Luís Sousa: “Este súbito interesse da “elite” pelo Festival da Canção é algo estranho”

O cantor Luís Sousa, elemento do coro da canção “Senhora do Mar” no Festival da Canção e Eurovisão de 2008, aproveita o 10.º aniversário dessa participação da RTP para lançar várias farpas, algumas das quais à RTP.



Há precisamente 10 anos, a 24 de maio de 2008, Portugal atuava pela primeira vez na final do Festival Eurovisão da Canção, desde que o concurso instituiu as semifinais. “Senhora do Mar”, com música de Andrej Babic, letra de Carlos Coelho e interpretação de Vânia Fernandes, conseguiu a proeza de voltar a apaixonar os portugueses pelo festival, comprovando-se pelas audiências televisivas que não voltaram a ultrapassar as desse ano de 2008 – nem mesmo em 2017 ou 2018.

10 anos depois, Luís Sousa, um dos membros do coro e atual companheiro de Vânia Fernandes, aproveitou o facebook para escrever vários lamentos, e não só sobre essa edição. “Durante anos, ouvi tanta mas tanta gente a gozar descaradamente com o Festival. Aliás, posso-vos dizer que quando a Vânia ganhou a Operação Triunfo e o Festival da Canção, foi criticada, e bem gozada, por ter participado em ambos os concursos”, escreveu. “Acho uma piada e hipocrisia enorme ver agora no Festival da Canção tantos concorrentes, e não só, que sempre gozaram a torto e a direito o Festival, como, também, nunca quiseram saber do mesmo, deve estar novamente na moda. Este súbito interesse da “elite” é algo “estranho”. E sim, digo “elite” porque pelos vistos a RTP agora só convida pessoas “conceituadas”, quando supostamente é uma televisão pública (…) Artistas que nunca quiseram saber do Festival (alguns pelos vistos até se recusam a cantar a canção que os tornou conhecidos) agora querem todos saber do Festival. Alguns deles não têm qualquer ligação ao Festival, no entanto, só eles marcaram presença nas grandes noites da Eurovisão”. E pergunta “à RTP”: “Então e os outros que deram tudo e respeitaram o nosso país quando o foram representar? Esses já não interessam para nada? São descartados como se nada fossem? Só serviram para ir de borla fazer número nas festas que sucederam fora do grande evento? Parece que se passou um atestado de estupidez a todos os outros que vieram para trás e agora só os mais conhecidos e prestigiados podem lá por os pés”.


A respeito da canção “Senhora do Mar”, Luís Sousa interroga-se: “Não acham estranho que embora a ‘Senhora do Mar’ tenha sido um dos grandes temas que levámos à Eurovisão, a Vânia nunca foi convidada para cantar a música em qualquer gala do Festival (foi convidada para cantar outros temas que não o seu) ou mesmo na Eurovisão, visto ser um dos temas portugueses mais reconhecidos e acarinhados dos fãs?” O cantor recorda o prémio Marcel Bezençon de imprensa e o 2.º lugar na semifinal. Contudo, “quando regressámos ao nosso país quem nos recebeu no Aeroporto!? Os meus familiares, os familiares de alguns dos meus colegas e alguns fãs portugueses da Eurovisão, que têm mantido, desde sempre, o amor e têm lutado sempre pelo nosso Festival da Canção. Sim, aquele Festival que durante tantos anos foi chamado de “piroso”, “horrível” e gozado por tantas pessoas. A verdade é que fomos mais bem tratados com os aplausos que recebemos ao entrar no avião da Sérvia no regresso a Portugal, do que com as notícias de uma revista a dar conta da Vânia a comprar umas pulseiras “para afogar as mágoas do desaire.”

