ESC2019: Artistas portugueses apelam a boicote ao Festival Eurovisão 2019


Os músicos José Mário Branco, Francisco Fanhais e Chullage, o cineasta António Pedro Vasconcelos e o escritor José Luis Peixoto são alguns dos artistas portugueses que apelam ao boicote do Festival Eurovisão 2019.


Cerca de 140 artistas europeus lançaram um apelo ao boicote da edição do Festival Eurovisão de 2019, protestando contra o apartheid israelita, avançou o jornal britânico The Guardian. Charlie McGettingan, vencedor da edição de 1994, e os finlandeses Kaija Kärkinen e Kyösti Laihi, representantes do país em 1991 e 1988, respetivamente, são alguns dos subscritores do apelo que conta com alguns artistas portugueses.

Tiago Rodrigues, diretor do Teatro Nacional D. Maria II, é um dos subscritores portugueses, ao qual se juntam os músicos José Mário Branco, Francisco Fanhais e Chullage, a dramaturga Patrícia Portela, o cineasta António Pedro Vasconcelos e o escritor José Luis Peixoto. Roger Waters, antigo membro dos Pink Floyd, também está entre os artistas que assinam a declaração que apela a que "ninguém contribua para o branqueamento das violações dos direitos humanos e da ocupação militar israelitas".

O apelo recorda também que, a 14 de maio, "escassos dias após a vitória de Israel no Festival Eurovisão, o Exército israelita matou 62 manifestantes palestinianos desarmados em Gaza, incluindo seis crianças, e feriu centenas, na sua maioria com armas de fogo", afirmando que "o Festival Eurovisão 2019 deve ser boicotado se for organizado por Israel enquanto este Estado continuar a violar os direitos humanos do povo palestiniano, situação que dura já há décadas", tecendo duras críticas à EBU/UER.



 Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: RTP / Imagem: Google

24 comentários:

  1. Anónimo23:53

    Wtf???

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo21:31

      Wtf? Tem toda a razao. Independentemente de gostar da Eurovisao ha outros assuntos mais importanres em jogo. Todos os paises deveriam boicotar e assim o festival mudava o sitio

      Eliminar
  2. Anónimo01:28

    Está tudo doido?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo21:30

      Tudo do doido? Pq? A participaçao na Eurovisao e mais importante do que os motivos pelos quais apoiam o boicote?

      Eliminar
    2. Anónimo02:19

      21:30. Sim, nao se esqueça de parar de consumir coisas americanas e sites americanos, franceses, porque eles andaram a bombar países no medio oriente tambem. Olhe q os maus da fita nao sao so de um país! Parem de participar em concursos desses mesmos países tambem.

      Eliminar
    3. Anónimo18:25

      Qie concursos desses paises participamos? E qie nao estou a ver nenhum

      Eliminar
  3. Anónimo09:50

    Interessante a preocupação destes artistas com o ESC. Em 1975 José Mário Branco participou no FC com uma canção que já tinha apresentado em público um ano antes, desrespeitando o regulamento - quanto a ética, estamos conversados... José Luís Peixoto deslocou-se à Coreia do Norte e escreveu um livro sobre o país - não deveria ter recusado deslocar-se a um lugar onde os direitos humanos não são respeitados? Dir-se-á que se deslocou-se por razões profissionais, ligadas à sua atividade como escritor. Ora quem for cantar em Israel no ESC também o fará por razões profissionais, na área da música. E já agora: onde estavam estes artistas quando o ESC se realizou na Rússia e no Azerbaijão? Quanto a Roger Waters, por que usou uma fotografia da modelo israelita Bar Rafaeli em concertos que deu em vários países, sem lhe pedir autorização, uma situação que a própria denunciou? Não haverá outras mulheres bonitas, sem o "estigma" de terem nascido em Israel?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo12:55

      Nota-se que o das 9h50 não percebe do que fala.
      Este grupo de artistas não é contra a nação Israelita, mas sim contra a forma que o seu governo tratado a nação Palestiniana e os muçulmanos que habitam em Israel, coisas totalmente diferentes.
      Culpar ou julgar um indivíduo pela atitude do seu governo é mesquinho e xenófobo

      Eliminar
    2. Anónimo14:08

      Curiosamente parece que já se esqueceram da música da Geórgia em 2009 (We don't wanna put in) e de como em 2012 a portavoz da Alemanha disse ao governo de Azerbaijão que a europa estava de olho.
      Na comunidade eurovisiva falta memória histórica, no ciclo de producao de 2009 e 2012 houve muitas vozes contra a sua organização nesses países e falou-se muito de boicotes.
      Aliás a questão de boicotar a eurovisão nasceu quase nos primeiros anos do concurso, quando Espanha ganhou o direito de ser a anfitriã em 1969 houve vozes contra porque Espanha era governada pelo ditador Franco

      Eliminar
    3. Anónimo21:30

      Nota-se que "o das 12:55" lê apressadamente. Alguém disse que "este grupo de artistas" é "contra a nação israelita"? Apenas se esqueceram, por exemplo, do modo como o governo da Rússia (país onde teve lugar o ESC de 2009) tem "tratado outras nações". Talvez fossem muito jovens nessa altura e não se apercebessem...

