Gonçalo Madaíl: RTP não está "a equacionar qualquer outro cenário que não o estabelecido"


Contactado pelo PÚBLICO, Gonçalo Madaíl, da RTP, garante que o organismo não está "a equacionar qualquer outro cenário que não o estabelecido" sobre a participação de Conan Osíris em Telavive.



O pedido de Roger Water a Conan Osíris para boicotar o Festival Eurovisão esteve em destaque nos diversos órgãos de comunicação social portugueses, com algumas publicações a questionar-se sobre a participação de Portugal em Telavive caso o cantor português aderisse ao boicote. Contactado pelo PÚBLICO, Gonçalo Madaíl, da RTP, realçou que, segundo o regulamento do Festival da Canção 2019,"quaisquer dúvidas, divergências e/ou conflitos que decorram de situações previstas ou omissas neste regulamento serão rigorosamente analisadas pela RTP, cabendo-lhe sempre, enquanto entidade promotora, a decisão final".

No entanto, apesar de ser a RTP a decidir a solução, caso algo aconteça, o diretor criativo do Festival Eurovisão 2018, sublinhou que o organismo público português não está "a equacionar qualquer outro cenário que não o estabelecido".


Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Publico / Imagem: Google / Vídeo: Eurovision.tv

8 comentários:

  1. Anónimo00:20

    «caso algo aconteça, o diretor criativo do Festival Eurovisão 2018, sublinhou que o organismo público português não está "a equacionar qualquer outro cenário que não o estabelecido".»
    Caso algo aconteça? Podem especificar?
    Outro cenário que não o estabelecido? Por outras palavras...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. oh filho é como as misses
      se nao for o 1ºclassificado vai o 2º...

      Eliminar
    2. Anónimo22:35

      Não é, não. Agora se o Conan nao for, a RTP está fora e paga multa.

      Eliminar
  2. Anónimo09:35

    Move on.

    ResponderEliminar
  3. Apenas fumaça. Como a comunicação social é maioritariamente anti-Israel toca de fazer alarido e publicidade para ver se pega. Seria bonito se RW tivesse o poder de convencer um cantor que seja a boicotar a ida ao ESC
    Organizem um Festival como o ESC na Palestina, com bandeiras arco-iris e total liberdade criativa para verem o que acontece

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo12:13

      Não vai ser preciso imaginar, se a Rússia ganhar este ano vai ter a prova e o exemplo de como um país homofóbico organiza a eurovisão.
      (Só espero que o seu discurso não mude em 2020)

      Eliminar
    2. Não vai mudar certamente. Mesmo organizando o ESC, a Rússia continuará a ser um país pouco recomendável em termos de liberdades indivíduais e civicas, nada comparável a Israel. Nessa altura quero ver os mesmos activistas a apelarem ao boicote contra a Rússia. Mas isto é o que dá misturar música com política

      Eliminar
  4. Só espero que a Islândia boicote no evento e no local está palhacada hipócrita

    ResponderEliminar