Rita Redshoes, a menina dos 'sapatos vermelhos', lançou recentemente o seu quarto álbum, “Her”. Mas, como artista polivalente que é, compôs e escreveu uma canção para a voz de Deolinda Kinzimba, participante do Festival da Canção 2017. Falámos com Rita Redshoes sobre esta participação no festival, mas também sobre o seu novo disco e a digressão que está a correr sobre rodas…

Depois de três álbuns em inglês, Rita Redshoes lançou no final de 2016 o álbum “Her”, onde pela primeira vez grava em português. Foi seguindo essa linha de rumo que decidiu participar no Festival da Canção 2017. “Senti que faria sentido escrever em português. Foi uma opção pensada”, afirmou em entrevista ao ESCPORTUGAL. Contudo, a autora também escreveu uma letra em inglês, que poderá vir a ser usada numa interpretação nessa língua. A canção chama-se “O que eu vi nos meus sonhos” e foi escrita em parceria com o seu irmão, o Senhor Vulcão, para a voz de Deolinda Kinzimba.

O convite para participar no mítico concurso da RTP partiu da equipa de consultores contratada pela televisão pública, apanhando Rita de surpresa. “Fiquei muito surpreendida”, recorda. “Foi para mim um programa imperdível e familiar na minha infância e adolescência, mas não contava que, um dia, eu iria escrever uma canção para o festival”. Por outro lado, “dado o leque de compositores convidados, senti-me também lisonjeada”.

Nos últimos anos, o nome de Rita Redshoes é frequentemente apontado como uma desejada representante de Portugal na Eurovisão. A nossa entrevistada tem consciência disso. “Há uns anos recebi até um mail de alguém dizendo isso (risos). Confesso que fiquei contente, da minha canção ser uma boa representante de Portugal na Eurovisão, mas nunca idealizei isso para mim. Nem sabia como chegar até lá!”. Ser a intérprete da sua música neste festival também não foi hipótese considerada. “Acho que não tenho perfil para um espectáculo desta natureza… secalhar estou enganada (risos). Tenho dificuldade em lidar com concursos. Está certo que o Festival da Canção é um concurso, mas para mim é muito mais do que isso. É um programa que marcou muito a minha infância, como disse atrás, tem toda uma história e emoções a ele associadas”

A parceria com Deolinda Kinzimba surgiu na festa de Natal da Universal Music, que representa ambas as artistas. “Quando tive este convite para compor uma canção para o Festival, lembrei-me dessa noite e decidi desafiá-la”, recorda. “Eu queria uma voz poderosa… uma voz e presença de diva!” Esmiuça: "A Deolinda tem uma voz de diva soul, o que, em contraste com o tipo de melodia e arranjo que criei, ganha uma força extra e abre um espaço inesperado”.

Rita descreve “O que eu vi nos meus sonhos”. “É uma canção clássica… está no meio-termo entre balada e pop. Tem uma melodia clássica mas depois alguns elementos mais modernos na sonoridade… não soa a coisa datada”, assegura. “As pessoas vão notar que tem o meu estilo de compor, onde há cordas... é um pouco orquestrada, onde a melodia tem um forte papel, respeitei a minha forma de escrever música. Os refrões são dois momentos muito fortes, em contraste com o resto da canção, sendo que o final se destaca”.

Não podendo ainda revelar mais detalhes, quisemos que nos destacasse uma das suas canções que melhor pudesse inspirar os leitores para a sua canção do festival. Rita Redshoes nomeou o seu último single “Life is huge”:


Expectativas para o festival? “Que o momento que a Deolinda vai proporcionar seja marcante e emocionante para ela e para as pessoas. Confesso que sou avessa a qualquer coisa que seja simplesmente ganhar ou perder! Música é arte e não só um objeto de um concurso. Mesmo que não ganhe, que esse momento toque nas pessoas e perdure”. Contudo, “é óbvio que gostaria muito de ganhar, mas não é esse o objetivo principal”.

