[OPINIÃO] Nuno Carrilho comenta a semifinal 1 do Festival Eurovisão 2019


Na passada terça-feira, Telavive recebeu a edição do Festival Eurovisão que contou com a "aposta mais ousada (e acertada?!) da história de Portugal". Nós, portugueses, acreditámos... os europeus não. É caso para dizer: "apostámos como nunca, perdemos como sempre".


Nunca a expressão "Andamos todos a rodar na roda antiga, cantando nesta língua que é de mel e de sal" fez tanto sentido. Depois da vitória em Kiev e do injusto desaire em Lisboa, Portugal fez aquela que, em março, apelidei "de mais ousada proposta de sempre". E assim foi... apenas falhou a parte do "acertada". Mas analisemos todo o espetáculo na ordem em que ele nos entrou em casa...

Netta Barzilai foi a "culpada" disto tudo e foi o grande destaque da abertura do Festival Eurovisão 2019. A surgir de um gato gigante e com um corpo de bailarinas com figurinos iguais ao que usou em Lisboa, a cantora levou, durante largos minutos, o público presente ao rubro. Bom momento de abertura... para aquela que será uma das mais extravagantes (e polémicas) edições dos últimos anos.

E coube a Chipre a difícil tarefa de abrir a semifinal... Admito que, apesar de não ter sido das minhas favoritas iniciais, "Replay" tornou-se uma das minhas canções favoritas desta semifinal. É uma "cópia" (vá, é uma espécie de irmã mais nova... super parecida à mais velha) de 'Fuego'... mas  cuja atuação deixou um sentimento agridoce. Por amor de Deus, tirem-me aquele boomerang (pensei que a televisão tinha encravado) e arranjem-me aquele LED que esteve avariado a canção toda. Além disso, Eleni Foureira só há uma e Tamta parece não estar a 100% na canção. O apuramento era mais que esperado (e merecido) e acredito que ficará na metade superior da final de sábado.



Nunca entendi o ódio generalizado à canção de Montenegro. Bonitinha e cativante, "Heaven" foi das canções que mais me ficou na cabeça depois da semifinal... e a animação dos seis jovens cantores transpareceu nas câmaras (se calhar não foi o suficiente). Já tivemos muito piores na Grande Final. Infelizmente, acho que foi a canção menos votada da gala, se bem que a colocaria entre o 9.º e o 12.º lugar da semifinal. Espero que tal não dite a retirada de Montenegro do concurso...

A Finlândia gostou tanto da canção que aderiu ao manifesto e vá de replay replay... "Look Away" nem era das piores canções da semifinal... se ouvirmos apenas meio minuto. Depois disso, (Look Away) parece que estamos a ouvir (Look Away) sempre a mesma parte da canção (Look Away), o que enerva a pessoa (Look Away) mais calma do mundo.... A única nota positiva (e de grande valor, há que realçar) foi a interpretação de Sebastian Rejman. Infelizmente, a (Look Away) canção não dava para mais. Para mim, teria sido a última classificada! Desculpa Finlândia.



Se há canção que nunca me disse rigorosamente nada é a canção da Polónia. Sem querer ferir susceptibilidades, "Fire Of Love (Pali się)" é para mim, apenas e só, uma sessão de gritaria... Destaco o uso do polaco, mas podiam fazê-lo um nadinha mais baixo, não? Outro ponto que me causou uma certa comichão foi o figurino escolhido: primeiro estão protegidas dos mosquitos (?!) e depois passam para uma espécie de Carmen Miranda da Ilha da Madeira (com todo o respeito, atenção)? Não gostei nada, apesar de ser grande apreciador de canções com carácter étnico.

Outra das canções que nunca me disse nada... Aliás, acho que a ouvi na íntegra pela primeira vez durante o direto... e a vontade de mudar de canal apareceu diversas vezes. Não consigo ver nada que me agrade na canção da Eslovénia... Para mim teria ficado de fora da Final.

Mas nem tudo foi mau na gala. A República Checa parece ter acertado com a fórmula eurovisiva (que passa, especialmente, por fazer uma boa encenação em palco). Não sou grande fã de "Friend Of A Friend", mas a atuação dos Lake Malawi foi uma das mais bem conseguidas da noite... Uma batida descontraída e bem disposta, aliada a uma boa atuação... Resultado? Mais uma final para a República Checa. Apuramento um tanto surpreendente (por ser o país que é) mas bem merecido!


Eis a grande injustiçada da semifinal. "Az én apám" era a minha canção favorita da semifinal e vê-la fora dos apurados, provocou-me uma das maiores sensações de injustiça que já senti com os resultados eurovisivos... Tudo ali parecia ter corrido bem. Da emoção na voz de Joci Pápaí passando pela "frescura" da canção, aliando-se aquela vontade de trautear os versos da letra, da qual não se entende nada... Para mim era a canção mais completa da noite e a minha grande favorita! Injustiça enorme! Melhores dias virão, Hungria!

