Miki Núñez: "Se pudesse não teria ido ao Festival Eurovisão em Israel"


O cantor espanhol Miki Núñez falou sobre a sua experiência eurovisiva: "Se pudesse ter escolhido, não teria ido a Israel porque estou contra tudo o que faz o seu governo".





Em entrevista ao jornal Hoy sobre o lançamento do seu primeiro disco, o cantor espanhol Miki Núñez falou sobre a sua experiência eurovisiva e garantiu que ponderou um boicote ao evento, por este se realizar em Israel: "Correu tudo bem. Foi estupendo! A equipa fez um trabalho fantástico (...) A única coisa que mudaria era o local. Se pudesse ter escolhido, não teria ido a Israel porque estou contra tudo o que faz o seu governo". O cantor recordou também a proibição de abordar temas políticos no evento e deixou uma crítica à posição da EBU/UER para com os jurados: "Pedem-nos um enorme profissionalismo que deviam manter o mesmo nas votações, porque todos vimos o que se passou com o júri da Bielorrússia".


Em Telavive, Miki e "La Venda" representaram Espanha, terminando em 22.º lugar com 54 pontos, tendo sido a canção mais votada pelo público português.


Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Hoy/Imagem/Vídeo: Eurovision.tv

5 comentários:

  1. Anónimo21:06

    Com o da Bielorússia, Arménia, Azerbeijao, Grecia, Chipre....e por aí

    ResponderEliminar
  2. Anónimo22:25

    Algo me diz que, se tivesse obtido um dos primeiros lugares, o governo de Israel seria um exemplo de moderação. Convenhamos que, quando Miki participou na Operação Triunfo (sabendo, certamente, que um dos jovens integrantes no concurso haveria de representar a Espanha em Tel Aviv), o governo israelita não era diferente. Não poderia ter recusado nessa altura?

    ResponderEliminar
  3. Anónimo10:45

    O que é que se passou com o júri da Bielorrússia mesmo?! E da Ucrânia, ninguém fala? A política só é chamada para a Eurovisão quando convém, porque é que umas convêm e outras não é que deveria ser discutido.

    ResponderEliminar
  4. Não percebo estas polémicas e abordagens às atitudes dos governos. Mas por acaso o Miki levou para a Eurovisão uma música de intervenção que tenha sido alvo de contestação e interdita? Já a crítica aos votos da Bielorrússia não faz grande sentido porque não teve influência nenhuma na vitória dos holandeses.E viva a música. Espero que em 2020 o espetáculo seja melhor e acima de tudo com melhores canções.

    ResponderEliminar