Isaura: "Acreditava na canção. Ouvi as outras e acreditava que a nossa merecia um lugar aceitável"

Foi em entrevista ao Observador que Isaura voltou a falar da sua participação no Eurovision Song Contest 2018 ao lado de Cláudia Pascoal. 


Isaura lançou, na passada sexta-feira, o seu primeiro álbum (como pode recordar AQUI). Numa entrevista ao jornal online Observador acerca desse facto, a compositora de O Jardim acabou por ser abordada sobre a participação no Festival da Eurovisão. Isaura reconheceu que o resultado na final foi “pesado”, mas que a experiência “foi bonita, foi muito positiva”. 

Pude mostrar uma canção em português, fazê-lo através da Cláudia [Pascoal] que a interpretou muito bem. Nem quando estava no sofá a ver as pontuações e me apercebi de que íamos ficar em último lugar, fiquei triste. Fiquei genuinamente contente com esta oportunidade e experiência, saí de lá muito mais rica”, admitiu, ainda que tenha tido esperanças de alcançar uma posição melhor na Eurovisão. “Tinha esperança porque acho genuinamente que [‘O Jardim’] é uma boa canção. Se não achasse, não a tinha colocado nunca a concurso. Acreditava na canção. Ouvi as outras todas e acreditava que a nossa merecia um lugar aceitável, mas isso é a minha opinião pessoal. Só conseguimos ver o mundo do lugar que ocupamos”, afirmou, acrescentando que sabia que “ia ser difícil”. “É fácil saber ganhar mas também é muito importante saber perder”, disse ainda, mostrando-se “orgulhosa da canção e da interpretação da Cláudia”.

Isaura revelou ainda que, quando o evento terminou, “tinha as redes sociais cheias de mensagens de pessoas a dizer que gostavam muito da canção”. “Pessoas fãs da Eurovisão mas também colegas de profissão, a convidarem-me para coisas, para termos projetos, para escrever para eles. Isso deu-me alguma validação do que tinha feito”, contou ao Observador.

Pode ler a entrevista na íntegra AQUI.

Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Observador /Imagem: Notícias Ao Minuto

33 comentários:

  1. Anónimo19:12

    resultado pesadissimo...País da casa em último é dose..
    Mas as críticas foram maioritariamente positivas, a prestação foi a que foi e não devemos ter vergonha.
    Para o ano há mais

    ResponderEliminar
  2. Ricardo Alves19:38

    Caso unico o pais anfitriao ficar isolado em ultimo lugar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo20:15

      Relembro que a Áustria em 2015 ficou no último lugar com 0 pontos

      Eliminar
    2. Anónimo20:15

      Não é verdade. A Áustria, anfitriã em 2015, ficou em 26 lugar... Com 0 pontos. ZERO

      Eliminar
    3. caso único? Que tiro no pé....na ansia de criticar Portugal nem se informou!!
      Por acaso caso unico, é um ultimo lugar ter 39pontos, muito acima do normal!

      Eliminar
    4. Anónimo00:38

      Israel no ano passado teve 39 pontos, mas eles este ano nem perto dos 758 pontos chegaram
      but who cares? não é uma tabela de gostos gerais que me vai dizer o que eu devo ouvir ou não, e o que é bom ou mau.
      mas este ano para mim foi tudo irrelevante.

      Eliminar
    5. Anónimo01:49

      Quem ficou em último lugar em 2015 foi a Alemanha e não a Áustria, devido aos critérios de desempate da UER

      Eliminar
    6. Anónimo07:36

      A Áustria ficou em último, não a Alemanha.

      Eliminar
    7. Ricardo Alves07:39

      Em 2015 a austria nao ficou isolada em ultimo lugar. Informem se.

      Eliminar
  3. Anónimo21:36

    Só mostra que afinal não entende assim tanto de música. Acabou o estado de graça.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo22:51

      As pessoas ainda gostam de O jardim e o álbum dela está a ter sucesso. Que comentário...

      Eliminar
    2. Anónimo19:17

      Sucesso? ...lol

      Eliminar
  4. Anónimo22:08

    Eu já esperava que a canção de Portugal poderia ficar no último lugar.
    A apresentação em palco foi muito fraquinha, parecia mais que estavam num velório com quase tudo escuro, e elas estavam muito mal vestidas principalmente a Isaura que mais parecia uma cigana. Eu sei que esta canção foi composta em memória da falecida avó da Isaura, mas o nome da canção era O Jardim não era O Funeral ou O Enterro. Elas deviam dar mais cor em palco à actuação delas, como por exemplo deviam ser mostrados em grande plano vídeos e fotos de flores e rosas porque tinha tudo a ver com o nome da canção, e elas próprias deviam ir vestidas de roupas com flores estampadas, assim tornavam a actuação delas cheia de cor e muito agradável, e eu tenho a certeza que se assim fosse conseguiam uma melhor classificação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a realização para Portugal foi das melhores da noite...Os planos, os efeitos, os ângulos.
      Mt elegante

      Eliminar
    2. Anónimo22:58

      Que raio de gosto e de interpretação...
      Não concordo nada que associe a Isaura parecer uma cigana com o estar mal vestida.
      E tal como já comentaram, os planos foram bons.
      Falhou que a canção não passou a mensagem que era bonita.
      Não é por falar em "flores" que deva haver flores por todo o lado.
      Faça-nos uma favor: leia poesia.

