[OPINIÃO] Nuno Carrilho comenta o Festival Eurovisão Júnior 2020

 Contra tudo e todos, o Festival Eurovisão Júnior 2020 teve lugar, no passado dia 29 de novembro, tornando-se o único evento eurovisivo do ano de 2020. Tal como habitual, Nuno Carrilho, administrador do ESCPORTUGAL, convida-o a recordar o evento infanto-juvenil.


Duas semanas, marca temporal que sinto necessário ultrapassar para escrever um artigo sem os efeitos dos resultados do concurso, eis chegado o momento de espelhar a minha opinião sobre o Festival Eurovisão Júnior 2020. Num ano diferente de todos os anteriores e em que o concurso infanto-juvenil foi a única Eurovisão a que tivemos direito, a emissora polaca TVP deu um brilharete tecnológico a todos... Mas vamos passo a passo.

Viki Gábor, vencedora do Festival Eurovisão Júnior 2019, já havia sido a responsável pelo anúncio da realização do concurso, aquando do Eurovision: Europe Shine a Light, e voltou a ter um grande destaque, desta vez na abertura do Festival Eurovisão Júnior. Certamente, Viki seguirá o passos da sua antecessora e usará o triunfo no concurso como rampa para uma grande carreira que tem tudo para ultrapassar as fronteiras polacas.

Devido às condicionantes da Covid-19, todas as atuações foram pré-gravadas nos países de origem (enquanto alguns países rumaram a Varsóvia para a gravação), estando os intérpretes nos respetivos países. Os apresentadores Ida Nowakowska, Małgorzata Tomaszewska e Rafał Brzozowski marcaram presença no palco sediado nos estúdios da TVP... mas vamos ao que realmente importa: as canções!

O anúncio da estreia da Alemanha no formato infanto-juvenil em plena pandemia de Covid-19 fez com que as minhas expectativas estivessem altas para a entrada do país... Mas foi depressa baixaram. "Stronger with you" era uma das canções que menos me cativava antes do concurso e não mudou depois da atuação. Além de ter sido o único país a apostar no formato low-cost do palco eurovisivo, a Alemanha não conseguiu aproveitar o potencial da cantora e a atuação acabou por ser uma das mais fracas do ano. Faltou movimento, faltou luz... faltou tudo. O último lugar não me surpreendeu.

Há quem aposte pouco e há quem aposte muito... talvez até demais. Depois do segundo lugar em 2019, era esperado que o Cazaquistão apostasse forte no Festival Eurovisão Júnior 2020 e as expectativas não foram defraudadas. Karakat Bashanova trouxe uma das canção mais fortes e mais desajustadas ao formato, com "Forever" a ser mais indicada para o Festival Eurovisão do que para o concurso infanto-juvenil... mas esta é só a minha opinião. A cantora apresentou uma das melhores interpretações do concurso e conseguiu passar toda a emoção que a canção pretendia passar, bem como aproveitar todas as funcionalidades técnicas e tecnológicas do palco. Brilhante atuação! 

Nos últimos anos, os Países Baixos têm apostado sempre na mesma receita para o Festival Eurovisão Júnior... Mas sabem aquele bolo que, por mais vezes que comam, sabe sempre bem? É o que acontece com os Países Baixos: a receita é sempre a mesma e os bons resultados também. Nunca fui grande fã de "Best Friends", mas a canção além de ser uma das mais ajustadas para o concurso, contou com uma atuação bastante colorida e cativante, factores determinantes para o resultado alcançado. Esperava um bom resultado, mas nunca pensei que subissem ao 4.º lugar. Surpreendido? Sim. Se foi merecido? Claro!


Seguiu-se a Sérvia no alinhamento do concurso, com outra das canções que menos me cativou antes das atuações. Outro país que não me conseguiu convencer... Apesar de ter gostado da prestação de Petar Anicic em palco, com uma boa interpretação apesar dos notórios nervos, sinto que a atuação foi pensada em cima do joelho. Nada ali resultou, começando nos planos e terminando na imagem projectada. Ao fim dos três minutos da atuação, apenas consigo destacar a reprodução dos batimentos cardíacos no piano. Foi um dos países mais fracos da edição e não me chocou o penúltimo lugar alcançado... Melhores tempos virão, espero.

Apontada como uma das grandes favoritas à vitória, a Bielorrússia resolveu exagerar no dramatismo... e resultou mal. Sinceramente, nem sei como descrever esta atuação... Arina Pehtereva teve uma interpretação impecável (acreditando que não existiu playback), mas a atuação pecou pelo exagero no drama, tornando-se desajustada para o Festival Eurovisão Júnior, além do facto de "Aliens" ser uma das canções que menos encaixava no formato de um concurso infanto-juvenil. No final, a Bielorrússia foi mesmo o país que mais me desiludiu em palco e não o colocaria em 5.º lugar no meu top pessoal.


Depois de duas vitórias consecutivas, a Polónia entrava na corrida com a pequena Ala Tracz na busca de um inédito triplete no concurso. Sempre achei que "I'll Be Standing" seria uma das fortes candidatas ao triunfo, quer pelo poder polaco na votação online, quer pela própria canção. O que não contava era uma atuação com tanta distração que, em vez de ajudar, apenas prejudicou a prestação da cantora, e onde o único destaque foi o facto que foi toda gravada com apenas uma câmara... Foi a canção que mais perdeu em palco, mas que merecia mais do que o 9.º lugar da classificação.

