[ESPECIAL] Curiosidades sobre a história do Festival da Canção... em 2018


Sabe quantas mulheres venceram o Festival da Canção? Será que todos os vencedores do concurso triunfaram nas semifinais? E quantos locais já albergaram o Festival?


Instaurado em 1964 como Grande Prémio TV da Canção Portuguesa, o Festival da Canção tem sido, ao longo dos anos, um dos palcos mais mediáticos e importantes da história da música em Portugal. O concurso conta com 52 edições, número que não é unânime, tendo em conta que as seleções internas de 1988 e de 2005 são contabilizadas pelo organismo responsável, a RTP, como edições do Festival da Canção. Divergências à parte, o Multiusos de Guimarães recebe, esta noite, a Grande Final do Festival da Canção 2018, inscrevendo o seu nome na lista de sedes da competição portuguesa. 

Será que a história do concurso poderá ser um indicador para os resultados da gala? Qual será o género dominador no Festival da Canção? E quantas vezes a gala foi apresentada por uma dupla? Saiba tudo isso no ESPECIAL do ESCPortugal exclusivamente preparado para si:

As mulheres lideram, destacadas, o número de vitórias no certame
Em 50 edições do Festival da Canção, as mulheres detêm um total de 25 vitórias no certame, cerca de 50% do total. Por sua vez, os homens venceram em 15 ocasiões, enquanto que houve 10 grupos/duos a representar Portugal no Festival Eurovisão após vencerem o certame nacional. Na Grande Final de hoje, as mulheres estão em maioria, com 8 candidaturas a solo e 1 duo feminino, enquanto que Rui David, Peter Serrado, David Pessoa, Janeiro e Peu Madureira são os únicos intérpretes masculinos na competição.


Anabela poderá tornar-se a 4.ª cantora a vencer duas edições do Festival da Canção
Simone de Oliveira, Carlos Mendes e Dora são os únicos cantores que venceram duas edições do Festival da Canção. Em caso de vitória, Anabela, vencedora da edição de 1993, será a quarta cantora a vencer duas edições distintas, sendo que conquistará também um novo recorde, com 25 anos a separar as duas participações. 


Armando Teixeira, Fernando Tordo e Jorge Palma são os únicos repetentes na Final
Com a eliminação de José Cid na semifinal 1, Armando Teixeira, Fernando Tordo e Jorge Palma são os únicos compositores com participações na Final do Festival da Canção no curriculum. Armando Teixeira conquistou o sétimo lugar em 2012 com "O Mundo Passa", Fernando Tordo venceu os concursos de 1973 e 1977 enquanto intérprete e compositor e Jorge Palma foi intérprete e cantor de "Pecado (do) capital", sétimo classificado em 1975.


Apenas Filipa Sousa venceu com o consenso das duas votações do modelo atual
Aplicado pela primeira vez em 2006, o sistema de votação 50/50 entre o televoto e um júri (seja de sala ou distrital) foi utilizado em seis ocasiões; contudo, apenas existiu consenso em 2012 quando Filipa Sousa venceu o televoto e a votação do júri distrital. Em 2006, 2009, 2010 e 2017, os favoritos da votação do júri (Nonstop, Flor de Lis, Filipa Azevedo e Salvador Sobral, respetivamente) venceram o Festival da Canção, em detrimento das candidaturas mais votadas pelo público, Vânia Oliveira, Luciana Abreu, Catarina Pereira e Viva La Diva, respetivamente. Por sua vez, em 2011, os Homens da Luta, vencedores da votação do público, venceram a competição, deixando para trás Nuno Norte, candidato mais pontuado pelo júri.


Multiusos de Guimarães torna-se a 21ª sala de espetáculos a receber o Festival
 Exceptuando os estúdios televisivos que receberam 14 edições do Festival da Canção (1964-1968, 1976-1977, 1986, 1988, 2003-2004, 2012 e 2015), o Multiusos de Guimarães tornar-se-à a 21.ª sala de espectáculos do país a receber o Festival da Canção. O Teatro São Luiz, com sete edições, continua a liderar, sendo seguido pelo Teatro Maria Matos (5) e pelo desaparecido Teatro Monumental, Coliseu dos Recreios e Sala Tejo (3).


