FC2020: 1.ª semifinal do Festival da Canção 2020 acompanhada por 531 mil espectadores


A primeira semifinal do Festival da Canção 2020 foi acompanhada por 531 mil espectadores, sendo o terceiro programa mais visto do horário.

Apresentada por Tânia Ribas de Oliveira e Jorge Gabriel, a primeira semifinal do Festival da Canção 2020 foi acompanhada, em média, por 531 000 espectadores, marca que rendeu 5,6 de quota de mercado e 13,1% de share. O programa, que ficou em terceiro lugar no horário de transmissão, teve o pico de audiências às 22h45, depois das oito atuações, com perto de 800 mil espectadores (8,2/18,0) a acompanharem a transmissão.

Comparativamente ao ano passado, a transmissão perdeu 101 mil espectadores, com a gala inaugural a ser acompanhada por 632 mil espectadores. Por sua vez, a primeira semifinal do Festival da Canção 2018, transmitida ao domingo, teve 770 mil espectadores, com um share de 17,7% e um rating de 7,7 enquanto, em 2017, a semifinal 1 do Festival da Canção não passou a marca dos 583 mil espectadores.

 Recorde, de seguida, as quatro canções apuradas para a Final:

 
 





Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte/Imagem/Vídeo: RTP

15 comentários:

  1. Anónimo14:58

    Um fail portanto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo16:55

      Barbara Tinoco e Tiago Nacarato são sem sombra de dúvida os melhores!

      Eliminar
    2. Anónimo17:41

      Só espero que não mudem nada, está perfeito!

      Eliminar
  2. Anónimo15:01

    Algo que não foi revelado (não por culpa do ESCPortugal) é quantos espetadores começaram a ver a emissão do FC e quantos a estavam a ver, por exemplo, com intervalos de 30 em 30 minutos.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo15:15

    A final de 2019 de Montenegro,um país pequeníssimo que teve de retirar-se este ano por razões orçamentais, foi muito melhor que esta semifinal, com um palco reciclado, péssima produção áudio e horríveis planos de câmara.
    Preparem-se para mais semifinal e uma final com a mesma falta de qualidade

    ResponderEliminar
  4. Anónimo15:32

    Se a RTP empregasse o mesmo dinheiro na produção, som e o staging para os professionais do FdC como faz com os amadores do The Voice Portugal Talvez as audiencias subissem. Penso se tivessem o mesmo realizador que do The Voice, o programa ficava a dar mais vista.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo15:40

    Se a RTP insiste em fazer o festival assim, mais vale não fazer. Toda a minha família detestou, a meio já ninguém estava a ver, a não ser eu. Confesso que foi tudo muito abaixo do esperado. Nuno Galopim, alguma coisa tem que ser feita depois deste ano, este modelo nao funciona de todo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo18:57

      Não digo que o problema esteja nas musicas, mas sim nas performances. Uma coisa que não percebo é o porquê de serem sempre os mesmos no coro. Porque não podem os compositores escolherem o coro?

      Eliminar
  6. Foi penoso assistir até ao fim. E eu sou fã da Eurovisão. Imagino para o espectador comum. Não dá continuarem a fazer as semifinais como se de um programa da manhã se tratasse. Se não há orçamento para 3 espectáculos em grande, façam apenas a final. São 16 músicas, não é o fim do mundo. É melhor que encher chouriços dois fins de semana enfiados num estúdio claustrofóbico.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo17:19

    Penso que tem que ver com a questão da habituação a determinados programas de outros canais que já estamos a acompanhar há vários fins de semana. Por exemplo, acho "A Máscara", da SIC, um programa mesmo giro e este fim de semana é o do fim do programa. Aqui em casa costumamos ver o Festival mas por pouco passava despercebido. Depois há muita gente que ainda não está habituada a esta modalidade das semi, também coincidiu com o fim de semana de Carnaval, e, também, cada vez mais gente, tem a modalidade de "puxar para trás" e vai ver depois, nós, por acaso, estávamos em casa se não seria um programa que iríamos ver depois, só seria chato para a votação. Portanto, a questão das audiências, hoje em dia, penso que é sempre muito relativa, a audiência que não é "imediata", digamos assim, também é audiência.

    Quero também dizer que achei muito boas as músicas, só não gostei da primeira e da sete (que me desculpem os compositores e os cantores destas músicas). Gostei muito da "Gerbera amarela" (original apresentação em palco, música com raízes e modernidade, muito boa a letra, o contrário de "coisa só para despachar", mesmo bom de ouvir); "Medo de sentir" (lindíssima balada, lindíssima, e muito bem interpretada, outra mesmo boa de ouvir) e de "Passe-Partout", foi nas que votámos aqui em casa, sendo que, neste momento, a preferida das preferidas é "Passe-Partout" (para nós, tem tudo). Queria também dizer que os Blasted não brincaram em serviço e apareceram com um grande som e só não votámos neles, também para passar, por causa do Inglês, acho que fazemos bem em levar músicas na nossa língua e não sermos "Maria vai com as outras", mas, Blasted, valeu, "Ganda" som! Respect :-). Já agora, "Movimento", também não deixa ninguém ficar mal.

    Quero também dizer, sei que é como se faz na Eurovision, mas acho uma seca os momentos "Sala verde", a sério, aquilo mata o ritmo do espectáculo, aquilo é tudo muito forçado, que os artistas já só querem é estar lá tranquilos uns com os outros e, tal como nós, saber os resultados, e têm de estar ali naquilo.
    Era muito mais giro quando a RTP fazia um espectáculo dentro do espectáculo. Aquilo da "Sala Verde", internacionalmente, é mais suportável porque estamos sempre a ver se vão "falar com o nosso país", tirando isso, também é uma seca, mas uma seca, é a altura para ir à casa de banho, tirando "o fenómeno Filomena Cautela numa sala verde" :-), aquele momento é seca aqui e na China e pode fazer qualquer um mudar de canal num instante, a sério, pensem nisso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo21:54

      Nuno Galopim is that you?? Não ha desculpa, as musicas nao tem qualidade e esse é o problema.

      Eliminar
  8. Não percebo porque dizem mal da semi. Eu gostei! Passe Partout surpreendeu-me! Para mim foram dos pouco que pensaram na performance além da música. Para aqueles que falam mal, lembrem-se de fenómenos como a Moldávia em 2017 que ficou em 3º e ningém dava nada por aquilo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo21:55

      lol nao pescas nada disto...essa musica da Moldávia é muito superior a qualquer uma do FdC deste ano.

      Eliminar
  9. Anónimo00:53

    Para o ano podiam convidar 8 compositores (que escolhessem quem quisessem para cantar, como agora) e 8 cantores que liderassem/assumissem obrigatoriamente a canção (escolhendo depois o compositor que quisessem). Era mais equilibrado. Fica a ideia. De nada.

    ResponderEliminar
  10. No meu caso acho que concordo contigo, branco.
    Embora não me fascine pela música da Bárbara acho que está bem feita. Com uma boa apresentação pode cativar no meio de músicas com pouca melodia.

    ResponderEliminar