[Olhares sobre o Vidbir 2020] Quem representará a Ucrânia no Festival Eurovisão 2020?


A Ucrânia escolhe, esta noite, os seus representantes para o Festival Eurovisão 2020 através do Vidbir 2020 2020. Saiba quem são os favoritos do painel do Olhares do ESCPORTUGAL.


Baseado no sucesso dos Olhares sobre o Festival Eurovisão, iniciativa criada em 2009, o ESCPortugal realiza, esta temporada, a quarta edição do Olhares sobre as finais nacionais, em colaboração com o painel do ESCPORTUGAL Regiões. Depois dos Olhares sobre a Albânia, República Checa, Moldávia, Austrália, Letónia, Itália, Arménia, Lituânia e Noruega, a Ucrânia é o próximo país na lista de Olhares sobre as Finais Nacionais.

Seis candidatos disputam a Final do Vidbir 2020, depois de duas semifinais, sendo que o público e o júri são os responsáveis pela escolha dos representantes da Ucrânia no Festival Eurovisão 2020.

Conheça, de seguida, as preferências do painel de comentadores:

Adão Nogueira aposta em Khayat com "Call For Love"
Depois da desilusão de não participação no ano passado e com novas regras chega-nos o Vidbir 2020. Sem nenhum rasgo de criatividade como nos tem presenteado não deixa de ter boas músicas. A minha escolha vai para Khayat e “Call for love”. Consegue captar a atenção logo desde a primeira nota e dá-nos uma performance saída do espaço sideral, a apresenta uma ótima interação com as bailarinas e os planos de câmara.

      
André Eric-Fernandes aposta em Khayat com "Call For Love"
Qual vai ser o escândalo deste Vidbir ? Espero bem que as investigações sobre os artistas tenham sido feitas antes da final para evitar a peixeirada de 2019. A proposta que mais me interessa é "Call For Love" de Khayat, uma boa mistura moderna de electro-pop e folclore étnico. Mesmo se o cantor mostrou alguma fraqueza vocal durante as semi-finais, o espetáculo foi bom e original. Dentro do mesmo estilo, uma justa vingança à Maruv, privada de Israel no ano passado.


André Moreira aposta em GO-A com "Solovey"
Ucrânia, uma vez mais, a contemplar-nos com uma final muito especial na qual consta um conjunto de canções muito diferentes entre elas. As canções são na sua maioria modernas e muito ricas nos instrumentais. No meio delas, uma cativou-me de modo muito especial. Foi ela a "Solovey" do grupo GO-A. Revivi, ao ouvi -la, a Eurovisão que mais me entusiasmava (2005-2009) em que a etnicidade nos transportava para longe. Acoplado a um canto muito típico a fazer lembrar as polacas de 2019, "Solovey" é visualmente cativante e hipnotizante nos solos instrumentais, mantendo a sua genialidade étnica sem descurar da sua modernidade.

   
 
Cláudio Guerreiro aposta em Khayat com "Call For Love"
Ao contrário do que se diz por aí, não acho que o nível musical da final ucraniana esteja assim a um nível tão elevado. Diria antes que prima pela diferença a nível de sonoridades, isso sim. Entre as músicas finalistas só vejo uma ali mesmo quase no ponto para ter impacto no palco da Eurovisão. “Call For Love” é sombria, é moderna, tem atitude, tem personalidade, tem um cantor carismático e tem uma atuação mesmo quase pronta para Roterdão. Além disso, possui aquela sonoridade pop que se nota logo perfeitamente que vem do leste da Europa (pormenor que adoro e que tanta falta faz à Eurovisão), não deixando de juntar um toque étnico nos backing vocals. Apenas há um pormenor a melhorar: a segurança vocal, mas nada que não se consiga até maio.
  