E da Geórgia veio a maior surpresa do Festival Eurovisão Júnior 2020. Sem estar nos meus favoritos na pré-temporada, "You Are Not Alone" mostrou que uma boa atuação pode mudar tudo. Sandra Gadelia foi a responsável por uma das melhores interpretações do certame, contando com uma atuação em que nada foi deixado de fora nem colocado ao acaso. No final das doze atuações, um dos meus votos foi para a Geórgia. Merecia muito melhor do que o lugar alcançado, especialmente na votação do público.

"Chasing Sunsets" nunca me disse rigorosamente nada... e nada mudou depois da atuação no palco do Festival Eurovisão Júnior 2020. Contudo, apesar de não ser grande apreciador da canção de Malta, tenho destacar a forte e segura atuação da jovem Chanel, bem como o trabalho nas projeções em palco. Mereceu escapar aos últimos lugares que antevia, mas o 8.º lugar talvez tenha sido exagerado. 

Longe dos tempos áureos no concurso, a Rússia apostou numa balada à la Disney, com Sofia Feskova a interpretar "My New Day". Sempre foi uma das minhas canções favoritas e a opinião não mudou com a atuação que apostou forte em elementos de realidade virtual... Bem interpretada e com uma atuação bastante cativante, foi uma das surpresas aquando da revelação dos resultados... mas pela negativa. Na minha opinião, a Rússia teria ficado na primeira metade da tabela e num lugar de destaque.

"Festiva, animada e ritmada, "Palante" vai ser uma das mais prejudicadas por atuar num estúdio vazio." escrevi antes da competição e não falhei. Mas não foi o único problema com que Espanha se deparou no palco do Festival Eurovisão Júnior 2020. Com uma canção "espanhola do início ao fim", a atuação de Soléa precisava de cor e ritmo... mas optaram por cenário bastante escuro e por elementos cuja ligação ao tema ainda estou para perceber. Pela canção merecia um lugar no pódio, mas não pela atuação... Uma das atuações que mais me desiludiu.

Com uma das canções mais estranhas da edição, a Ucrânia apostou na simplicidade para a atuação no Festival Eurovisão Júnior 2020, o que fez destacar o ponto forte de "Vidkryvai (Open Up)": a voz de Oleksandr Balabanov. Foi um dos momentos mais agradáveis da competição deste ano e tenho pena que a canção acabasse esquecida na votação, especialmente na votação dos jurados.

Apontada como a grande favorita, a França não desiludiu em palco e acredito mesmo que tenha surpreendido muito dos indecisos. Com uma interpretação impecável de Valentina (que é, por sua vez, a cantora mais fofa de toda a história do Festival Eurovisão Júnior), França colocou em palco aquilo que o concurso pede: uma canção animada, divertida, cativante e ritmada. Depois de todas as atuações, "J'Imagine" foi a única que me deixou a trautear e não me admira o resultado que teve... Uma grande (e justa) vitória!

Aberta a segunda fase de votação online, eis o regresso de um vencedor do Festival Eurovisão ao palco do Festival Eurovisão Júnior ainda que virtualmente. Bonito momento de Duncan Laurence e das últimas vencedoras do concurso infanto-juvenil, Roksana Wegier e Vikir Gabor, bem como uma mensagem de esperança e de agradecimento para toda a equipa de produção do Festival Eurovisão 2021. Mas aquele que, na minha opinião, foi o melhor momento da transmissão, esteve a cargo de Alicja Szemplińska com ajuda da apresentadora Ida Nowakowska. Arrepiante esta interpretação de "Empire"... Apenas faltou o anúncio da escolha de Alicja para o concurso do próximo ano.

Depois de uma common song muito aquém das anteriores (valeu pela tentativa de reunir todos os cantores no mesmo palco), eis a estreia de Martin Österdahl nas transmissões eurovisivas para anunciar uma das votações... mais estranhas da história. A mudança foi feita para aumentar o suspense nos resultados, mas a conclusão foi uma valente e grande... confusão. Por sua vez, a revelação dos resultados do público mediante a votação do júri até resultou este ano, mas continuo a achar que o modelo anterior era o melhor. Mas é a minha mera opinião...

Para a história ficará o ano em que o Festival Eurovisão Júnior 2020 levou a melhor sobre tudo e todos. O ano em que a música prevaleceu perante a doença, que colocou vários países fora do concurso e obrigou a mudanças a fundo no formato do concurso (e que brilhate fez a emissora polaca), mas que voltou a perder para guerra, que colocou a Arménia fora do lote de participantes. Ficará também como o ano em que França regressou às vitórias eurovisivas e que assumiu a organização do evento. Será também o ano de viragem? Teremos de esperar por 2021... e esperemos que seja com Portugal a concurso.

Finalizado o concurso, este foi o meu top do Festival Eurovisão Júnior 2020:

1.º França
2.º Geórgia
3.º Rússia
4.º Cazaquistão
5.º Países Baixos
6.º Polónia
7.º Espanha
8.º Ucrânia
9.º Bielorrússia
10.º Malta
11.º Sérvia
12.º Alemanha

 Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: ESCPORTUGAL /Imagem: Google / Vídeo: Youtube

2 comentários:

  1. Anónimo01:12

    2 semanas depois?!?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Duas semanas, marca temporal que sinto necessário ultrapassar para escrever um artigo sem os efeitos dos resultados do concurso" é a primeira frase do artigo. Se, duas semanas depois, se deu ao trabalho de descer o artigo para deixar o seu também habitual comentário, podia ter aproveitado e lido um pouco :) Boas Festas

      Eliminar