[ESPECIAL] Os 56 anos de Portugal no Festival Eurovisão


Portugal fez a sua estreia no Festival Eurovisão a 21 de março de 1964, há precisamente 56 anos. O ESCPORTUGAL convida-o a recordar alguns dos momentos mais marcantes da história de Portugal no concurso internacional.


A 21 de março de 1964, o Tivolis Koncertsal, em Copenhaga, recebeu a 9.ª edição do Festival Eurovisão, certame que contaria pela primeira vez com a participação de Portugal. António Calvário e "Oração" foram os escolhidos para representar o país, terminando em último lugar, juntamente com a Alemanha, Suíça e Jugoslávia, não tendo recebido qualquer pontuação. Além disso, a edição ficaria marcada por uma invasão de palco no fim da atuação helvética em protesto com as participações de Portugal e Espanha no evento, numa época em que os dois países eram governados por regimes ditatoriais.



No ano seguinte, Simone de Oliveira e "Sol de Inverno" foram os escolhidos para representar Portugal no Festival Eurovisão em Napóles, ficando na história como a primeira candidatura portuguesa a ser pontuada. "Sol de Inverno" recebera 1 ponto do Mónaco, equivalente ao 3.º lugar na votação do país, terminando o concurso em 13.º lugar entre os 18 países participantes.



No entanto, a primeira entrada de Portugal no top10 do Festival Eurovisão apenas aconteceria em 1971, naquela que foi a sua sétima participação. Tonicha e "Menina do Alto da Serra" representaram Portugal em Dublin, terminando a edição em 9.º lugar com 83 pontos, tendo recebido a pontuação máxima do júri de Espanha.


Apesar do último lugar no Festival Eurovisão de 1974, Paulo de Carvalho e "E Depois do Adeus" ficaram na história do concurso europeu. A canção, que apenas recolheu 3 pontos no formato internacional, foi a escolhida pelo Movimento das Forças Armadas (MFA) como uma das senhas para a movimentação de tropas a 24 de abril de 1974, o que levou à queda do regime ditatorial que governava Portugal há várias décadas. Foi um dos inúmeros casos em que a música esteve de mãos dadas com a História Mundial.


Naquele que foi o primeiro ano em que foi utilizado o sistema base de votação do concurso (1-8, 10 e 12 pontos), Portugal recebeu a primeira pontuação máxima no concurso de 1975. Os primeiros doze pontos portugueses no concurso vieram da Turquia, com Duarte Mendes e "Madrugada" a terminarem em 16.º lugar com 16 pontos... depois de ter sido o 16.º a subir ao palco eurovisivo.



José Cid e "Um Grande, Grande Amor" foram os representantes de Portugal no Festival Eurovisão de 1980 em Haia, cidade holandesa que organizou o concurso depois da recusa israelita em organizar o concurso em dois anos consecutivos. Com o refrão interpretado em várias línguas, a canção portuguesa foi apontada por muitos como uma das favoritas ao triunfo: no final, José Cid ficou-se pelo 7.º lugar com 71 pontos, um dos melhores resultados de sempre de Portugal.


Décima-quarta classificada entre vinte países, Dora fez furor pela Europa com a participação no Festival Eurovisão de 1986. O arrojado visual utilizado na Noruega foi capa de revista em diversas publicações internacionais e "Não sejas mau pra mim" ficou eternizada na história de Portugal.



Com apenas 16 anos aquando do concurso, Sara Tavares foi a mais jovem representante de Portugal no Festival Eurovisão em 1994. Em defesa de "Chamar a Música", a cantora de raízes cabo-verdianas alcançou o 8.º lugar com 73 pontos, uma das melhores classificações de sempre de Portugal.


Depois do discreto 18.º lugar na ronda preliminar de apuramento, Lúcia Moniz e "O meu coração não tem cor" surpreenderam tudo e todos com a classificação em Oslo. A canção portuguesa subiu ao 6.º lugar com 92 pontos, tendo sido a favorita de Chipre e Noruega, tornando-se a melhor classificação de Portugal no concurso até 2017. No entanto, "O meu coração não tem cor" nunca foi gravado em disco...


Escolhida internamente pela RTP, Rita Guerra foi a primeira artista portuguesa a levar uma canção bilingue ao Festival Eurovisão em 2003. "Deixa-me sonhar (Só Mais Uma Vez)" foi defendida em português e em inglês, mas ficou apenas na 22.ª posição com 13 pontos de quatro países. Posteriormente, Portugal voltaria a apostar em canções bilingues apenas em 2005 e 2006.

 
Depois de quatro eliminações consecutivas nas semifinais, Vânia Fernandes e "Senhora do Mar" tornaram-se os primeiros representantes de Portugal numa Grande Final do Festival Eurovisão desde a introdução das semifinais. A canção portuguesa apurou-se no 2.º lugar na semifinal, tendo terminado em 13.º lugar com 69 pontos na Grande Final, no último ano em que a votação esteve totalmente a cargo do televoto.


13 de maio de 2017: uma data que nenhum eurofã português esquecerá. Depois do apuramento para a Grande Final, o primeiro desde 2010, Salvador Sobral e "Amar Pelos Dois" conquistaram, em Kiev, a primeira vitória de Portugal no Festival Eurovisão. Com a marca recorde de 758 pontos e 30 pontuações máximas (18 do júri e 12 do público), Portugal perderia o título de país com mais participações e nenhuma vitória.



Praticamente um ano depois da vitória de Portugal em Kiev, Lisboa receberia o Festival Eurovisão de 2018. 43 países participaram no concurso que foi ganho por Israel, enquanto Portugal, representado por Cláudia Pascoal e "O Jardim", terminaria em último lugar na Grande Final com 39 pontos.



Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: ESCPORTUGAL / Imagem: Eurovision.tv / Vídeo: Youtube

1 comentário:

  1. Nem no último lugar conseguimos ser bons, já que a Áustria logo no ano a seguir a ter ganho, após 48 anos de jejum, saiu vergada ao peso de um nulo.

    ResponderEliminar