[Rumo a Roterdão] Blind Channel: "O UMK2021 pareceu-nos a ideia mais louca para sair da zona de conforto"



Favoritos ao triunfo no UMK2021, os Blind Channel estiveram à conversa com o ESCPORTUGAL no 'Rumo a Roterdão' antes de subirem ao palco do concurso onde disputarão o direito de representar a Finlândia no Festival Eurovisão 2021. 

A Finlândia escolhe, esta noite, os seus representantes para o Festival Eurovisão 2021 com a realização do UMK2021. Depois de Laura Põldvere, representante da Estónia em 2005 e 2017, o ESCPORTUGAL esteve à conversa com os Blind Channel, favoritos ao triunfo, no Rumo a Roterdão.

"Somos os Blind Channel, um grupo do género pop violento, proveniente do norte da Finlândia. Estamos juntos desde 2013 e, durante este tempo, lançámos três álbuns completos e fizemos digressões por toda a Europa, tanto enquanto artistas principais, como apoiando grandes bandas do género rock alternativo, como Hollywood Undead, Disturbed ou Simple Plan." começaram por revelar ao ESCPORTUGAL, falando também das suas primeiras memórias eurovisivas, "Quando éramos crianças, os nossos pais costumavam assistir ao Festival Eurovisão da Canção. Mas, é claro, a memória mais importante que temos está muito relacionada com os roqueiros vestidos de monstros. Estávamos todos a assistir ao Festival Eurovisão da Canção quando os Lordi venceram a competição. Foi a primeira vitória da Finlândia. E a única… Pelo menos, até agora…".

Num ano marcado pela pandemia, os Blind Channel falaram-nos da decisão em entrar na corrida para representar a Finlândia em Roterdão, "Lançámos o nosso terceiro álbum e, supostamente, 2020 seria o nosso grande ano. Uma semana antes do lançamento do álbum, tudo foi cancelado. Ficámos muito chateados e decidimos colocar toda a nossa raiva na canção que, eventualmente, se iria tornar em “Dark Side”. Um novo membro juntou-se a nós e celebrámos um novo contrato de agenciamento. Sabíamos que iríamos precisar de pensar fora da caixa e sair da nossa zona de conforto se quiséssemos superar esta pandemia e sair fortalecidos. O UMK pareceu-nos ser a ideia mais louca. Não importa quantos espetáculos possam ser cancelados. Sabemos, sim, que ninguém vai tirar as televisões às pessoas.".

No concurso, onde são apontados como favoritos ao triunfo, a formação defenderá "Dark Side": "“Dark Side” é um hino perfeito ao género pop violento. Capta tudo aquilo que temos feito, enquanto banda, ao longo dos últimos oito anos: apontar os nossos dedos do meio para o ar, bem para o alto, e caminhar pelos telhados. Ficámos muito chateados quando estávamos a compor a canção e percebemos que muitas pessoas, em todo o mundo, deveriam estar a sentir-se da mesma maneira. “Dark Side” é dedicada a todos os que, alguma vez, sentiram vontade de apontar o dedo ao mundo e gritar. É a nossa forma de dizer que não importa o quão escuro possa estar. Ainda pode estar a decorrer uma boa festa.".

Sobre a atuação ao vivo, a banda promete que será uma grande atuação: "Atuar ao vivo é, para nós, uma espécie de terapia. Para além disso, adoramos criar uma grande atuação, com muitos efeitos visuais chocantes. É exatamente isso que pretendemos fazer. A nossa atuação será intensa, maciça e explosivamente enérgica." admitindo que não pensaram no Festival Eurovisão, "Não temos nenhuma razão ou intenção de mudar algo em relação à canção. “Dark Side” não foi composta tendo em mente o Festival Eurovisão da Canção. Apenas queríamos compor uma excelente canção, que soasse, a 100%, como somos. Contudo, a atuação pode mudar, se nos surgirem ideias mais loucas.".

Questionados sobre a falta de grandes resultados da Finlândia, os elementos do grupo apontam que o país não tem tido a coragem necessária para marcar pela diferença: "Talvez a Finlândia não tenha sido corajosa o suficiente. Algumas das canções finlandesas dos últimos anos, concorrentes no Festival Eurovisão da Canção, para serem interessantes, jogaram demasiado pelo “seguro”. Para além disso, talvez os incríveis artistas alternativos tenham estado com algum receio em fazer parte da competição por estarem preocupados sobre como essa mesma participação iria afetar a sua carreira. Nós, por sua vez, não tivemos tempo para pensar dessa forma.". 

Por fim, desafiámos o grupo a falar sobre Portugal no concurso internacional, com um dos elementos a recordar a vitória de Salvador Sobral: "Temos de confessar que não temos assistido muito ao Festival Eurovisão da Canção. Claro que conhecemos algumas canções, aqui e ali, mas temos estado concentrados, fundamentalmente, no nosso próprio trabalho. No entanto, o nosso guitarrista, o Joonas, recordou-nos da vitória de Portugal no Festival Eurovisão da Canção, em 2017. ".

 Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: ESCPORTUGAL /Imagem: Google / Vídeo: Youtube

Sem comentários