[VÍDEO] França: Reveja a apresentação oficial de "The Best In Me"


A canção representante de França no Festival Eurovisão 2020 foi apresentada oficialmente por Tom Leeb na Torre Eiffel, em Paris.

Depois de ter sido revelada nas plataformas digitais, a canção representante de França no Festival Eurovisão 2020 foi apresentada oficialmente por Tom Leeb numa transmissão televisiva em direto da Torre Eiffel em Paris. Intitulada "The Best In Me",interpretada em inglês e em francês, a canção composta por Thomas G:Son, Peter Boström e John Lundvik será defendida por Tom Leeb em Roterdão.




França competiu por 62 ocasiões no certame europeu, tendo falhado apenas as edições de 1974 e 1982, sendo um dos países com mais sucesso na competição, com cinco vitórias no histórico (a última remonta a 1977). Vencedor do Destination Eurovision 2019, Bilal Hassani representou França no Festival Eurovisão de 2019 com "Roi". Em Telavive, a candidatura não foi além do 16.º lugar com 105 pontos, 2 deles oriundos do televoto português.


Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: France2/Imagem/Vídeo:Eurovisiontv

12 comentários:

  1. Muito inteligente esta publicação

    ResponderEliminar
  2. Muito inteligente a apresentação de esta publicação francesa

    ResponderEliminar
  3. Anónimo21:56

    um país com uma cultura tao rica e vai com uma musica made in sweden rejeitada do melodifestivalen.. isto é o cúmulo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso realmente é pena.
      Este cenário pedia algo mais francês.

      Eliminar
  4. Anónimo22:43

    Linda Canção

    ResponderEliminar
  5. Anónimo23:39

    Realmente o ESC mudou muito. Antigamente autores franceses escreviam para as representações do Mónaco, do Luxemburgo e, pontualmente até, da Bélgica e da Suíça, além, claro, da França. Este ano a canção francesa provém essencialmente da Suécia. Não sendo, de modo algum, uma canção desagradável, pergunta-se se não haveria autores franceses (ou residentes na França, com alguma ligação à música do país) capazes de escrever um tema mais apelativo. O intérprete faz o que pode, mas nem Edith Piaf renascida tornaria esta canção memorável.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo02:05

      A delegação francesa não devia ter cancelado o Destination Eurovision, é verdade que nestes os Madame Monsieur ganharam ambas as edições(uma como compositores e intérpretes e outra como compositores) mas têm ambas tiveram boas classificações.
      Com esta música, por muito dinheiro que gastem em staging, por muito que Leeb se esforce não a vejo acima do bottom 5, lembrem-se do resultado que a Letônia e Israel tiveram o ano passado

      Eliminar
  6. Anónimo23:59

    Pois eu se fosse francês sentir-me-ia triste...um país com um cultura soberba a todos os níveis, vai-me enviar uma cançoneta do mais banal que pode haver, interpretada pele primeira vez no monumento mais icónico da França e ainda por cima com partes em inglês...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo00:38

      E o que tem, ter alguma coisa em inglês??? , se os países de leste podem , porque não a França , eu não ligo as línguas vê sim as músicas , e adoro

      Eliminar
    2. Anónimo03:23

      Essa coisa das línguas já enjoa...
      O anónimo também ficou tristíssimo quando a Áustria participou em 2016 com uma canção em Francês? Ou a Estónia em 2018 com uma canção em Italiano? Ou ficará triste se a Islândia enviar uma música parcialmente em latim este ano?

      Eliminar
    3. Anónimo11:00

      00:38/03:23 - A questão não está em não poder/dever cantar em inglês. Quando se apresenta uma canção em duas línguas, sendo uma delas o inglês, a ideia com que imediatamente se fica é que se quer dar uma noção a quem não fala/compreende um dos idiomas (neste caso o francês) de qual o tema da canção. Ora a parte em inglês, neste caso concreto, é paupérrima, igual a milhares de letras de canções idênticas a esta. Não é, no seu todo, uma canção desagradável, não está mal interpretada, mas uma cena musical interessante como a atual na França, um cenário espetacular como o que foi escolhido para esta estreia levariam a pensar estar-se prestes a ouvir algo mais criativo (mesmo que fosse integralmente em inglês).

      Eliminar
  7. Anónimo00:35

    Adoro, esta e a Noruega , das escolhidas são as melhores , o resto é só porcarias

    ResponderEliminar