Trazemos até si as reações dos fãs presentes em Kiev ao primeiro ensaio de Portugal no Eurovision Song Contest.


Eurovision-fr.net - É, como sabemos, a irmã de Salvador Sobral, Luísa Sobral, que protagoniza o ensaio desta tarde. A artista ocupa o lugar que o intérprete irá ocupar na semifinal do dia 9. A intérprete aparece sozinha no palco secundário da arena, a tal “bolacha” de que se fala há dias. É a primeira canção a ser ouvida a partir dali. O vídeo de fundo representa uma floresta banhada pela luz do sol. Luísa veste um largo casaco impermeável amarelo. Na arena vê-se muito trabalho de câmara, recorrendo a grua e "spidercams". O palco principal está totalmente vazio de qualquer pessoa e objeto: apenas a/o intérprete no palco “bolacha” e os trabalhos de câmara.


ESCUnited - A figurante de Portugal é Luísa Sobral, autora da música e irmã de Salvador Sobral. Não conseguimos julgar muito a partir disto, Luísa canta a música de uma forma diferente daquela a que estamos habituados e tem uma qualidade única e agradável à sua interpretação. Ela está numa pequena plataforma no centro da audiência e se este é o plano, quando Salvador chegar vai ter uma atmosfera intimista e adorável. Façam figas!

ESCToday - Como já tinha sido anunciado, será Luísa Sobral a fazer os dois primeiros ensaios devido aos problemas de saúde de Salvador Sobral. Ainda assim, é possível retirar algumas coisas do seu ensaio de figuração: o fundo terá uma floresta negra com uma leva luz azul a atravessa-la, Salvador irá atuar no palco B no meio da multidão com planos longinquos e também muito perto. Como é no meio da multidão, não serão usadas "steadycams" (como no Festival da Canção que rodavam à volta de Salvador) mas é difícil perdermos-nos no trabalho de câmaras com esta canção. As únicas coisas que faltam são as expressões de Salvador e o público que deverá apoiar a performance significativamente em contraste com o grande palco.

escXtra - Resumindo numa frase: simplesmente elegante. Usar o palco B é uma ideia magnífica. Estão a manter as coisas simples tendo-a a ela parada e a fazer uma fantástica performance. Para além disso - ALERTA ÁRVORES - temos as primeiras árvores do ano por isso podem descansar em paz.

ESCDaily - O que dizer se o artista não está presente? A sua irmã (a compositora) canta a música e conseguimos perceber que querem que seja intimista mas - o problema típico da Eurovisão - há demasiados planos longínquos. Fundo com árvores, as cores usadas são o azul escuro. Salvador irá cantar num pequeno palco no meio da multidão o que beneficia a canção.

Wiwibloggs -

ESCBubble - Tal como fomos avisados anteriormente, é a irmã de Salvador que está em palco. Ela compôs a música especificamente para ele por isso será interessante ver como é a sua interpretação alternativa de Amar Pelos Dois. A performance tem lugar apenas no palco satélite. Os gráficos têm uma discreta e negra floresta que funciona em fazer do Salvador o ponto principal da atuação. Luísa mostra muitas semelhanças com o vocal de Salvador mas parece óbvio que a canção assenta melhor a ele - sentimos muito a sua falta.

Eurovisionary - Luísa, a irmã de Salvador, substitui o irmão para testar o palco e as luzes. Luísa cantou a sua canção, Amar Pelos Dois, de forma muito gentil, vestida com um casaco amarelo. Como não será ela a atuar na semifinal, é muito difícil perceber como isto irá resultar considerando que as suas vozes são diferentes e ter o som correto está a provar ser uma tarefa muito difícil. O palco está totalmente inundado num azul escuro e não há nada que distraia da música. Um violino gentil acompanha esta melodia muito La La Land que pode-se destacar, por ser muito diferente, muito "old school" Eurovisão.

Eurovoix - Portugal vai atuar no palco satélite no meio da audiência. Um contraste em termos visuais com a atuação prévia do Azerbaijão. Não mudou muito se comparado com a atuação da final nacional. Bonita floresta no fundo do palco principal. Esperamos que seja o equilíbrio perfeito entre a canção e o foco no palco.

Eurovision-spain - Portugal, excecionalmente, tomará contacto com o palco sem a presença do seu representante, o favorito Salvador Sobral. Será a compositora do tema, a sua irmã Luísa Sobral, que atenderá às questões de som e equalização para o seu irmão e que se ambiente ao espaço. O país vizinho encerra a sessão da tarde.

ESCKaz - Luísa substitui o seu irmão e não há muito a retirar desta performance visto que a sua interpretação do tema é diferente. Muitos movimentos de câmara lentos e um fundo pacífico de uma floresta será um alívio para as pessoas ainda incomodadas com a ansiedade provocada pelo Azerbaijão.


Esta e outras notícias também no nosso Facebook e Twitter. Visite já!
Fonte: ESCPortugal / Imagem: eurovision.tv

20 comentário(s):

  1. Anónimo16:54

    Porque não traduziram o wiwi blogg? Não sei inglês

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo01:58

      És brasileiro? Just kidding :-)

      Eliminar
  2. Anónimo16:55

    A floresta com o fundo azul escuro parece-me perfeito. GOOD JOB

    ResponderEliminar
  3. Anónimo17:00

    Se o Salvador vestir a cor da camisola da irmã (cor de vinho) resulta na perfeição com os fundos azul escuro.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo17:10

    Uma floresta a servir de imagem de fundo (estática?), que em nada tem a ver com a letra da canção. Além deste disparate da RTP, pelo que se lê acima, há mais canções a utilizar árvores de fundo e há mais canções a utilizar o palco satélite... A RTP apresenta zero de originalidade, portanto, para além de levar uma música à La, La, Land, mas com um cunho brasileiro muito marcado, o que cativa alguns/muitos ouvidos. De léguas, neste registo, o SILVA fez uma reinterpretação de uma canção da Mariza no 5 Para a Meia Noite simplesmente fantástica e arrepiante, muito muito brasileiro. O Amar pelos Dois, pese a letra muito infantil e patológica, cantada pelo SILVA deve ser deslumbrante. Entrego-lhe o convite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo17:25

      que paises tambem utilizar arvores? podes dizer? ou falas sim saber

      Eliminar
    2. Anónimo17:29

      Vá ao concerto do Silva e deixe-se suposições mal fundadas!

