Slider

Portugal: Fado Bicha explicam a letra de "Povo Pequenino", tema que defendem no Festival da Canção 2022

 

Os Fado Bicha revelaram, nas redes sociais, uma tradução de "Povo Pequenino" em inglês, explicando também a letra do tema que defendem no Festival da Canção 2022.


Concorrentes do Festival da Canção 2022 enquanto intérpretes e compositores de "Povo Pequenino", os Fado Bicha revelaram, nas redes sociais, a tradução oficial para inglês do tema com que procuram representar Portugal no Festival Eurovisão 2022. 

Além disso, o duo revelou alguns detalhes da letra de "Povo Pequenino", contextualizando algumas das expressões utilizadas no tema. Segundo a explicação, os primeiros versos referem-se "à pobreza geral, violência e trabalho árduo, mesmo para crianças" dos "agricultores analfabertos do centro de Portugal" durante a ditadura que vigorou em Portugal durante quase meio século. 

O duo explica também as referências aos cravos, "símbolo da revolução do 25 de abril de 1974, que pôs fim ao regime fascista e a guerra colonial", aos feitos escravos, "são as inúmeras vítimas africanas da escravatura e do tráfico pelo império português que, ao longo de mais de três séculos, se afogaram no Atlântico" e ao "quanto do teu sal?", "referência a um poema de Fernando Pessoa (...) que glorifica a grandeza colonial do país e ainda é estudado nas escolas".

Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: FadoBicha / Imagem e Vìdeo: RTP
10
( Hide )
  1. Anónimo15:10

    A pior canção a concurso. Uma VOZ PESSIMA e uma letra de fazer corar de raiva

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo00:11

      Anh???? Pior canção a concurso????? Claramente não ouve bem

      Eliminar
    2. Anónimo01:37

      lol, é só uma das melhores músicas sem dúvida nenhuma. É lidar

      Eliminar
    3. Anónimo19:51

      01:37 Ou então outros é que deviam lidar com o facto de haver gente que não gosta. Vivemos numa democracia, ou não? Deviam interiorizar melhor a mensagem da canção. ;)

      Eliminar
  2. Anónimo20:29

    Um claro exemplo de comportamento de extrema esquerda, que opina sem conhecimentos científicos e históricos e sem olhar a história no tempo em que aconteceu. Um exemplo claro da cancel culture, que está tão na berra. A seguir este caminho, teremos no futuro essas pessoas a deitar abaixo estátuas do Martin Luther King porque no seu tempo comia carne.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo22:11

      A canção ou o post no instagram está a "cancelar" o quê exatamente?
      Ou o anónimo veio para aqui arrotar meia dúzia de coisas sem nexo e decidiu meter o cancelar ali no meio para ver se a coisa faz sentido?

      Eliminar
  3. Anónimo01:22

    Uma das minhas favoritas! Uma mensagem necessária.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo03:55

    Nada do que escrevi é sem nexo. Claramente não leu o post na íntegra feito pelos Fado Bicha (FB) e/ou não conhece a história da colonização Portuguesa no Brasil (confundindo a, tal como os FB, com colonizações Espanholas ou Holandesas ou Inglesas). Para além das incorrecções históricas, com clara falta de honestidade intelectual na avaliação feita, os FB manifestam no seu post o cancelamento aos feitos da exploração portuguesa e de Fernando Pessoa. Sendo que no caso do poeta os FB afirmam "glorifica a colonização e que no entanto ainda é ensinado nas escolas". Uma vez mais uma clara interpretação desonesta que visa cancelar um dos poetas maiores de Portugal, que eles referem não devia ser ensinado nas escolas.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo17:46

    Não posso falar por todos os países, como é óbvio, mas nas escolas secundárias do centro da Europa a única referência que é feita a Portugal é nos livros de História e tem a ver com os feitos marítimos, apresentados numa perspetiva positiva pelo avanço científico que despoletaram. Nos EUA a figura de Fernão de Magalhães é igualmente enaltecida. Em muitos países Fernando Pessoa é o escritor português mais conhecido (e certamente que não por ter defendido o colonialismo). Valerá mesmo a pena levarmos uma canção com este tipo de temática a um festival internacional de música? Sendo tão escassas as oportunidades de a música portuguesa ser escutada por um público tão vasto, fará sentido usarem-se três minutos para divulgar o que o país supostamente fez de errado há vários séculos ou, pelo menos, há algumas décadas?

    ResponderEliminar
  6. Anónimo19:48

    Horrível a canção. E se acham que lá fora sao mais open minded em questões sociais, preparem o alçapão da desilusão. De qualquer forma, não apreciam fado, ja levámos algumas vezes e nunca tivemos grande resultado. Vlta Valéria!

    ResponderEliminar

Ideas

both, mystorymag

A NÃO PERDER...

TOP
© Todos os direitos reservados
Criado por templatezoo Personalizado por ESC Portugal - PG, 2022.