Israel: Ministro das Finanças rejeita pedido de ajuda para realização do Festival Eurovisão 2019


Moshe Kahlon, ministro das Finanças de Israel, atacou a emissora estatal do país e recusou o pedido de ajuda para a realização do Festival Eurovisão 2019: "A IPBC tem de administrar os seus negócios como qualquer outro órgão estatal".

A polémica em torno da realização do Festival Eurovisão 2019 em Israel está, novamente, em altas. Depois da emissora israelita IPBC ter ameaçado desistir da organização do certame, caso o Governo não auxiliasse monetariamente a estação, como pode recordar AQUI, o Ministério das Finanças descartou o pedido e acusou a emissora de má gestão de fundos.

"A IPBC cometeu um erro grave. Eles têm de administrar os seus negócios como qualquer outro órgão estatal. As suas tentativas de vincular a situação à política têm sido erradas... Todos sabemos que eles poderão transferir a quantia necessária em minutos: se não a transferirem, cometerão um grave erro" afirmou o Ministro das Finanças, Moshe Kahlon, à imprensa nacional, "Não há razão para que o concurso não aconteça em Israel. Esta situação é resultado de uma disputa entre a IPBC e o Tesouro... mas a IPBC é um órgão estatal, financiado pelo dinheiro dos contribuintes e tem de operar segundo regras e regulamentos. Se a IPBC não quiser organizar, a Eurovisão em Israel não acontecerá".

Através de um comunicado, alguns elementos da IPBC responderam às declarações do ministro das Finanças, acusando o governo de renunciar à organização do evento: "A IPBC insta, novamente, que todos se sentem à mesa e cheguem a acordo sobre a situação. A IPBC é incapaz de pagar a conta da produção do evento a partir do seu orçamento, que é totalmente transparente e cobre uma ampla gama de atividades em três canais de televisão, nove de rádio e atividade digital. Somos legalmente obrigados a investir em conteúdo e produções ao longo do ano. (...) Quase todos os países que receberam o concurso, tiveram os Governos a auxiliar nos custos e obtiveram grandes lucros (...) O resultado de tudo isto é o Governo a renunciar, inequivocamente, ao direito de sediar a competição".

Por sua vez, fonte próxima a Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, garante que "o chefe de governo e o ministro das finanças decidiram que a emissora poderá encontrar os seus fundos a quantia necessária para organizar o evento", afirmando que "a IPBC está a ser um desperdício de dinheiro e está a tentar sabotar o Festival Eurovisão".


Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Ynet/ Imagem: Google /Vídeo: Eurovision.tv

8 comentários:

  1. ENTÃO PROVAVELMENTE ELES VÃO DESISTIR. NÃO ENTENDO ESSE 1º MINISTRO, FICOU FALANDO DE QUE ERA UM ORGULHO RECEBER O ESC EM JERUSALÉM E AGORA NÃO QUER FINANCIAR. PARABÉNS ISRAEL!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo16:21

      Não quer financiar porque existe uma pressão para a Eurovisão não ser em Jerusalém, mas sim em Telavive

      Eliminar
    2. Pois é, isto mesmo. Para ele só importa que seja em Jerusalém.

      Eliminar
  2. Pronto este drama não tem fim! Ó Israel, qualquer coisa Portugal está aqui ahahah mandem a Eurovisão de volta pra nós

    ResponderEliminar
  3. Anónimo18:50

    Digam o que disserem a organização em Portugal foi um sucesso. Competente e sem dramas. (não me venham com a história do palco sff. já não há pachorra).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exatamente anónimo das 18:50...quem pode desdenhar da organização portuguesa apenas pode salientar a questão da invasão de palco durante a performance da Surie (que realmente foi uma falha).

      De resto?Palcos,apresentadoras,guião,interval acts etc não é uma questão de factos mas sim de gostos pessoais, que são sujeitos à subjectividade de cada um.Já Israel tem sido o caos desde o 1º dia.

      Eliminar
    2. Anónimo02:11

      Qual história do palco? Não ter LEDs?

      Eliminar
  4. Anónimo19:31

    Ha tempos o escportugal anunciou que eles tinham pago. Em que ficamos?

    ResponderEliminar