      Eliminar
    3. Anónimo19:26

      Onde é que deduziu que há mais países com o mesmo tipo de cenário a coincidir com utilização do mini palco? É incrível o que se pode ler por aqui.

      Eliminar
    4. Anónimo20:20

      Está tudo com a mosca!!
      - 17:25, lê os textos do artigo, antes de "falar sim saber";
      - 17:29, precisa de rever esses seus fundamentos.

      Eliminar
    5. Anónimo20:22

      19:26, "é incrível o que se pode ler por aqui", sim, custa a crer que há tanta gente com tamanha iliteracia por cá! Leia o artigo, antes de ler os comentários ao mesmo.

      Eliminar
    6. Anónimo21:31

      17:10/20:20/20:22 - Tu é que não entendeste o artigo. A referências às árvores é porque já houve outras árvores noutras edições do ESC, não nesta! É algo que qualquer acompanhante assíduo desta edição sabe, visto que já foi falado. No entanto, mesmo que haja (ninguém sabe ainda) outros países a usarem a bolacha, Portugal será o primeiro a fazê-lo (nenhum dos 8 países anteriores saiu do palco principal), logo, marcará pela diferença, sim. Já agora, o ensaio de Portugal foi extremamente elogiado pela imprensa local e pelos reviewers (e isto, sem o Salvador lá estar sequer!).

      Eliminar
    7. Anónimo21:37

      "cunho brasileiro muito marcado"... Não meu caro, felizmente a Luísa desviou a sua intenção inicial da bossa nova para o jazz. Quanto ao fraseado, ela hoje mesmo disse na conferência de imprensa em Kiev que o cancioneiro português e o próprio fado usam esse tipo de recurso. Se escutar Carlos do Carmo, Zambujo, Rui Veloso, Camané... Vai perceber isso perfeitamente. No entanto, se notar que o cancioneiro brasileiro também, pois ficamos todos contentes, aquém e além mar. Lembre-se sempre que quem colonizou o Brasil foram os Portugueses... E muito antes de Jobim e Caetano, já existiam o fado tradicional e o fado cançao.

      Eliminar
    8. Anónimo21:59

      21:31, se porventura leste o artigo, relê-o mais vezes e vais constatar (por milagre!) que as coisas são como eu digo. Nota importante: Repara nos tempos verbais utilizados no artigo. Quanto aos elogios, também constatei nos mesmos, mas nota que são de fãs do ESC (mesmo sendo credenciados pela EBU), o que acaba por ser uma gota num oceano, mas é um bom presságio do que pode acontecer, o que é muito bom!

      Eliminar
    9. Anónimo22:06

      21:37, de fado, a canção deste ano tem zero! Quanto ao jazz, o Salvador da-lhe um pouco esse toque muito melhor que a irmã, mas o que a canção tem mesmo é um carácter acentuado de MPB (música popular brasileira), que é, como bem refere, característico do Jobim e Caetano, entre muitos outros e outras intérpretes. "Lembre-se sempre que quem colonizou o Brasil foram os Portugueses", sim, mas os colonizadores/invasores não levaram, por exemplo, o samba, que é algo autóctone do Brasil.

      Eliminar
    10. Anónimo22:21

      21:37, no vídeo https://www.youtube.com/watch?v=wIEYlaqOM74 alguém da Russia também achou a música ao estilo brasileiro. Quando digo "brasileiro" não tem qualquer tom negativo, ok?, é só que tem uma sonoridade MPB, como referi, que eu particularmente aprecio, e que é algo novo no ESC. Namasté.

      Eliminar
  5. Anónimo17:17

    Caros colaboradores do EscPortugal etc... Já repararam que neste último video a partir dos 2min e 6seg, está um jornalista atrás a ver o vosso site! Parabens pelo trabalho que têm desenvolvido até agora.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo17:35

    Não falando da canção propriamente dita ( que é muito boa) toda a interpretação e performance da mesma não vêm de cenários, palco, luzes e carnavais. Vêm única e exclusivamente do seu intérprete, o salvador e da sua forma única de a interpretar. Apesar de não achar grande piada às árvores não acho que possam influenciar muito a favor ou contra. Acho que só recorreram a isso para não se limitarem a ter tudo preto e escuro à volta e só uma luz no Salvador.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo19:29

      A Luísa explicou muito bem na conf. de imprensa. As suas opções são um compromisso entre o seu desejo minimalista e a Eurovisão que não retira o caráter intiomista à performance.

      Segundo o Wiwibloggs, o trabalho da câmara é magistral.

      Eliminar
    2. Anónimo20:34

      Pode colocar o link onde falam sobre o trabalho de Câmara?

      Eliminar
    3. Anónimo21:34

      20:34 Está no vídeo do artigo e no review geral do dia, no site e no youtube do wiwibloggs. Basta procurar no Google.

      Eliminar

Temas em Destaque

 
Top