ESC2018: EBU/UER e SBS reagem às acusações de fraude do júri no Festival Eurovisão 2018


Depois de alguns elementos da delegação da Sérvia garantirem ter assistido a "encontros para troca de votos nos rankings dos jurados" do Festival Eurovisão 2018, a emissora da Austrália e a União Europeia de Radiodifusão reagiram às declarações.




Alguns dos elementos do grupo Sanja Ilić & Balkanika, representante da Sérvia no Festival Eurovisão 2018, revelaram, numa entrevista na televisão estatal, terem assistido a encontros entre representantes das diversas emissoras estatais para partilha de votos, dando como exemplo a comitiva da Austrália, tal como pode recordar AQUI.

A União Europeia de Radiodifusão (EBU/UER), entidade máxima do certame, reagiu às declarações, explicando todo o processo de controlo das votações: "A EBU/UER, bem como um auditor externo, examina estritamente todas as votações dos membros dos comités em estreita consulta com as emissoras. Todos os membros assinam um acordo com a EBU/UER antes de se associarem, confirmando a sua imparcialidade e garantindo que apenas votarão consoante os programas que assistirem. Além disso, há também um procedimento de inspecções aleatórias em determinados locais de votação. Os nossos parceiros externos também nos ajudam a confirmar a segurança no televoto".

Por outro lado, a emissora australiana SBS também reagiu às declarações: "As alegações são totalmente infundadas e falsas. Reitero tudo o que a EBU/UER confirmou e esclareço que o júri australiano votou com a presença de um notário. (...) A sugestão de que a SBS está a esconder algo é imprecisa e falsa (...) Não iremos dar mais qualquer informação para essas alegações, porque toda essa história está cheia de lixo" afirmou Katie Morgan, chefe de relações públicas da SBS.

Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Oikotimes/Eurovoix / Imagem: Eurovision.tv

2 comentários:

  1. Anónimo15:14

    "O júri australiano votou com a presença de um notário". Foi pena o notário não ter perguntado a alguns dos jurados australianos que progressos se tinham verificado de quinta para sábado nas canções da Holanda e da Dinamarca e que falhas passou a ter a canção da Eslovénia entre esses dois dias (isto para apresentar só três exemplos…). O jornalista e radialista Richard Wilkins atribuiu o 13º e o 15º lugares da semifinal a essas duas canções; na final (e considerando só as que da segunda eliminatória transitaram para sábado) a da Holanda já passou a ser a sua segunda preferida e a da Dinamarca a quinta, à frente de várias daquelas a que tinha dado boas pontuações na quinta-feira. A da Eslovénia, que tinha considerado a 8º melhor da sua semifinal, passou a ser a pior de todo o espetáculo da final. O artista L-Fresh The LION tinha considerado a canção dinamarquesa a 16ª da sua semifinal (pior só a da Polónia); ora na final achou que era a 15ª entre todas as presentes; a Eslovénia, que tinha achado ser a 6ª melhor da sua eliminatória, era agora a pior. Haveria mais exemplos, entre as votações dos outros três jurados, mas estes já dariam para o notário se entreter...

    ResponderEliminar
  2. Anónimo23:09

    Mas alguém com um pouco de inteligência ainda acredita que ganha o ESC quem canta melhor? Esses "crentes" não entendem que falamos de investimentos de milhões? Acham que foi a linda voz do Salvador que trouxe o ESC para Portugal? Volto a lembrar: estamos a falar de um evento MUNDIAL!

    ResponderEliminar