[ZONA DE DISCOS #71] Cliff Richard - 'Rise up'

Todas as semanas no ESCPORTUGAL, a crítica aos álbuns editados por artistas que participaram no concurso Eurovisão da Canção e/ou seleções nacionais ao longo dos anos. 
Esta semana, a análise recai no novo álbum de Cliff Richard.
O responsável da rubrica é Carlos Carvalho.




Lançamento: 23 de novembro de 2018
Nota: 6/10
Foi há precisamente 60 anos (1958) que fez mossa pela primeira vez na tabela de singles britânica ao chegar ao #2 com ‘Move it’. Desde então, nunca mais parou. 10 anos depois, há 50, portanto, estreia-se no palco eurovisivo terminando em 2º lugar com o intemporal ‘Congratulations, chegando de novo ao top 3, em 1973, com ‘Power to all our friends’. Dois marcos importantes mas que se perdem no imenso e bem-sucedido currículo discográfico que o coloca como a par de nomes como The Beatles ou Elvis Presley.
Aos 78 anos, 14 depois de ‘Something's Goin' On’ – várias compilações e galardoados álbuns temáticos foram, no entanto, regularmente lançados -  e após a resolução de alguns impasses editoriais, Cliff Richard surge revigorado com ‘Rise up’, contando com a ajuda de Rupert Christie na produção.
Será demasiado dizer que ‘Rise up’ é uma tentativa de reinvenção, mas é sem dúvida um passo consciente de actualização sonora, pois como o próprio expressou, espera que o novo disco possa atrair uma nova vaga de admiradores, um novo público. Não sabemos que faixa etária Cliff Richard tem em mente em manifestar tal intenção, mas para já coisas básicas parecem falhar, como um vídeo promocional que gere números chorudos no youtube e/ou a colaboração com um nome que seja do agrado da tal audiência mais jovem. No entanto, se ignorarmos esse intento e erro estratégico, ‘Rise up’ poderá ser uma boa surpresa. De facto, há temas que nos fazem lembrar nomes mais modernos da indústria musical britânica, como Will Young ou Sam Smith, principalmente nas primeiras faixas, mas isso, por si só, poderá não ser suficiente.
Sem sem marcante, ‘Rise up’ salienta a supremacia de um artista que ultrapassou há largas décadas o estatuto de fenómeno mas que demonstra que o trabalho tem de ser permanente e a principal tónica, caso se queira se manter relevante. Essa aspiração em comunhão com uma vasta e creditada equipa de compositores, letristas e produtores vai, pelo menos, num primeiro impacto, satisfazer os impulsos naturais da sua vasta legião de fãs.  A prova dessa fidelidade reside no facto do ‘Rise up’ ter entrado diretamente para o #4 da tabela de álbuns do Reino – na altura mais competitiva do ano – tendo, para já o seguinte percurso: #4; #15; #13; #15 e um disco de prata (60 000 cópias).
Outrora, disse em tom de brincadeira, que a Eurovisão foi a única coisa que não ganhou. Verdade ou não, é indiscutível uma das maiores estrelas a pisar o palco eurovisivo e que, para este novo disco, traz um nome brilhante do seu patamar artístico, a também eurovisiva Olivia Newton-John, na versão de "Everybody's Someone".
De um modo geral, e apesar de uma produção coesa, ‘Rise up’ parece desequilibrado entre as duas partes, sendo as primeiras 6 faixas claramente superiores às restantes. Talvez para compensar, e em modo de bónus, Cliff Richard oferece quatro dos seus maiores êxitos com a Orquestra Filarmónica Real Britânica.

Temas promocionais
"Rise up”

“Reborn”

Tema destacado por Carlos Carvalho: Everybody's Someone (with Olivia Newton-John)



Alinhamento
Rise up
Reborn
Everybody's Someone (duet with Olivia Newton-John)
Gonna be alright
Stardust
Dancing into the nightfall
River flow
Wide deep and wide
There’s one
That's What the Night Is For
Everything That I Am
The miracle of love
The Minute You're Gone (with The Royal Philharmonic Orchestra)
Miss You Nights (with The Royal Philharmonic Orchestra)
Devil Woman (with The Royal Philharmonic Orchestra)
Some People (with The Royal Philharmonic Orchestra)

A ver
Cliff Richard - Rise Up (Official Album Trailer)

Cliff Richard - Full-length interview at Metropolis Studios

Pode ouvir o disco AQUI.

Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: OPINIÃO CARLOS CARVALHO / Imagem: GOOGLE / Vídeo: YOUTUBE

Sem comentários