[ZONA DE DISCOS #99] Rui Bandeira - "20 anos de canções"

Todas as semanas no ESCPORTUGAL, a crítica aos álbuns editados por artistas que participaram no concurso Eurovisão da Canção e/ou seleções nacionais ao longo dos anos. 
Esta semana, a análise recai no disco celebração dos 20 anos de carreira de Rui Bandeira.
O responsável da rubrica é Carlos Carvalho.
Lançamento: 28 de junho de 2019
Nota: 8/10
Muito dificilmente, em 1999, alguém apostaria que Rui Bandeira, 20 anos depois, em 2019, seria um dos intérpretes portugueses mais acarinhados pelo público nacional, com uma carreira bastante sólida e sucesso comercial bastante significativo.
“Como tudo começou” acabou por se revelar um título profético para a trajectória de Rui Bandeira, um tema e um intérprete que não lidera as preferências do mundo português eurovisivo e que acaba por ser, injustamente, um pouco ou tanto esquecido em termos de reconhecimento, mesmo quando estamos perante um de apenas 3(!) intérpretes portugueses que após a Eurovisão dos últimos 20 anos conseguiu um contínuo sucesso discográfico – juntando-se apenas Rita Guerra e Salvador Sobral ao restrito leque.
Talvez pelo facto do reportório de Rui Bandeira ser facilmente atacado pela pseudo- crítica, por ser facilmente apelidado de pimba, afasta-o imediatamente de determinados circuitos. Mesmo este concerto em áudio e dvd será facilmente ‘deitado abaixo’ mesmo por aqueles que não se predispuseram a ver sequer 5 minutos do concerto aqui em causa, mas que não perdem uma oportunidade para criticar destrutivamente. Até esta análise poderá ser estranha…Mas vamos a factos!!!
Como o próprio intérprete diz, “são 20 anos, não são 20 dias”. Acrescentamos que são 20 anos de uma discografia regular e de um sucesso ascendente. É tudo bom? Não! Na sua vasta discografia há algumas apostas menos conseguidas. Se o primeiro álbum – “Como tudo começou” (1999) – foi, por um lado, decente, deixou, por outro, uma incógnita de difícil solução: o que será feito deste cantor daqui a 5 anos - penso que ninguém se atreveria a pensar mais do que esse espaço temporal, certo? Muito provavelmente estará completamente esquecido. E se é verdade que os álbuns que se seguiram nem sempre foram tiros certeiros, certamente foram a afirmação da vontade que Rui Bandeira tinha em ficar. Desde uma onda “boy band”, mas a solo, no disco “Mais” (2000), a uma capa que dá direito a um tesourinho deprimente, em 2004, “Destino”, são trabalhos que lhe permitiram, pelo menos, ir aparecendo com alguma regularidade no meio televisivo e, consequentemente, não ser esquecido, embora não houvesse ainda o “estilo Rui Bandeira”.
Cremos que o salto rumo à afirmação de uma identidade musical se dá em “Só Deus Sabe” (2006), o primeiro álbum que grava para a editora Espacial – toda a sua carreira discográfica está dividida entre a Vidisco e a Espacial. É aqui que ouvimos uma aproximação assumida ao estilo que ainda hoje o caracteriza, sendo o seu primeiro disco que deu direito a um álbum gravado ao vivo, e com o a execeção de “Como tudo começou” (1999) todo o novo trabalho é composto por temas de 2006 em diante.
De acordo com o press release do disco, “Rui Bandeira “20 Anos de Canções” é o resultado de um espetáculo gravado ao vivo que nos leva a percorrer a história e o trajeto deste intérprete. Convidados muito especiais como os seus filhos Tiago Bandeira e Bárbara Bandeira, bem como o seu produtor musical Jorge do Carmo e o seu amigo de longa data, José Malhoa, prestigiam esta nova edição. Um disco duplo, CD+DVD que não deve perder e onde poderá não só ouvir os grandes sucessos de Rui Bandeira, mas também poderá desfrutar, assistindo a um grande concerto, gravado ao vivo no Casino da Póvoa de Varzim.”
Embora as baladas sejam parte substancial do seu sucesso, Rui Bandeira afirma que, de vez em quando, gosta de ir adicionando “alguns ingredientes da moda”. Esses ingredientes estão bem visíveis nos sucessos de “Loucura de Amor” (2013), “Rumba Rumba”” (2014) e “Sente”, todos eles com direito a inclusão nesta celebração de duas décadas. Duas décadas marcadas por uma ascensão lenta, mas segura e contínua, e com uma base de fãs bastante fiel. Um percurso honesto, construído à margem de apetecíveis letras gordas para a imprensa cor-de-rosa. Um percurso musical num mundo competitivo e feroz mas que está assente numa grande amizade e cumplicidade artística. Falamos aqui do músico e compositor Jorge do Carmo que está, obviamente, presente, quer nas várias composições que encetam esta celebração, quer de modo mais visível como convidado especial em “Juntos no Palco”.
Apesar de todo o sucesso, e recuperando uma ideia da nossa análise ao álbum “Sonho estar contigo” (2018), falta ainda na sua carreira um tema que seja nacionalmente reconhecido de modo imediato como a “música do Rui Bandeira”. Não sabemos se faz parte ou não das suas aspirações. O que sabemos é que Rui Bandeira espera estar presente, pelo menos mais 20 anos. Nós acreditamos que sim. Em 2039 vamos estar a escrever sobre Rui Bandeira…. É melhor guardar esta análise. Até lá!
Parabéns, Rui!

Rui Bandeira - 20 Anos de canções (Full concert)



Alinhamento
Intro
Medley I RB 20 anos
(Alma Ferida /  Coração Esquecido / Somos só Amantes / Chegou a Hora / Deus Abençoou o Nosso Amor)
Como Tudo Começou
Ainda me olhas com amor
Quando eu te amava
Alma ferida
Deixa o amor entrar Ft. Tiago Bandeira
Sonho estar contigo
Deus Abençoou o Nosso Amor
Cuida bem dela
Tu és parte de mim Ft. Bárbara Bandeira
Medley - (Loucura de amor / Rumba Rumba)
Sempre a pensar em vocês
Quatro da Manhã
Coração Esquecido Ft. José Malhoa
Medley - (Sei Que Não Vais Esquecer / Morro de amor)
Sente
Juntos no palco Ft. Jorge do Carmo
Medley 
(Somos Só Amantes / Chegou a hora / Um Dia Vais Voltar)
A luz que me guia
Não me abandones agora
Não Me Arrependo de Nada

CONVIDADOS MUSICAIS
Tiago Bandeira
Bárbara Bandeira
José Malhoa
Jorge do Carmo

MÚSICOS
Jorge Azevedo (Trompete & Direção Musical)
Virgílio Marujo (Bateria)
Miguel Martins (Magic) (Baixo)
Márcio Ferreira (Teclados)
João Matos (Guitarras)
Eduardo Azevedo (Saxofone)
Vítor Carvalho (Saxofone)
Pedro Azevedo (Trompete)
Marco Tavares (Trombone)
Rodrigo Lage (Trombone)
Ana Sofia Gonçalves (Coros)
Célia Carvalho (Coros)
Susana Magalhães (Viola D´Arco)
Gabriela Magalhães (Violoncelo)
José Luís Carvalho (Violino 1)
Tiago Moreira (Violino 2)


A ver: Rui Bandeira - Homenagem - No Programa - Agora Nós - RTP - 03/01/2019

Pode ouvir o disco AQUI.
Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: OPINIÃO CARLOS CARVALHO / Imagem: GOOGLE / Vídeo: YOUTUBE

Sem comentários