      Eliminar
    3. Anónimo23:51

      A mise en scene para mim foi muito bem conseguida e sim, no príncipio o objetivo era parecer que a Cláudia estava num velório, faz parte da narrativa da música, que falava de alguém que partiu e do sofrimento de quem fica.
      Quando a Isaura começava a cantar a luz mudou e a sensação do palco também, porque a Cláudia já não estava num velório, estava algures nas suas memórias de um passado que partilhou com essa pessoa que partilhou, a Isaura.
      Mas, após esse dueto, as memórias desse passado, dessa momentânia alegria passou e a Cláudia volta a estar no presente, no funeral e volta a cantar sozinha, terminando a canção sem a música e com a Cláudia a dizer a última palavra cheia de tristeza.
      Foi um interpretação muito teatral e pessoalmente adorei o trabalho realizado.
      Infelizmente essa narrativa parece não ter alcançado o público português e menos o público internacional, o que é o mais lamentável

      Eliminar
    4. Anónimo00:34

      não tem nada a ver com performance, é mais com a falta da exploração da música ter algo extra, que eu esperava no revamp, mas ficou só um demo bonito apresentado na eurovisão. Todos nós sabemos o quão é terrível as votações, recomendo a ouvirem esta canção que ficou em último da semifinal do FdC - www.youtube.com/watch?v=Ur-rY5kYbZI, a melhor daquela semifinal ficou em último! Já agora relembro a Finlândia 2017.
      E já agora para a pessoa que fez a comparação com o "parecer uma cigana", que ganhe juízo e já estamos em 2018, e ser cigano não deve ser considerado algo negativo e ainda mais usar isso como insulto.

      Eliminar
  5. Anónimo23:30

    Isaura, também conseguimos ver o mundo do lugar que os outros ocupam. Basta apenas escutar e prestar atenção, ser humilde ao ponto de reconhecer que nós não somos donos da verdade absoluta e que também podemos aprender e melhorar com as outras pessoas. A Isaura esqueceu que a Eurovisão é um concurso e não um concerto seu. A Isaura não teve a capacidade de adaptar a sua canção para um concurso onde a primeira impressão (visual e auditiva) é o que determina a classificação final. E a canção "O Jardim" não estava a competir consigo mesma, estava a competir com outras 25 canções que foram mais eficazes na captação do voto e atenção das pessoas. Será que isto é assim tão difícil de entender?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo00:10

      Porquê culpar a Isaura? É da responsabilidade do compositor o staging final?
      Se há culpados, para mim é a delegação portuguesa, cabia-lhes a eles encontrar alguém com experiência na matéria, portugal está cheio de cenógrafos com anos de experiência, um deles poderia ter sido o Pedro Penin, que é um dos fundadores do grupo de teatro português com mais sucesso no estrangeiro, o Teatro Praga. Não o poderiam ter contratado, também, para trabalhar com a Isaura e Cláudia numa cenografia?
      Acho injusto haver este discurso a culpabilizar a Isaura só porque a delegação portuguesa mantêm uma atitude de amadorismo no que toca à eurovisão, outros países contratam cenógrafos e coreógrafos famosos (para não falar de compositores também) e nós nada.
      Mais lamentável é haver tanta crítica ao videoclip oficial da música "O Jardim" quando, mais de um ano depois da vitória do Salvador, não existe nenhum videoclip oficial para a música "Amar pelos dois".
      A delegação portuguesa e a RTP têm de mudar a atitude que têm perante a Eurovisão, desde há alguns anos para cá que o festival tornou-se uma plataforma para lançar artistas nacionais num mercado internal e ganhar a Eurovisão significa também ganhar muito dinheiro graças ao turismo

      Eliminar
    2. Anónimo09:58

      a delegação portuguesa deste ano não é a mesma do ano passado, Carla Bugalho coitada estava a trabalhar para o evento com um papel muito importante.

      Eliminar
    3. Anónimo19:14

      23:30 anonimo, perfeito comentário, realidade absoluta. Sem tirar nem por.

      Eliminar
    4. Anónimo19:16

      Anonimo da 00:10 A canção do Sobral não precisava de videoclip. Era boa demais, assim como o staging foi optimo para o que era.

      Eliminar
    5. Anónimo23:38

      Concordo... A Isaura não ouviu os feedback que vinham da Europa... Tudo indicava um mau resultado. Se não fossem os pontos dos imigrantes na França e na Suiça. Portugal teria tido 0 pontos no televoto também.

