Suécia: SVT culpa revelação antecipada das canções por mais uma crise no Melodifestivalen

O Melodifestivalen 2018 está a ser uma dor de cabeça para a SVT. Ontem três músicas foram disponibilizadas na internet antes das semifinais e o número de votos recebidos caiu 1,8 milhões da 1.ª para a 3.ª semifinal.


A Suécia escolhe tradicionalmente o seu representante no Festival da Eurovisão através do Melodifestivalen. É uma das finais nacionais mais aguardadas por todos os fãs da Eurovisão e considerada por muitos como uma versão mais reduzida do evento europeu. O programa é também um grande sucesso na Suécia, desde audiências à atenção dada pelos meios de comunicação social.

No entanto, em 2018, o formato tem vivido crise após crise. Depois da polémica em torno da possível desqualificação de Kamferdrops (AQUI) e da queda de 400 mil espetadores e de um milhão de votos da 1.ª para a 2.ª semifinal (AQUI),  a 3.ª semifinal trouxe uma revelação atempada das músicas na internet, o que não deveria ter acontecido. Da 2.ª para a 3.ª semifinal, que teve lugar ontem, a queda foi de 800 mil votos.

Christer Björkman, produtor executivo do Melodifestivalen, afirmou que estas revelações foram "um ato de sabotagem de alguém fora do país. Consciente ou inconscientemente é uma violação das regras. A SVT e as editoras concordaram em procurar a fonte e explicar-lhes que isto não é o que se deve fazer".

A Warner Music Sweden, editora dos três artistas que viram as suas músicas serem reveladas na totalidade na internet, emitiu um comunicado onde se lê que "isto é uma violação dos direitos autoriais e das regras da competição. Contactámos a sede das organizações que têm o poder de bloquear as músicas nas diversas plataformas, como o YouTube".

Anette Helenius, diretora de projetos da SVT, afirmou que "agora todas as semanas temos uma reunião sobre a revelação das músicas, temos de rever as nossas diretrizes, porque isto não pode acontecer. Queremos manter a surpresa para os espetadores por isso temos de encontrar uma solução".


Estreante em 1958, a Suécia participou em 57 edições do Festival Eurovisão, tendo falhado apenas um apuramento para a grande final (em 2010), sendo um dos países mais bem sucedidos no evento com seis vitórias no curriculum (1974, 1984, 1991, 1999, 2012 e 2015). Em Kiev, Robin Bengtsson e I Can't Go On foram os representantes do país, tendo conquistado o 5.º lugar com 344 pontos: esta foi a primeira vez que o país conquistou um lugar entre os cinco primeiros pela quarta vez consecutiva.

Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Wiwibloggs / Imagem: SVT / Vídeo: Eurovision.tv

9 comentários:

  1. Será que já passou pela mente brilhante do senhor Bjorkman que as baixas audiências podem pura e simplesmente querer dizer que as pessoas estão cansadas da maneira como festival está?Principalmente do tipo de canções com demasiada produção e cópias "rascas" de 1001 outras que passam na rádio?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo17:46

      Além disso, estar a decorrer os Jogos Olímpicos de Inverno, o que a cada 4 anos tira sempre muita audiência...

      Eliminar
  2. Anónimo17:42

    So desculpas. Porque raio develar uma cançao diminui os votos? Por ouvirem e nao gostarem? Ja iam ouvir e iam no MF e se nao gostram tambem nao iam gostar mesmo com uns foguetezinhos a melodifestivalen.
    O grande culpado das fracas audiencias e falta de votos e a fraca qualidade de cançoes. Em 2016 quando comecei a ver o MF haviam imensas cançoes de qualidade e com inovaçoes ate ao nivel de apresentaçao. Ate a cançao que ficava em ultimo na final era uma boa representante da Suecia. Agora? Nem uma. As apresentaçoes sao quase todas iguais ou sao uma patetisse. Este ano ou a grande cançao vem na semi 4 ou adeus Suecia. Chamem hora a Loreen de novo.
    As voltas que isto da. Ha uns anos a Suecia e que era boa. Enfim.
    Ate me vou rir e o Rasmussen da Dinamarca ficar a frente da Suecia em Maio com uma cançao que eles recusaram

    ResponderEliminar
  3. A verdade é que a RTP tem sabido organizar já o FC do ano passado e este também. Penso que a SVT pela primeira vez na vida podia olhar um pouco para nos como um "exemplo".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo00:51

      A sério que estou a ler isto??? Filipe estás um pouco confuso certamente...a vitória do Salvador não faz milagres a tudo, e o festival da canção está bem longe de ser um formato optimo e genial. Bem se viu esta noite por exemplo. Vejo aqui muita gente a criticar e não fazem a minima ideia do que estão a dizer. Podem achar que as músicas não tem qualidade e tudo isso, são opiniões e gostos tudo bem, aceito, mas a semi-final 1 foi a mais vista desde 2013...portanto vejam bem a crise de audiência que tem por lá lol. O numero de votos tem sido altíssimo também em ambas as semi-finais, a rondar os 2 milhões, e só agora na semi-final 3 é que teve um decréscimo abruto, é obvio que dá que pensar e a emissora vai apurar o que se passou, pois não é nada normal. Não sejam impulsivos, pensem e depois escrevam.

      Eliminar
  4. Anónimo19:45

    simplesmente porque este ano as cancoes nao sao boas e nao apresentam nenhuma originalidade uma pena dizer isto de um dos melhores formatos mas e a realidade

    ResponderEliminar
  5. Anónimo19:47

    acusar logo de ma saboteagem extrangeira me parece de muito mal gosto te parece querer apontar o dedo a Russia

    ResponderEliminar
  6. Anónimo22:28

    Não entendo isso. Todos os anos a emissora sueca recebe milhares de canções, mas em vez de selecionar somente as canções boas eles selecionam 5% de canções boas, 20% de canções "mais ou menos" e 75% de canções lixo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo16:23

      Para que ter um lote fortíssimo de canções se só 1 ganha?! Assim muitas que são este ano rejeitaras tentam em anos seguintes tanto no Melfest como noutras finais :) Sou seguidor assíduo do Melfest desde 2008!!!! Aquilo sim um espetáculo de tv :)

      Eurofa

      Eliminar