Recorde a qualificação de Vânia Fernandes à final do concurso em Belgrado:


 Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: FACEBOOK LUIS SOUSA /Imagem: GOOGLE /Vídeo: YOUTUBE e FACEBOOK

25 comentários:

  1. Anónimo23:20

    o luis parece não saber muito da eurovisão...
    so agora é que se apercebeu disso? E o que fizeram à Suzy???
    E em 2005 o escandalo que foi com os 2B e houve imprensa portuguesa que difamou a delegação portuguesa?
    Portugal só deu nas vistas em 2017, ganhou e ganhou de forma impressionante....e este ano voltou ao marasmo de sempre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpe mas o seu comentário "ele não percebe muito da eurovisão" não faz muito sentido...ele precisamente indicou a questão do desprezo com os artistas portugueses antes de 2017, naquilo que escreveu.Apenas referiu o caso pessoal dele e da Vânia como o exemplo LOL

      Eliminar
    2. Anónimo09:39

      LOL desculpe mas não assimilou aquilo que leu
      E realmente fazer um comentário apenas e somente antes de 2017 quando estamos em....2018 não faz mt sentido. Reitero. O Luis no comentário que fez denuncia não estar minimamente informado sobre a Eurovisão. Parece apenas uma opinião de quem quer defender a sua dama.
      Sugiro que pergunte à Claudia Pascoa sobre o estonteante apoio que recebeu dos portugueses!

      Eliminar
    3. Anónimo15:18

      Mas tb com a canção deste ano estavam a espera de que ??? , atenção que nos últimos anos , tirando a suécia , todos os que organizaram , ficaram em ultimo !!!!

      Eliminar
    4. Anónimo17:29

      09:39 Eu sugiro que voltes a ler o que ele escreveu. Porque o que ele diz é tudo verdade, acompanho o fdc ha anos.

      Eliminar
  2. Ricardo Alves23:31

    Infelizmente acredito que em 2019 muitos irão recusar. O ultimo lugar no ESC2018 e o facto das canções do FC nao passarem em lado nenhum ajudará a isso

    ResponderEliminar
  3. Anónimo23:36

    O Luís Sousa têm muita razão naquilo que diz

    ResponderEliminar
  4. Acho que não anda bem a par do que se passa... porque não reparou que a elite continua a não dizer bem do festival...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A elite (alguns aziados da vida diga-se) não...mas a imprensa esta a adorar e o "povinho" come!!Enquanto é fixe claro,depois vão voltar a dizer mal e a gozar ;)

      Eliminar
  5. Rui Ramos00:20

    A questão é que a RTP começou a investir, coisa que nao fazia até 2016

    ResponderEliminar
  6. Anónimo00:36

    Pela ordem de ideias deste senhor não se pode evoluir sob pena de sermos injustos com o passado. As coisas mudam, evoluem ou pioram, é assim a vida. E as elites tambem mudam, tudo normal. Até este senhor muda. E o Salvador venceu o caneco sem saber o que é a Eurovisao? Sim, e? Se gosto disso, não, e daí? É assim a vida. Senhora do Mar foi para mim a canção mais Eurovisiva e mais potente de sempre que enviámos, venceu? Não. Injusto? Para mim sim. A música é de um estrangeiro? Sim. Estou de acordo? Estava. É criticavel? Talvez. É assim a vida, tudo muda, Não Podemos Ficar Presos ao Passado, Sob Pena de Nao Conquistarmos um Futuro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma coisa é evoluir as mentalidades, outra é ser oportunista e falso e contradizer-se consoante "aonde a maré leva".

      Veremos daqui a um ano, se Portugal eventualmente tiver má classificação(espero que não)se o Festival vai continuar a ser tão falado e a ter tanto interesse como agora.

      Tenho a certeza absoluta que muita gente que pôs os pés em 2017 e em 2018 vai desprezar e criticar aquilo que na altura lhe deu visibilidade.
      Vai voltar a ficar na moda os jornalistas e o publico em geral gozar no facebook com as musicas e artistas desesperados que pra lá vão.

      E o próprio exemplo virá da RTP.Não estou a ver a RTP a investir num festival que não traga sucesso e audiências e por isso vai ser a primeira a abandonar o barco e a voltar a transformar o FC num espetaculo de 2º plano da cultura portuguesa.

      Portugal tem muitas virtudes mas um dos piores defeitos é que temos uma sociedade de "modismos" e isso é triste, parolo e mesquinho.

      Eliminar
    2. Parabéns Luis pelo texto.Acompanho o festival desde ha algum tempo e acredito que a maioria dos eurofãs portugueses se identificam com a opinião dele: está na "moda" a Eurovisão.Porque será não é?

      Portanto,só li verdades!!E é sempre bom que alguem as diga e coloque o dedo na ferida.