Convidámos Rita Redshoes a fazer uma breve viagem pelo Festival da Canção e Eurovisão de outros tempos. Conversámos sobre festivais dos anos 80 até à atualidade, sobre diversas canções, mas uma fez brilhar os olhos de Rita Redshoes: “Conquistador” dos Da Vinci.


Como dissemos no início, Rita Redshoes lançou no final de 2016 o álbum “Her”. Para além de ser a sua primeira incursão na língua portuguesa cantada, o disco foi gravado com um produtor australiano e contou com a colaboração de músicos estrangeiros. “Isto tudo traz novidade em relação aos processos dos discos anteriores mas, por outro lado, também acho que acaba por ser um álbum que faz uma ponte entre os discos todos. É provavelmente o meu disco mais maduro”, sintetiza, “até porque me sinto mais realizada”, confessa. Na estrada está já a sua digressão de apresentação de “Her”. No próximo fim-de-semana estará em Famalicão, seguindo-se Ponte de Lima (4 de fevereiro), Casa da Música no Porto (22 de fevereiro) e Tivoli em Lisboa (23 de fevereiro). Outras 11 datas estão já agendadas.

Esta e outras notícias também no nosso Facebook e Twitter. Visite já!
Fonte: ESCPORTUGAL, RITA REDSHOES /Imagem: RITA REDSHOES / Vídeo: YOUTUBE

11 comentário(s):

  1. Anónimo19:37

    Isto irrita-me profundamente! Os compositores dão entrevistas em todos os lados a falar sobre músicas que ninguém ouviu, nem que vão ouvir tão brevemente assim! Se a RTP quis dar uma de suspense, lamento mas não está está conseguir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rui Fernandes21:48

      Sim, está a conseguir. Lamento contrariá-lo mas nota-se que as pessoas estão muito mais curiosas, expectantes sobre o trabalho deste naipe de compositores/autores/intérprete... E ainda não o conhecemos por completo.

      Eliminar
  2. Anónimo19:54

    canta em ingles e para o FC opta em portugues.. viva os nacionalismos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo23:36

      sim viva por cantarmos na nossa língua! pior seria se ficássemos nos ultimos lugares com uma musica em ingles. Tive pena da espanha quando isso aconteceu.

      Eliminar
  3. Rui Ramos20:54

    Adoro a Rita Redshoes. Que a sua canção seja o espelho daquilo que tem feito.

    ResponderEliminar
  4. Séria candidata à vitória.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo22:05

    Calma! Os compositores ainda nem sequer entregaram as canções. O prazo termina dia 31 de Janeiro.

    Penso que a RTP irá disponibilizar na semana da semi-final um pequeno excerto (30 segundos) das canções. Pelo menos eu optaria por esta solução.

    Quanto à entrevista foi a que mais gostei da Rita. Aguardo uma grande balada, onde a Deolinda vai mostrar toda a sua voz. Por enquanto é dos títulos de canção que melhor me soam.

    ResponderEliminar
  6. Grandes expectativas depois de ler esta entrevista :)

    ResponderEliminar
  7. Anónimo23:32

    Juro que não percebo o porque de reclamarem que cantam em portugues. Ainda no outro dia vi uns quantos ingleses queixarem-se do facto de a maioria dos concorrentes estarem a cantar na SUA língua e que deviam pagar um dinheirinho extra ao UK por causa disso. Ouvem imensas bocas por não estarem a cantar na sua propria língua.

    Italia sempre ficou com um bom lugar e cantou em italiano. Boa sorte à Rita.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo01:38

    Sou super fã da Rita Redshoes. Já tenho bilhete para o concerto no Tivoli :)

    ResponderEliminar
  9. Anónimo15:40

    A Rita também canta em português! No seu mais recente trabalho tem 3(?) músicas. Uma delas é "Mulher": https://www.youtube.com/watch?v=KXmfjL0pxVA

    ResponderEliminar

Temas em Destaque

 
Top