EBU/UER: Mudanças nos Estatutos da EBU/UER foram recusadas


Os membros ativos da EBU/UER recusaram, na Assembleia Geral realizada em Oslo, as mudanças nos Estatutos sobre a adesão à associação.

A votação na Assembleia Geral da União Europeia de Radiodifusão (EBU/UER), realizada em Oslo, acabou de ser concluída, com a proposta com mudanças nos estatutos da associação a ser recusada. A mudança nos estatutos consistia na abolição da adesão à União Internacional de Telecomunicações como pré-requisito para a admissão de uma emissora pública na associação. Deste modo, o Kosovo, país não reconhecido pela Organização das Nações Unidos (ONU), não pode adquirir o estatuto na União Internacional de Telecomunicações, estando impossibilitado de aderir à EBU/UER.

Antes do início da votação, os representantes de 17 países, incluindo Grécia, Chipre, Espanha e Sérvia, pediram uma votação secreta sobre o assunto. A solicitação foi aceite e a votação das mudanças nos estatutos foi feita secretamente, com 673 dos 1186 eleitores a recusarem a mudança, com 400 votos a favor e 113 abstenções. Deste modo, a única solução para a adesão plena do Kosovo para a EBU/UER é a resolução definitiva dos seus problemas com a Sérvia e a sua subsequente adesão à ONU.

De realçar que, um dos grandes entraves do reconhecimento do Kosovo na ONU é a votação da Rússia: o país, que considera "ilegal" a independência do Kosovo, tem usado o seu direito ao veto para prevenir qualquer reconhecimento da ONU, tornando impossível qualquer possibilidade de reconhecimento da independência e da posterior adesão à EBU/UER.

Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: EBU / Imagem: GOOGLE

1 comentário:

  1. Anónimo18:51

    A não participação do Kosovo permite que não tenhamos mais uma novela geopolítica, AKA, mais uma lavagem de roupa suja pública num palco que deveria ser apenas musical e que raramente o é. Já chega o que temoa q aguentar com a Arménia, Azerbaijão, Ucrânia e claro o país que mais proveito tira de tudo isto, Rússia.

    ResponderEliminar