ESC2021: Grupo de Referência da EBU/UER reitera a decisão sobre as canções de 2020


Depois de várias críticas à decisão, o Grupo de Referência da EBU/UER para o Festival Eurovisão reiterou a proibição da transição das canções do concurso de 2020 para 2021.


Desde o cancelamento do Festival Eurovisão 2020 e o anúncio da EBU/UER sobre a não transição dos temas de 2020 para a edição de 2021, vários compositores e membros das delegações criticaram junto da EBU/UER, solicitando a possibilidade de usar as mesmas canções. Contudo, o Grupo de Referência da EBU/UER voltou a defender a decisão tomada anteriormente.

"O Grupo de Referência do Festival Eurovisão, que representa todas as emissoras participantes, concordou que as regras do Festival devem ser mantidas para o evento em 2021. Isto significa que as canções que competem em 2021 não poderão ser lançadas comercialmente antes de 1 de setembro de 2020, o que exclui a seleção das canções escolhidas para a edição de 2020" pode ler-se no comunicado da EBU/UER, assumindo que "a decisão é decepcionante, mas que a EBU pretende celebrar as canções deste ano nos próximos meses".
  
O Grupo de Referência afirmou também que a transição das canções "não estaria no espírito da competição e a emoção da temporada de seleção seria perdido, o que prejudicaria o impacto do evento nas redes sociais e nas emissoras participantes", bem como a uma "competição injusta, onde algumas emissoras poderiam optar por uma canção nova em vez da escolhida para 2020".
 
 
Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte/Imagem: EBU/UER

1 comentário:

  1. Basicamente confirmou-se aquilo que eu já pensava.A questão das músicas não passarem para o próximo ano, deveu-se essencialmente ao fato de existirem países nos quais as suas finais nacionais têm impacto no orçamento das emissoras.Se as canções em 2021 tivessem que ser as de 2020 para todos os países, isso obrigaria países como Noruega,Suécia ou Dinamarca a abdicar das suas finais nacionais.Isso é impensável para eles.Basta ver os patrocínios e a logística do Melodifestivalen.

    ResponderEliminar