Portugal: Sara Tavares quer pedido de desculpa público após polémica de Margarida Rebelo Pinto


O último programa de "Cá Por Casa", apresentado por Herman José, está a causar polémica. Margarida Rebelo Pinto afirmou, perante Sara Tavares, que não é "dada a etnias" e a cantora quer um pedido de desculpa público.


O programa "Cá Por Casa", apresentado por Herman José na RTP1, está a causar polémica. Sara Tavares (ESC1994), Margarida Rebelo Pinto, João Didelet e António Machado foram os convidados da última transmissão, tendo o apresentador afirmado que "Portugal não é um país racista", em conversa com a cantora de ascendência cabo-verdiana, depois de destacar a união entre países lusófonos. Depois, numa rápida viragem do tema de conversa, Herman perguntou a Margarida Rebelo Pinto se alguma vez teve um "amor colorido", ao que a autora respondeu: "Não. Não sou dada às etnias.".

A cantora, que este ano subiu ao palco do Festival Eurovisão durante o interval-act da Grande Final, utilizou as redes sociais para reagir a "este momento que gostava muito de não ter vivido": "Falei com os sujeitos em questão, longe das câmaras, com o respeito que não me demonstraram, mas não ouvi nenhum pedido de desculpas. Fiquei com a consciência limpa, mas com uma grande dor de cabeça. Tamanho sapo que engoli" escreveu,"Estava a sentir-me um pouco sozinha ali. Quem teve vontade de rir aí? Quem quer um pedido de desculpas público põe a mão no ar! Tenho dito. Não desrespeitarás o teu próximo e ficarás a rir.". Até ao momento, Margarida Rebelo Pinto não reagiu à polémica.




Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: NTV / Imagem/Vídeo: RTP

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo11:32

      "não sou dada às etnias"... Não come ninguém, portanto! Não me admiro.

      Eliminar
  2. Anónimo20:28

    Não acredito que vou defender a Margarida, mas acho que ela o disse sem pensar e sem qualquer malícia, seguramente ela dará uma justificação e pedirá perdão a quem se sentiu ofendido, é a atitude mais diplomática a tomar.
    Mas achei estranha a perguna do Herman José e percebo a confusão dela em pensar que lhe perguntaram se teve alguma relação com alguém de "cor" ou "negro", tendo em conta que a pergunta seguiu-se após falarem de África.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo13:54

      Não concordo. A forma como o disse dá a entender que o "não sou muito de etnias" estende-se para além do campo amoroso. Ela é livre de ter os seus gostos pessoais mas dizê-lo dessa forma dá uma ideia de repudio. Está em televisão e não pode dizer o que lhe vem à cabeça. Uma falha grande para uma escritora tão conceituada.

      Eliminar
    2. Caro anónimo, a resposta não teve intenção de se estender para além do campo amoroso. Percebeu algo que ali não está, no contexto pergunta-resposta. Não simpatizo com a Margarida R Pinto, mas não exageremos. A Sara Tavares é que está a puxar muito a brasa à sua sardinha magoada e com complexos de racismo. A vitimização tb é uma forma de arrogância.

      Eliminar
  3. "Não concordo com o que você diz, mas defenderei até à morte o direito de você poder dizê-lo."
    Evelyn Beatrice Hall.

    Margarida Rebelo Pinto apenas expressou um gosto pessoal, o qual ela é livre de o ter e de expressar, pelo que não tem de pedir desculpa a ninguém pelo que gosta, sente ou pensa.

    ResponderEliminar