[ZONA DE DISCOS #67] Anouk - "Wen D'r Maar Aan"

Todas as semanas no ESCPORTUGAL, a crítica aos álbuns editados por artistas que participaram no concurso Eurovisão da Canção e/ou seleções nacionais ao longo dos anos. Hoje, o destaque vai para o novo álbum de Anouk, "Wen D'r Maar Aan".
O responsável da rubrica é Carlos Carvalho.

Lançamento: 12 de outubro de 2018
Nota: 9/10
Apareceu há mais de 20 anos, imersa naquela que seria a última vaga do post-grunge, numa época em que a pop plástica tomava de novo conta das preferências radiofónicas, televisivas e do imaginário das massas. "Nobody's Wife" transformou-a numa estrela europeia, arrastou “Together alone” (o primeiro álbum) para destino idêntico e tornou-se numa das preferências dos ouvidos mais roqueiros, mesmo em Portugal. O sucesso foi tanto que até hoje é referenciada como um nome rock, embora o último sopro verdadeiramente rock, mais agressivo, tenha sido dado em 2002, com “Graduated Fool”. Desde então, tem sido infinita, quer a discografia, quer as aventuras sónicas, destacando-se as inspirações soul, os atrevimentos dance e os estados depressivos contemplados em “Sad Singalong Songs”.
Paulatinamente o sucesso foi decaindo a nível europeu, mas em solo holandês o entusiasmo perante as suas novas ofertas artísticas não esmoreceu e como resultado o novíssimo “Wen D'r Maar Aan” entrou diretamente para o #1 do top holandês, o seu 14º álbum a conseguir tal proeza!
“Wen D'r Maar Aan” é o seu 12º álbum de estúdio mas a sua primeira incursão no holandês em registo longa-duração. Recorde-se que o primeiro passo na língua mãe havia timidamente sido dado  em 2015, através do bem-sucedido single “Dominique”, tema que surge neste álbum como faixa bónus.
“Wen D'r Maar Aan” é extremamente melódico e poderá situar-nos numa sensação de imediata intemporalidade ou até ainda captar o imaginário de franjas musicais mais alternativas e musicalmente ecléticas. Este novo álbum afirma-se como uma proposta desafiadora e vencedora por parte de Anouk. Uma proposta que ao longo de onze temas, quase todos de duração abaixo dos quatro minutos, cria um remoinho de sensações e introspecções, conduzidos pela voz inconfundível de Anouk e de arranjos pensados e trabalhados mas sem serem explosivos e nunca acelerando mais do que o mid-tempo presente em “Ik Mis Je” (#2) ou “Lawaai” (#9).  Aliás, o magnífico single “Het Is Klaar” (#7) ou até mesmo “Liefde Kent Geen Haat” (#4) parece-nos artisticamente familiar com a fase de “Sad Singalong Songs” (2013).  Nos restantes temas, Anouk converte-se ao poder da melodia – sem execesso de açúcar – e arranjos pop soul, sem exuberâncias de estúdios e que, por isso mesmo, nos dá uma ideia bastante aproximada daquilo que poderá ser o seu espectáculo na arena Ziggo Dome, em Amesterdão, no próximo dia 30 de abril de 2019.
“Wen D'r Maar Aan” é, assim, uma irresistível colecção de canções que representa um novo capítulo na verdadeiramente heterogénea carreira de Anouk. Haverá um segundo capítulo?
               
Temas promocionais
" Het is klaar”


“Dominique”

Temas destacados por Carlos Carvalho: “Het is Klaar”, “Jij” e “ Ik Mis Je”

Alinhamento
Wen D'r Maar Aan
Ik Mis Je
Jij
Liefde Kent Geen Haat
Kom Terug
Red Mij
Het Is Klaar
Zwart Is De Lucht
Lawaai
Lente
Ver Weg Van Jou
Bonus track
Dominique

A ver
Jij [LIVE bij DWDD]


ANOUK presenteert de LENTE in het RTL WEERBERICHT


Pode ouvir o disco AQUI.

Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: OPINIÃO CARLOS CARVALHO / Imagem: GOOGLE / Vídeo: YOUTUBE

Sem comentários