      Eliminar
    4. Anónimo21:36

      Enfim palavras tipicas de um de muitos chamados "eurofas" que poem a Eurovisao a frente de coisas muito mais importantes. E so para esclarecer em caso de boicotes muito provavelmente a Eurovisao seria noutro sitio.
      Acho ainda curioso falarem acima no Azerbaijao mas quando o Azerbaijão atua todos batem palmas e so apupam a Russia enquanto que ja vi um estudo que o Azerbaijao e o pais da Europa mais homofobico... Enfim comecem a pensar que o mundo nao gira em volta de um concurso de 3 horas por ano

      Eliminar
    5. Anónimo00:15

      Totalmente de acordo 21:36, mas tenho de fazer um reparo, todos apupam a Russia quando o representante não é o Sergei Lazarev, porque em 2016 parece que o público europeu esqueceu-se da anexação da Crimeia, das leis anti-lgbt e dos conflitos económicos e diplomaticos entre a união europeia e a federação russa

      Eliminar
  4. Anónimo10:19

    Congratulo-me por também haverem vozes portuguesas que se juntaram contra as atrocidades que acontecem em Israel! Apesar de muitos países terem já dito 'sim' ao ESC2019, quem vença os respectivos FCs podem recusar a participar por razões humanitárias, ou, se for o caso, as escolhas internas virem a ser difíceis pelos mesmos motivos. Nos dias que correm, um cão, um gato ou um rato de laboratório têm mais direitos que os humanos, "wtf" (Parafraseando o Anónimo 23h53)! Namasté.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo13:57

      Podem existir boicotes de outra forma.
      Lembram-se da Silvia Night? Lembram-se o ano em que Portugal mandou os homens da luta para a Alemanha como forma de protestar a austeridade da Merkel?
      Lembram-se quando Salvador usou uma tshirt a favor dos refugiados?
      Estou a imaginar que pode haver uma fusão entre esses conceitos.
      Uma Silvia Night anti-Netanyahu, que use a sua participação como forma de contestar a atitude do governo israelita.
      Há muito que não temos verdadeiros trolls na eurovisão e 2019 pode ser o ano em que regressam

      Eliminar
    2. Anónimo02:21

      13: 57 NOS deviamos aproveitar esta oportunidade como aconteceu com o salvador. Levamos uma menina muçulmana com boa voz e que canta sobre a opressão e as guerras do medio oriente. tiro e queda, top 5

      Eliminar
    3. Anónimo15:01

      02:21 Pq muçulmana? Os cristãos não podem sentir empatia pelo sofrimento das pessoas de outra religião?

      Eliminar
    4. Anónimo21:27

      15:01 porque sao a maioria nos países do medio oriente e sao um assunto picante na europa atualmente? nao foi na dinamarca que a burka foi banida?

      Eliminar
  5. Anónimo13:44

    Felizmente o JESC 2018 é realizado num país respeitador dos direitos humanos, o que decerto inspirará as crianças que lá forem cantar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo22:24

      ahahahahahah

      #bestjokeevaaar

      Eliminar
  6. Anónimo21:39

    13:57 isso e ridiculo isso. A Eurovisao tem de ser para mandar candidaturas em condicoes. E de que aerve protestar se la vamos na mesma contribuir para o sucesso de uma organizaçao que iria afirmar a qualidade de um pais?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo00:36

      Têm razão no que diz, neste caso não participar como forma de boicote afeta a EBU e a KAN de uma forma financeira, já que o valor de participação e os fireworks(entre outros efeitos no palco) são pagos (e bem!) pelas respectivas delegações.
      Mas considero que uma manifestação faz-se com pessoas na rua, não com pessoas em casa, ninguém ouviu as críticas da Arménia a Azerbaijão em 2012, porque Arménia não participou, mas ouviram as críticas da Rússia quando a Ucrânia proibiu a Yulia de participar em 2017

      Eliminar
  7. Anónimo22:59

    Só faz falta quem lá estará. O resto? Completamente irrelevante.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo02:17

    Porque este atraso todo na confirmação. Vamos participar ou nao??? nunca demorámos este tempo todo... quero que portugal vá...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo11:58

      Nunca demorou? Deves seguir a Eurovisao a muito pouco tempo xD Portugal é por norma um dos últimos a confirmar, a dizer como vai escolher, a lançar as regras e a realizar a final nacional xD (já sigo desde 2005)

      Eliminar