"Amar Pelos Dois" na corrida para integrar o Cancioneiro da UE


"Amar Pelos Dois", tema vencedor do Festival Eurovisão 2017, é uma das canções portuguesas na corrida para integrar o Cancioneiro da União Europeia. Também "E Depois do Adeus" e "Uma Flor de Verde Pinho" estão na corrida.

Desenvolvido pela European Union Songbook Association, com sede em Copenhaga, o Cancioneiro da União Europeia é uma iniciativa do dinamarquês Jeppe Marslingor, procurando reunir 168 canções, seis de cada um dos 28 países membros da União Europeia. Divididas por seis categorias (Amor, Fé/Espiritualidade, Natureza, Paz/Liberdade, Música Popular e Música Infantil), as canções de cada país estão a ser selecionadas através de votações públicas, depois de uma pré-seleção a cargo de membros da comunidade musical nacional.

"O Cancioneiro da União Europeia não tem quaisquer laços políticos ou financeiros com o sistema da União Europeia (...) Queríamos ter a certeza que as pessoas entendam que este não é um projeto para promover a imagem de Bruxelas mas feito de paixão pela ideia de uma União Europeia de povos" sublinhou Jeppe Marsling, destacando a existência de eventos europeus como a Liga dos Campeões e o Festival Eurovisão, "Há mais de 50 anos que nós, cidadãos europeus, trocamos coisas físicas: carvão, peixe e outros produtos. O intercâmbio cultural, por outro lado, até agora consitiu principalmente na área do desporto - Liga dos Campeões-, e por um concurso de música - a Eurovisão. Sentimos que é tempo para criar um símbolo comum mais duradouro, um cancioneiro".

No site oficial do projeto (AQUI) lê-se ainda: "Mesmo que a música seja verdadeiramente uma linguagem universal, apenas ler a partitura das 168 músicas a serem impressas no ‘Cancioneiro’, não é culturalmente satisfatório, portanto, as letras serão impressas com uma tradução em inglês, bem como nas 24 línguas da União Europeia, o que permitirá que todos cantem juntos. Embora o inglês seja falado por cerca de 40% da população europeia, todos os cidadãos devem ter a opção de cantar as 168 músicas nas suas línguas maternas".

Com mais de 41 mil votantes, a organização registou as mais participações na Áustria, Holanda, Letónia, Finlândia e Dinamarca, com o número de votantes entre 1000 e 4500. Atualmente a votação está aberta em Portugal e no Chipre, terminando no fim de mês, enquanto que Bélgica e Luxemburgo iniciam a votação nas próximas semanas.

A canção "Foi Deus", de Alberto Janes e interpretada por Amália Rodrigues em 1952, lidera a categoria Fé, sendo a canção portuguesa mais votada, com 45% dos votos, seguida de "Natal em Elvas", do cancioneiro popular alentejano, com 14%. Na categoria Amor, "Perdidamente", canção escrita por Florbela Espanca e musicada por João Gil, lidera com 26%, sendo seguida por "Amar Pelos Dois", canção vencedora do Festival Eurovisão 2017, com 20% dos votos.  Também "Uma flor de verde pinho", canção representante de Portugal em 1976, está nomeada nesta categoria.

Na categoria Natureza lidera "Canção do Mar", de Frederico de Brito e Ferrer Trindade, seguida de "Verdes são os Campos", escrita por Luís de Camões e celebrizada por José Afonso. "Malhão, Malhão" lidera a categoria Canções Populares, enquanto que "A Loja do Mestre André" lidera nas Canções Infantis. Na categoria Paz/Liberdade, cujo candidato mais votado até ao momento não foi revelado, está também nomeada "E Depois do Adeus", canção que representou Portugal em 1974.

A lista, com as dez canções por categoria, foi elaborada a partir de uma pré-seleção realizada “por membros da comunidade musical portuguesa”, “em particular a Associação Portuguesa de Educação Musical, a Associação Musical Lisboa Cantat, o Instituto de Etnomusicologia - Centro de Estudos em Música e Dança e a Academia de Música de Lagos”, segundo comunicado da organização.

Saiba AQUI como votar nos seus favoritos.

Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Lusa / Imagem: Google

1 comentário:

  1. A canção " pedra filosofal " o poema é de António Gedeão ( Rómulo de Carvalho ) Não é de Manuel Freire.

    ResponderEliminar