUGAL sobre o início da sua carreira musical. "Bem… Aos 21 anos, quando percebi que não poderia ser piloto, encontrei, por acaso, uma guitarra e comecei a escrever e a tocar. Como se tivesse sido destinado a fazer isto. Um concurso de canto (Run Star), decorrido em 2013, na ilha de Reunião (um departamento francês, localizado, a cerca de uma viagem de avião de 30 minutos, da Maurícia), foi o trampolim para a minha carreira no meu país. Comecei por lançar um álbum, com a minha primeira banda, Five, com um conjunto de canções nas suas versões acústicas. A partir desse momento, comecei a crescer enquanto talento emergente." recordou, falando das mudanças ocorridas nos últimos anos, "Finalmente, em 2015, lancei “Mo Lam” (que pode ser traduzido como “A Minha Alma”), uma canção nacionalmente muito aclamada, cantada na minha língua materna, o crioulo, que ficou nos primeiros lugares das tabelas durante dois anos consecutivos e ainda passa, atualmente e regularmente, em todas as estações de rádio locais. A partir daí, iniciei um caminho completamente diferente. Escrevi e lancei, em 2016, o álbum “Music For The Soul”, um álbum constituído por 13 faixas, quase inteiramente em inglês, com 8 peças sonoras para banda completas. Trouxe algo novo para o palco da Maurícia, tal como muitos outros o fizeram antes de mim.".

Com atuações na Maurícia, Reunião, Madagáscar e Coreia do Sul, Hans Nayna destaca também outras experiências na carreira, como a abertura do concerto de Ben Harper na Maurícia, o título de melhor voz masculina no Oceano Índico e uma atuação bastante especial: "no ano passado viajei para a Dinamarca para atuar num casamento de um casal que me viu uma vez num hotel da Maurícia antes de ficarem noivos. Fui o presente da mãe da noiva.".

O cantor também recordou as suas primeiras memórias do Eesti Laul 2021: "As minhas primeiras memórias do Eesti Laul remontam aos momentos em que eu e a minha namorada ainda vivíamos na Maurícia. A minha namorada teve “Goodbye To Yesterday” como  a sua canção de alarme durante, praticamente, todo o nosso primeiro ano juntos. Para além disso, também posso relacionar o Festival Eurovisão com a minha mãe. É fã e, de facto, tem assistido do Festival Eurovisão durante anos. Muitos anos até. Penso que a sua cantora favorita seja Céline Dion." frisou, fomentando que a ideia de participar no concurso surgiu quando ainda vivia na Maurícia, "Inicialmente, a ideia surgiu, ainda, quando me encontrava na Maurícia com uma namorada estoniana e estava a planear mudar-me para a Estónia. Desde então, a ideia sempre esteve presente. E bem, tudo foi confirmado, mais tarde, por pessoas pertencentes à indústria que, então, conheci.".

No concurso, Hans Nayna defenderá "One By One", tema composto pelo próprio juntamente com Vahur Valgmaa: "A canção é uma ode às pessoas. Para tudo o que as pessoas são e representam. Com uma sonoridade próxima dos géneros soul e pop." frisou, revelando alguns detalhes sobre a atuação no palco do Saku Suurhall, "Podem esperar uma atuação de canto. Uma atuação genuína. É esse o objetivo para o qual estou a começar a trabalhar.".

Abordado sobre uma possível vitória, Hans Nayan garante pensar apenas fase após fase: "A palavra “vitória” é uma palavra demasiado grande para mim. Se isso realmente acontecer, vou agir com calma e guardar algum tempo para ouvir sugestões sobre a possibilidade de tornar a canção e/ou a encenação melhores." frisou, elogiando a postura da ERR perante a pandemia de Covid-19, "Para mim, toda a dinâmica do concurso é nova. Na verdade, não me faz muita diferença, já que não sei como decorria anteriormente. Contudo, respeito todas as iniciativas para ajudar a prevenir a propagação da COVID-19.". Por fim, Hans Nayan foi desafiado para escolher a sua canção favorita do Festival Eurovisão: "«Kuula» de Ott Lepland, sem dúvida nenhuma".

 Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: ESCPORTUGAL /Imagem: Google / Vídeo: Youtube

Sem comentários