      Eliminar
    3. Anónimo09:41

      o facto de concordares não significa que a maioria concorde!
      Qualquer país que organize a eurovisão vive uma euromania....em Portugal que sempre foi o país com menos audiência e interesse pela eurovisão isso notou-se mais!
      É só analisar as coisas mais pela cabeça do que pela emoção.

      Eliminar
    4. "Pensar nas coisas mais com a cabeca do que com a emocao".Quando os seus gostos ou os gostos de uma sociedade tem que ser "analisados" diz muito sobre a sinceridade do mesmo.pergunte isso aos islandeses que nunca ganharam mas que tem sempre as maiores audiencias na Europa.

      Eliminar
    5. Anónimo18:10

      Concordo em absoluto Marcos ;)

      Eliminar
  7. Anónimo12:19

    Era chamado de "piroso" e "horrível", porque, de facto, era piroso e horrível, com algumas exceções. "Senhora do Mar" foi uma delas. Mas o Luis tem razão no que diz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. piroso e horrivel...dito por parte do país que tem a maior colecção de maus resultados na Historia da Eurovisão..fica um bocadinho mal
      Se aquilo é tºao mau e tºao fraco porque razão foram precisos 53 anos de espera para ganhar??

      Eliminar
    2. Anónimo14:15

      Estive a rever o final eurovisão 2008 e foi definitivamente um ano piroso (sendo as músicas de Portugual, Dinamarca e Serbia as excepções para mim).
      Esse foi o ano de artistas como Dustin the Turquey, Rodolfo Chikilicuatre e Sebastien Tellier e performances peculiares como foi a da Bosnia, Roménia ou a do Azerbaijão

      Eliminar
  8. Pera aí deixa-me perceber o pensamento desse senhor, O festival não deve ter nomes de elite porque pode esquecer os anteriores participantes que não tem grande nome da musica que fizeram festival da canção, manter tudo como estava e não evoluir para ser injusto do passado, A senhor do mar sempre vai ser lembrada como uma das melhores canções portuguesas da Eurovisão, isto não tenho dúvidas, mas esse discurso de um senhor que não é muito conhecido pela grande publico a dizer que diz, não concordo muito, até porque a RTP teve coragem chamar compositores de renome em 2017, cosia não tinha feito até 2017, e os resultados estão a vista de todos (tirando o ultimo lugar desse ano), se ele não concorda com atual conceito do FC, temos pena e há uma cosia que concordo com ele, que RTP devia convidar a Vania Fernandes para falar sua participação na ESC, o de resto me parece dor de cotovelo sinceramente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo19:08

      Subscrevo.

      Eliminar
    2. Lê outra vez o texto que ele escreveu,sff...em momento algum algum ele indica que não se deva chamar as elites(seja lá o que isso for).Apenas constatou tres factos:

      -Neste momento é extremamente complicado alguem fora do universo artistico e audiovisual RTP/Antena 1 e 3 participar.As poucas vagas que ha são selecionadas por um "juri" com critérios um pouco duvidosos.

      -A RTP e o público em geral insiste em ter vergonha dos ultimos 25 anos de Festival da Canção,desprezando quem esteve la nas alturas em que não era fixe gostar do festival.Agora que ganhamos já passou a ser a melhor coisa do mundo!!

      -A RTP convida pessoas que minimamente não têm interesse no festival e que são capazes de o desdenhar caso não tenham sucesso.A própria vitória do Salvador tornou-se um pouco polémica por esse motivo (ganhou algo que não gosta!! -.-)

      Obviamente que convidar artistas de renome para o festival melhora o cuidado e a apresentação das canções a concurso, mas estamos a tornar isto num concurso elitista e a desprezar outras pessoas que tiveram e continuam a ter um interesse verdadeiro.

      Já para não falar no completo marasmo de diversidade que houve este ano à custa de forçar a qualidade com musicas pseudo alternativas, em que na minha opinião 50% delas eram boas sim,mas extremamente iguais entre si.

      Eliminar
  9. Anónimo17:26

    PALMAS. BRAVO. NAO DIRIA MELHOR.

    ResponderEliminar
  10. Anónimo12:01

    O festival agora é um fenómeno de massas, está na moda novamente, mas não deve estar confinado apenas a intelectuais e a poesia. O pimba também pode ser arte e falta no festival...

    ResponderEliminar