 
Diogo Cabral aposta em Khayat com "Call For Love"
O Vidbir volta a não desiludir, com vários propostas arrojadas que poderão voar até Roterdão e, certamente, lutar por lugares cimeiros. A minha escolha recai sobre Khayat e "Call For Love". Tudo nesta proposta é cativante - desde a sonoridade dos primeiros segundos da canção ao jogo de luzes; a voz do intérprete; o instrumental; o recurso a sons mais étnicos da Ucrânia. Isso tem tudo para triunfar. Não descarto a hipótese de Go-A ou Krtub vencerem o Vidbir.

    
Fábio Ventura aposta em GO-A com "Solovey"
Inicialmente criada como festival de celebração da música e das distintas culturas europeias, com o intuito de unir um continente fragilizado pela guerra, a Eurovisão tem vindo a perder essa característica tão intrínseca ao festival. E que triste isso é! A Ucrânia apresenta-nos seis canções finalistas: umas que seguem a globalização da língua inglesa e estilos não tão ucranianos e outras que defendem a cultura tradicional daquele país. É a estas últimas que a minha atenção se dirige: Krutь, com um canção mística mas que peca no vocal não tão forte como seria adequado, e Go_A com "Solovey", que significa "Rouxinol". "Solovey" é a única canção finalista cantada totalmente em ucraniano, num estilo musical muito típico daquele país mas com um instrumental devidamente adaptado à modernidade. A voz, que não passa despercebida, "pede ao rouxinol que não cante tão cedo, pois o coração da vocalista ainda não está preparado para o ouvir". É uma canção que carrega uma carga emocional marcante, quer sonora como visualmente.

 
Hugo Sepúlveda aposta em GO-A com "Solovey"
Ucrânia volta a ter uma das melhores finais nacionais, recheada de várias músicas que fogem ao panorama comercial! Krutь, mesmo fora do meu top3, é uma música com uma essência mística forte! Tvorchi e Khayat, em 3º e 2º respectivamente, a meu ver estão no mesmo patamar, instrumentais interessantes, performances impactantes mas que pecam no mesmo: a voz! Não sendo algo que seja difícil de resolver, também seriam bons representantes ucranianos em Roterdão. Posto isto, a minha escolha recai em Go_A! Соловей (Solovey) é uma belíssima canção que une uma essência étnica à modernidade e nos leva numa viagem fascinante, ainda que melancólica.


Nuno Carrilho aposta em Khayat com "Call For Love"
Depois de toda a polémica de 2019 e das restrições (políticas) colocadas à edição deste ano, admito que temi pelo Vidbir 2020. No entanto, o polémico concurso parece não ter sido afetado e volta a ser uma das melhores montras do poder heterogéneo da música. Há três propostas que disputaram os meus doze pontos: a simples e interessante "99", a intrigante e cativante "Solovey" e a animada e interessante "Call For Love". No fim de contas, a proposta de Khayat leva a minha pontuação: uma grande canção, bastante interessante e cativante, tendo imenso potencial para lutar pelos lugares cimeiros em Roterdão.

    

Rúben Ameixa aposta em David Axelrod com "Horizon"
A minha favorita a vencer o Vidbir 2020 e representar a Ucrânia em Roterdão é "Horizon", defendida pelo David Axelrod. Uma balada bem construída, o que é ajudada pela força da voz do David. De entre todas, parece-me a melhor para representar a Ucrânia no Festival Eurovisão de 2020.


Tiago Silva aposta em GO-A com "Solovey"
Sem dúvidas que a Ucrânia apresenta uma das finais nacionais mais diversificadas até agora. A minha favorita e que acho que poderá dar à Ucrânia a melhor classificação é "Solovey" dos Go_A, uma música étnica que fica no ouvido e que o publico de leste iria votar em massa.

Aceda, de seguida, aos resultados das votações dos 10 comentadores:

1.º Go-A - "Solovey" - 102 pontos
2.º KHAYAT - "Call  For Love" - 98 pontos
3.º KRUTЬ - "99" - 83 pontos
4.º TVORCHI - "Bonfire" - 75 pontos
5.º David Axelrod - "Horizon" - 66 pontos
6.º Jerry Heil - "Vegan" - 56 pontos

 Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: ESCPORTUGAL /Imagem: Google / Vídeo: Youtube

Sem comentários