Festival da Canção sai da zona metropolitana de Lisboa pela primeira vez desde 2001
Organizado no Porto (1983), Funchal (1987), Évora (1989) e Santa Maria da Feira (2001), o Festival da Canção sai da zona metropolitana de Lisboa pela quinta vez na sua história. Estoril (1990), Venda do Pinheiro (2003) e Mem Martins (2004), na zona metropolitana da capital portuguesa, também receberam o Festival da Canção.


Filomena Cautela e Pedro Fernandes estreiam-se na condução do certame
Depois de ter sido a responsável pelas transmissões do green room do ano passado e ter sido escolhida para conduzir o Festival Eurovisão, Filomena Cautela estreia-se na condução do Festival da Canção com o também estreante Pedro Fernandes. É a primeira edição do concurso desde 2001, ano que foi apresentado por Sónia Araújo e Cristina Möhler, que o Festival é conduzido por uma dupla de estreantes.

Uma canção em inglês e uma canção bilingue na corrida pela Eurovisão
"Sunset", de Peter Serrado, poderá tornar-se a primeira canção representante de Portugal interpretada totalmente em inglês, depois das canções de 2003, 2005 e 2006 terem sido interpretadas em português e inglês. Também "Patati Patata", interpretada em diversas línguas, está na corrida pelo concurso europeu.


Sara Tavares conquistou a pontuação máxima de todos os jurados 
Além de ser detentora de uma das melhores marcas de Portugal no Festival Eurovisão, Sara Tavares, jurada das semifinais de 2018, entrou anteriormente na história do Festival da Canção: a cantora arrebatou a pontuação máxima de todos (!) os 22 júris da edição, algo inédito na história do concurso, terminando com 220 pontos. Na segunda posição, com menos 84 pontos, ficou Pedro Miguéis com Todos Nós Alguma Vez. Salvador Sobral foi o favorito de 5 das 7 regiões votantes, ficando em segundo nas preferências do Algarve e Lisboa e Vale do Tejo.



Manuela Bravo, Filipa Azevedo e Salvador Sobral perderam nas semifinais
Diversas edições do Festival da Canção tiveram semifinais, sendo que, nem sempre, os vencedores da Grande Final triunfaram nas eliminatórias. Eduardo Nascimento, José Cid, Dina, Sara Tavares e MTM foram alguns dos candidatos que venceram o concurso, tendo vencido a semifinal. Contudo, Manuela Bravo ficou em 2.º lugar na semifinal de 1979, perdendo para Florência e "O comboio do Tua", que não foi além do 8.º lugar na Final. Também Filipa Azevedo ficou em 4.º na semifinal que foi ganha por Nuno Pinto, 6.º classificado na Final, enquanto que Salvador Sobral ficou em 2.º na semifinal 1 que foi ganha pelos Viva la Diva, segundos classificados da Final.




Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte/Imagem: ESCPortugal / Vídeo: RTP

5 comentários:

  1. Anónimo16:53

    A canção "Patati Patatá" é multilingue.

    VozLivre

    ResponderEliminar
  2. Anónimo17:24

    Entretanto, no inquérito do site Eurovisionworld: qual o melhor vencedor dos últimos dez anos? "Euphoria" ultrapassou "Amar Pelos Dois". "Amar Pelos Dois" conseguiu estar quase um ano em primeiro lugar.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo18:21

    Dora não venceu duas vezes o FC. Em 1988 venceu o Prémio Nacional de Música, que não tinha, originalmente, a função de escolher o tema para o ESC. Aliás, a canção com que ganhou ("Déjà Vu") não participou no ESC desse ano.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo19:04

    Ainda que atuando em grupo na segunda vez ("Os Amigos"), Paulo de Carvalho e Fernando Tordo também venceram duas edições do FC.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo19:12

    Se não peco por defeito, em 1984 a canção vencedora foi pela primeira vez da autoria de uma compositora, Maria Guinot, facto que se repetiu em 1992 com Dina e,por fim, em 2017 com Luísa Sobral, depois de um longo jejum em que as mulheres compositoras foram impedidas pela RTP em participar no FC, em que a RTP só convidava unicamente homens. Só a Maria Guinot e a Dina foram também as intérpretes da sua canção. Em 2018, a composição da vitória terá novamente perfume de mulher?

    ResponderEliminar