      Eliminar
  6. Anónimo01:46

    A culpa foi do Sobral ter criticado a canção de Israel como criticou. A partir desse momento houve uma espécie de aliança europeia para aclamar a canção israelita e para penalizar Portugal. Se ele só tivesse falado após a final acredito que o resultado final fosse diferente... Mas como alguém já disse, para o ano há mais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo19:13

      Agora a culpa é do sobral...que falta de noçao.

      Eliminar
  7. Ricardo Alves07:42

    O Salvador Sobral ao criticar de forma destrutiva e arrogante a cancao de Israel nas vesperas do festival, isso jogou a favor de israel e contra Portugal.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo10:57

    FORÇA ISAURA!! "O Jardim" é obviamente uma boa canção que, tendo em conta o conjunto de canções na final do ESC, merecei muito à vontade ficar a meio da tabela, mas desde a meados da década de 90 que o País anfitrião não só não ganha como fica, muitas vezes, nos últimos lugares da tabela, por esse motivo, muitos bruxos e bruxas "adivinharam" que Portugal não ia fazer a dobradinha. Mas o mau resultado da canção deve-se à RTP que, com a sua falta de qualidade e profissionalismo, fez um vergonhoso trabalho de realização, em que a de Portugal foi claramente uma vergonha, a ver-se em grande plano o nariz da Cláudia durante quase toda a canção, quando era preciso mais planos abertos para ver os gestos da intérprete (poderiam fazer antes um copy-paste do FC). A TVE fez um muito melhor trabalho na pré-party espanhola do que o canal da Eurovisão. Estiveste bem em palco, Isaura, apesar de ter preferido ver-te na tua prestação "mágica" a rodar na cadeira, como no FC (e até do vosso vestuário!) . Boa Sorte para este teu novo álbum e para todo o teu trabalho presente e futuro!! Namasté.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo23:39

      Que gostos!!!

      Eliminar
    2. Anónimo14:48

      "Desde meados da década de 90 (…) o país anfitrião (…) muitas vezes nos últimos lugares da tabela"?! Muitas vezes?!
      1996 – Oslo: Noruega – 2º lugar;
      1997 – Dublin: Irlanda – 2º lugar;
      1998 – Birmingham: Reino Unido – 2º lugar;
      1999 – Jerusalém: Israel – 5º lugar;
      2000 – Estocolmo: Suécia – 7º lugar;
      2001 – Copenhaga: Dinamarca – 2º lugar;
      2002 – Talinn: Estónia – 3º lugar;
      2003 – Riga: Letónia – 24º lugar;
      2004 – Istambul: Turquia – 4º lugar;
      2005 – Kiev: Ucrânia – 19º lugar;
      2006 – Atenas: Grécia – 9º lugar;
      2007 – Helsínquia: Finlândia – 17º lugar;
      2008 – Belgrado: Sérvia – 6º lugar;
      2009 – Moscovo: Rússia – 11º Lugar;
      2010 – Oslo: Noruega – 20º lugar;
      2011 – Düsseldorf – Alemanha – 10º lugar;
      2012 – Baku – Azerbaijão – 4º lugar;
      2013 – Estocolmo – Suécia – 14º lugar;
      2014 – Copenhaga – Dinamarca – 9º lugar;
      2015 – Viena: Áustria – 25º lugar;
      2016 – Estocolmo: Suécia – 5º lugar;
      2017 – Kiev: Ucrânia – 24º lugar.
      O que dizer de 14 vezes no Top 10?

      Eliminar
    3. Isto mostra que o normal é o país anfitrião ficar no TOP 10. Mais uma demonstração do grande fracasso da Isaura.
      Porém, a culpa não é só dela, mas sim dos trabalhos fracos de todos os compositores que concorreram ao festival RTP 2018. Não seria diferente com nenhum dos outros.
      Portugal não ficou com 0 pontos, porque no televoto emigrantes em França e na Suiça votaram.
      Na realidade ninguém gostou da canção.

      Eliminar
  9. Anónimo19:13

    Ela deu atenção, mas acabou por nao usar nada do que todos os fas aconselharam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todas as bolsas de apostas davam a indicação que vinha aí um mau lugar. Deveriam ter feito mudanças.

      Eliminar
  10. O concurso da Eurovisão não põe em disputa boas canções contra más canções,isso não existe. É apenas um concurso de música com ou sem dança que serve apenas para entreter as pessoas, de tal modo que até admite que qualquer um se envolva na classificação geral através do seu voto. Há estilos que colhem mais pontos porque são mais do gosto de uma maioria, mas os gostos tendem a ser cada vez mais diversificados,mercê de uma maior divulgação dos diferentes géneros. Hoje por hoje já não dou tanta importância a quem fica em último ou em primeiro.Já anteriormente houve músicas que triunfaram mas das quais eu gostei menos do que a mais ignorada.

    ResponderEliminar