[Rumo a Roterdão] Kadri Voorand: "Sinto que estou, ainda, muito no início da minha carreira"


Kadri Voorand é outra das artistas que faz a sua estreia no Eesti Laul em 2021. ESCPORTUGAL esteve à conversa com a cantora na rubrica Rumo a Roterdão.

A Estónia é um dos países que optou pela realização da sua final nacional para o Festival Eurovisão de 2021, com 24 artistas a concurso no Eesti Laul 2021. Depois de REDEL, Rahel e Uku Haasma, o ESCPORTUGAL esteve também à conversa com Kadri Voorand, participante na segunda semifinal do concurso, na rubrica Rumo a Roterdão. 

"Cresci a fazer parte de um grande conjunto do género folk que a minha mãe liderava. Cantar antigas canções tradicionais de runo e dançar antigas danças eram coisas naturais e faziam parte da minha infância. Narrar histórias através destas canções improvisadas, aprender a tocar piano clássico e cantar em diferentes grupos foram coisas que, sem dúvida, tiveram influência na minha vida ao longo deste período de tempo." contou-nos, referindo que a carreira musical profissional começou aos 18 anos, "Entrei na Academia de Música da Estónia e foi aí que comecei a minha carreira profissional, com principal destaque para os géneros jazz e música moderna. Desde bem cedo, comecei a atuar em festivais do género jazz e comecei a produzir os meus próprios álbuns.".

Com quatro álbuns premiados como "Melhor Álbum de Jazz" do país, Kadri Voorand sente que os prémios não são o mais importante: "De facto, recebi, na Estónia, uma quantidade razoável de diferentes prémios. No entanto, nenhum deles vale, realmente, assim tanto. Sinto que estou, ainda, no princípio da minha carreira. Preciso de me desenvolver e de me tornar melhor. Penso que seja um processo sem um fim. O meu objetivo é alcançar mais e mais pessoas. É convencer o maior número de pessoas possível para, simplesmente, ouvirem música ou utilizarem qualquer forma de arte para ativarem a imaginação no cérebro. É influenciar as pessoas a gastarem mais tempo valioso das suas vidas com as suas mentes, em vez de tentarem ganhar mais e mais dinheiro para comprarem mais e mais coisas, como carros ou casas maiores." destacou, frisando que "Se pudesse, de alguma forma, fazer a minha parte nessa área e influenciar uma pessoa que fosse, então, esse seria o prémio ou a recompensa com que, neste momento, estou a sonhar. Sei que pode parecer um pouco ingénuo. Mas, se realmente se atreverem a mergulhar nesse tipo de pensamento, verão um mundo de oportunidades.".

Questionada sobre o Festival Eurovisão, Kadri Voorand contou-nos que a vitória do país em 2001 foi muito especial, tendo em conta que Tanel, um dos intérpretes, era seu amigo de infância e vizinho em Haljala: "Recordo-me, na infância, da noite do Festival Eurovisão da Canção como algo celebrado por todos. Uma noite divertida, em que todos assistiam ao espetáculo com a família ou com os amigos e em que se discutia qual a melhor canção possível. Contudo, as memórias mais especiais remontam ao ano em que a Estónia venceu. O Tanel, um dos dois solistas da canção, era um dos meus amigos de infância e era, também, meu vizinho, em Haljala. A família dele vivia no 1.º andar e nós vivíamos por cima deles. Por isso, podem imaginar o quão grande foi, para nós, a festa naquela noite.".

"Energy" é a canção com que fará a sua estreia no Eesti Laul, final nacional da Estónia para o Festival Eurovisão 2021: "Já tinha escrito as principais linhas da letra da canção no verão. Mas não tinha mais nada planeado. Na minha cabeça, parecia que iria gostar de partilhar a canção com um público mais amplo. Supostamente, deveria ter atuado e apresentado o meu álbum no Salão da Filarmónica de Berlim, na noite anterior ao prazo final de candidatura ao concurso. Devido à pandemia de COVID-19, o concerto foi cancelado no último minuto. Tal como a maioria dos concertos, no ano passado, pertencentes à digressão de promoção do meu álbum. Enquanto criativa, necessitava do entusiasmo positivo que os concertos e a preparação para os eventos me proporcionavam. É isso que me inspira. Como tal, em vez disso, na noite anterior ao prazo final de candidatura, fui para o meu estúdio, sentei-me e, de um momento para o outro, decidi terminar a canção. De manhã cedo, gravei a versão final e enviei-a. Essa versão é, também, a versão que podem ouvir, entre outras plataformas, no YouTube ou no Spotify." contou-nos, falando também sobre a canção que defenderá no concurso, "É uma balada poderosa, como costumam dizer. Acredito que seja uma canção baseada num sentimento verdadeiro e forte, com o qual a maioria das pessoas se pode identificar. Não me refiro, exatamente, à letra da canção. Refiro-me, sim, ao seu sentimento interior. A canção é intitulada “Energy”. A cada pessoa é dada uma quantidade de energia para, apenas, uma vida. Cabe a cada pessoa decidir o que fará com essa energia. Cada dia é um dia que ocorre apenas uma vez na vida e que faz parte de um processo de tomada de decisões. Por isso, questiono-me que talvez possa ter gasto demasiada energia nalgumas ações que são, na realidade, causadas por vários medos. Contudo, não poderei usar essa energia para criar o mundo ou os valores pelos quais me quero reger? O mesmo ocorre com o amor e com os relacionamentos. Há uma criança, no meu interior, que ainda está viva e que sabe a resposta. Se a ouvir, sei o que fazer.".

Sobre a atuação, Kadri Voorand garante que "podem esperar a Kadri Voorand, uma contadora de histórias emotiva, tal como os críticos me descreveram. Não sei como será a atuação. Vou, apenas, fazer aquilo que sei e ser sincera. É uma competição de música. Por isso, vou competir com a minha canção. É isso que irei fazer no palco." frisando que "acredito na beleza e na emoção da canção e se conseguir abrir o coração de uma pessoa, já ganhei".

Questionada sobre os resultados da Estónia no Festival Eurovisão nos últimos anos, a cantora referiu que "questiono-me, por vezes, se aquilo que apenas importa não será quem vence a competição. No final, talvez a ordem de atuação de todas as outras canções não seja, realmente, importante. Contudo, dar ao público europeu um concerto fantástico é o que, de facto, importa. Nós, músicos, temos a oportunidade de dar, através da música, esperança e energia às pessoas. Para mim, isso é o que, realmente, conta. De forma simplificada, o formato da competição é intrigante o suficiente para fazer com que as pessoas assistam. Contudo, não nos devemos esquecer da responsabilidade que é para nós, criadores, usar esta oportunidade de forma correta. A música tem o poder de mudar mentalidades. Seria um crime desperdiçar uma oportunidade destas." destacando a prestação de Salvador Sobral em 2017, "Salvador Sobral é, para mim, o melhor vencedor de todos os tempos! O Salvador cria valor com a música, coisa em que, também, acredito.".

 Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já
Fonte: ESCPORTUGAL /Imagem: Google / Vídeo: Youtube

Sem comentários