Luciana Abreu envolta em polémica com Coliseu de Lisboa


Luciana Abreu foi a protagonista do musical "Aladino e a Gruta Mágica no gelo", no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, porém, três meses depois, a cantora e a produtora da peça acusam a administração daquela sala de espetáculos de falta de pagamento. 









Após meses de silêncio, porque não gostamos nem queremos escândalos e na esperança de que houvesse algum discernimento por parte dos responsáveis do Coliseu dos Recreios, é hora de dizer basta!”. Assim começa o comunicado da empresa Yellow Star Company, produtora do musical "Aladino e a Gruta Mágica no gelo", publicado na revista TV Mais e difundido pelas redes sociais. A peça teve como protagonista Luciana Abreu, representante de Portugal na Eurovisão 2005. Justifica: “Há mais de 3 meses que nos devem TODO o dinheiro da bilheteira. Foi-lhes dito que há pessoas do elenco a quem o dinheiro está a fazer muita falta (responderam-nos que iam ter de esperar!). Há fornecedores que não foram pagos, quando sempre pagamos a horas! Toda a equipa técnica espera impacientemente que lhe seja pago o trabalho”.

O produtor completa que irá fazer uma queixa-crime contra a administração do Coliseu de Lisboa. Não se conhece qualquer reação dos visados pelas acusações.


Esta e outras notícias também no nosso Facebook. Visite já!
Fonte: TVMAIS / Imagem: GOOGLE

7 comentários:

  1. Anónimo09:29

    Não há direito. A Lucy não merece isto

    ResponderEliminar
  2. Anónimo09:48

    Vamos ouvir o outro lado primeiro e depois julgar. Se for verdade, tenho pela da Floribela. Se houver especulação nesse comunicado...

    ResponderEliminar
  3. Anónimo20:21

    Já não é a 1ª vez que atores e produtores de viram contra as administrações de algumas casas de espetaculos. Infelizmente

    ResponderEliminar
  4. Anónimo12:34

    A Luciana Abreu é uma estrela, não devia ser tratada assim

    ResponderEliminar
  5. Anónimo00:12

    Penso que o Coliseu dos Recreios já tem mais de 100 anos, pelo que existir uma noticia destas só quer dizer que deve ter existido algum problema entre a produtora e o Coliseu.

    Uma dúvida com que fiquei.... se o espectáculo foi promovido por uma empresa produtora, logo responsável por tudo (pagamento aos artistas, impostos, etc..), não é responsabilidade da sala pagar os artistas, mas sim do produtor... Imaginemos que as receitas da venda dos bilhetes não cobriam o valor dos ordenados dos artistas, a produtora também ia pedir mais dinheiro à sala? O produtor não continuava a ser responsável pelo pagamento aos artistas?!

    Trabalhando no meio do espectáculo, só posso dizer que nunca tive conhecimento de nenhum caso de falta de pagamento por parte do Coliseu de Lisboa nem mesmo de outros teatros. São salas muito sérias!!

    Na minha opinião o produtor deste espectáculo é que não deve ter respeitado todas as normas necessárias, sendo que algo deve ter corrido mal. E pelo que li do comunicado do produtor, foi algo referente com a pista de gelo e o palco do Coliseu..deve ter existido estragos no palco do Coliseu..logo o produtor é responsável por pagar os estragos.

    Mesmo assim a noticia, na minha opinião, não está correcta pois quem deve aos artistas é o produtor e não a sala. A sala pode dever (lá terá as suas razões) ao produtor, mas não é responsável pelos restantes pagamentos

    Se eu fosse um dos artistas lesados, levantava um processo contra a empresa produtora do espectáculo pois eles é que são responsáveis pelo pagamento! Nem sequer ia em cantigas do género "ainda não recebi da sala por isso não posso pagar", e se o espectáculo tivesse vendido 100€ os artistas também tinham que esperar por algum santo que multiplique o dinheiro?!

    ResponderEliminar
  6. Anónimo08:40

    Quanto ao "Produtor"... nem vou comentar. É muito conhecido na praça

    ResponderEliminar
  7. Anónimo16:16

    Este "produtor" é um ditadorzinho e tenho plena certeza que a Luciana Abreu ficou sem agente por lhe ter feito frente. Ninguém lhe faz frente porque ele tem muita força nos media e toda a gente tem medo dele, e de ficar queimada na praça pública.

    ResponderEliminar