Diogo Piçarra: "Na minha perspectiva, somos todos culpados"


Em entrevista a Rui Unas, o cantor Diogo Piçarra voltou a falar da polémica em torno do suposto plágio de "Canção do Fim": "Isto começou a tomar umas proporções tão grandes e comecei a pensar no impacto que isto poderia ter na Europa e resolvi retirar-me".

Apesar de considerar toda a polémica em torno do suposto plágio de "Canção do Fim" e da sua retirada do Festival da Canção 2018 como "um não assunto", Diogo Piçarra voltou a falar sobre a temática no programa Maluco Beleza da responsabilidade de Rui Unas, comentador das transmissões eurovisivas em Portugal em 1998 e 1999. 

"Podem acreditar ou não, mas eu fiquei tão surpreso quanto toda a gente" começa por afirmar o cantor, defendendo que "estava a fazer uma música minha, uma música original", reiterando que "nunca ouvi a outra melodia". Admitindo as semelhanças entre os dois temas, "não posso mentir", Diogo Piçarra afirma "que era a última coisa que queria na minha vida", explicando a decisão tomada de contactar diversos orgãos de comunicação social.

Além disso, o cantor defende que "se havia algum culpado, eramos todos", explicando que "entreguei a minha maquete em novembro, gravei a versão final em dezembro e em janeiro/fevereiro começaram os ensaios" e que "centenas de pessoas ouviram e se alguém sabiam ninguém me foi capaz de dizer".



Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: MalucoBeleza/ Imagem: RTP/Vídeo: RTP/MalucoBeleza

14 comentários:

  1. Ricardo Alves18:38

    A credibilidade dos consultores da rtp é posta em causa. O que la estao a fazer para alem de ganharem dinheiro dos nossos impostos?

    ResponderEliminar
  2. Concordo com Unas, foi um azar.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo19:59

    Mas "todos" (as palavras são suas) têm de conhecer todas as canções feitas em todo o mundo?! Os dois temas eram parecidíssimos, e isso é inquestionável. As notas musicais são só sete e casos assim acontecem. Tal como Piçarra diz nunca ter ouvido a canção original (ou mais antiga, como se lhe queira chamar), pode acontecer que "todos" a desconhecessem também. O que é muito pouco correto é querer arranjar sempre um "bode expiatório": primeiro era a IURD (não são "santinhos" - de modo algum -, mas não se queixaram, nem a música original afinal era dos seus ofícios religiosos), depois eram "os portugueses", agora são "todos"... Se é um "não assunto", não arranje culpados. Houve azar, como bem diz o comentador das 19:17 - e, quando há sorte ou quando há azar, não há um "culpado" direto. Olhe: culpe o destino - tem as costas largas e não se sente injustiçado...

    ResponderEliminar
  4. Anónimo21:34

    Se há algum culpado foram os meninos dos comentários no facebook e youtube, porque os portugueses só sabe falar mal e criticar.
    Na história da eurovisão há imensas músicas "inspiradas" noutras, até a que ganhou este ano é "semelhante" a outra, e a EBU nestes anos todos nem aí nem ui, olham para o lado, mesmo quando a Dinamarca mandou uma "imitação" da música dos Police, a França "roubou" partes da música do Stromae ou a Itália "copiou" o refrão de uma outra música a regra de a música ter que ser totalmente original nunca foi aplicada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo23:00

      "Se há algum culpado foram os meninos dos comentários no facebook e youtube, porque os portugueses só sabe falar mal e criticar": também há portugueses que não "tem" Facebook nem "comenta" no Youtube. E quem concorreu ao FC com uma canção semelhante a outra não "foi" os portugueses. Muitos telespetadores portugueses até "votou" na canção dele na segunda eliminatória; os portugueses não "tirou" a canção do concurso; foi ele que o fez.

      Eliminar
    2. Anónimo00:05

      Precisamente! Temos por exemplo, partes da canção "Voltarei" da Dora parecidas com partes da canção "Save your kisses for me" dos Brotherhood of man.
      Acontece, são "ossos do ofício".

      Eliminar
  5. Anónimo05:20

    Chega disso, Piçarra! Quando você vai admitir que nunca quis participar do Festival da Canção (porque foi obligado pela Universal por causa do sucesso internacional de Salvador Sobral) e aproveitou o escandalo do plagio para safarse?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo09:46

      "Obligado" e "safarse" ... no futher comments.

      Eliminar
    2. Rita11:17

      Just one: further!!!

      Eliminar
    3. Anónimo17:14

      9.46: Antes escrever em português, mesmo com erros, do que pretensiosamente escrever noutra língua, igualmente de forma errada...

      Eliminar
  6. Rui Ramos10:49

    Qual o papel do diretor musical do Festival da Canção, Fernando Martins. Alguem sabe dizer?

    ResponderEliminar
  7. Anónimo16:15

    Ah, estava a ver que o "todos (somos culpados)" se referia aos milhões de portuguesas e portugueses, afinal é só a 3 ou 4 pessoas que tinham ouvido a tal música plagiada antes de ser apresentada ao mundo.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo21:08

    Podíamos ter ficado no TOP10...

    ResponderEliminar
  9. Anónimo20:58

    Este tem uma lata! O único culpado é ele, já que foi ele que "compôs" uma canção "inspirada" num hino religioso. A música é exatamente IGUAL e - coincidência das coincidências - até a letra é muito parecida.
    O Fernando Martins não tinha obrigação de conhecer todas as canções que existem no mundo. Quem concorre é que tem de ser honesto e não andar a roubar a propriedade intelectual alheia.

    ResponderEliminar