Se tiver que eleger a maior surpresa da semifinal, claramente que esta é ZENA. A jovem cantor mostrou a tudo e a todos que apesar da tenra idade, tem muito potencial para mostrar... e mostrou-o. Uma das melhores interpretações da noite! "Like It" é uma canção que poderia ir por qualquer outro país sem ser a Bielorrússia mas que irá conquistar uns bons pontos na Grande Final, assim espero... Apuramento merecido também!


"Kruna", canção da Sérvia, seguiu-se no alinhamento, com a jovem (mas poderosa) Nevena Bozovic a fazer uma das interpretações mais intensas da noite. Apesar de todo o ambiente criado à sua volta em palco, sinto que falta algo... Sobre a final: dificilmente a canção conseguirá ficar na coluna esquerda da classificação... mas o que é a Eurovisão sem uma boa surpresa?

A emissora da Bélgica seguiu à risca os planos de 2017. Pierre Dumoulin voltou a compôr uma maravilha de canção, mas "Wake Up" voltou a pecar nos mesmos pontos de "City Lights": o cantor. Depois de Blanche, desta vez foi Eliot a parecer... nem sei o que me parecia. Faltou garra, faltou intensidade, faltou presença... bem, faltou de tudo! Até de sorte para passar à Final. Nota negativa também para a atuação. O afastamento foi merecido... mas injusto face à qualidade da canção.

A Geórgia seguiu-se no alinhamento e Oto Nemsadze merece ser louvado por tornar a secante "Keep on Going" apresentada na final nacional, na poderosa "Keep On Going" em Telavive. A interpretação foi exemplar, mas a atuação pecou por excesso: correntes, fogo, fronteiras... tudo em bruto no palco, tornando-se um tanto assustador. Não me chocaria se tivesse sido apurada para a Final... mas provavelmente foi uma das menos votadas.


Apesar do curto histórico no concurso, a Austrália é um dos países que mais sabe jogar ao jogo da Eurovisão. "Zero Gravity" é uma canção completamente abominável... mas que se torna numa das mais interessantes com a atuação. É impossível desviar a atenção durante a prestação de Kate Miller-Heidke que, a nível vocal, esteve quase perfeita. Tudo ali resultou: do figurino à atuação, da interpretação aos planos de câmara. Provavelmente foi a vencedora da noite... e a justa vencedora.

Nunca o escondi e seria hipócrita se o fizesse: acho a canção da Islândia a coisa mais medonha que Deus ao mundo deitou (falar de Deus sobre uma canção sado-masoquista, boa jogada...). Contudo, este tipo de propostas e de canções fazem falta no Festival Eurovisão! Passou e passou bem, na minha opinião! E que bom é ter a Islândia de volta à Final da Eurovisão!


Outro ódio que nunca entendi... A canção da Estónia era outra das minhas favoritas da semifinal (felizmente passou). Boa onda, uma interpretação capaz e suficiente e uma encenação bastante apelativa, mas que, quando quer, a Estónia sabe apostar bem no Festival Eurovisão. Por mim foi um justo finalista, apesar de não ter grandes esperanças numa boa classificação.

(Falo de Portugal no final do alinhamento)

E depois de Portugal, seguiu-se a Grécia no alinhamento da semifinal. Uma canção cativante e deveras interessante, que armou um verdadeiro circo em palco. Ao contrário de outras encenações, não percebi a necessidade de tanta coisa em palco... Se o objetivo era distrair as pessoas com as desafinações da cantora, acho que foi cumprido. Apesar da fraca interpretação, foi uma justa finalista, se bem que coloco dúvidas na sua vitória na semifinal.



Say Na Na Na (...) Na Na Na (...) Na Na Na (...)Na Na Na (...) Na Na Na (...) Na Na Na (...) Na Na Na (...) Na Na Na (...) Na Na Na (...) Na Na Na (...)... É, mais ou menos isto, a canção de São Marino. Nem seria muito má... se fosse cantada no tom e no ritmo certo! Se fosse o Festival da Eurodesafinação, Serhat era o vencedor absoluto. Mas não é, penso eu. A canção é divertida e animada... mas daí a marcar presença na Grande Final... Enfim. Não merecia o apuramento e, infelizmente, antevejo um 2014 take 2.


E deixando para "outros 500" o resto da semifinal, eis o momento de falar sobre Portugal. Sempre o disse que "Telemóveis" não era a minha canção favorita do Festival da Canção, MAS era a única canção que poderia trazer um bom resultado de Telavive. Este deve ser SEMPRE o principal factor de escolha do Festival da Canção! E, apesar de tudo, ainda bem que o foi. Depois de vários problemas nos ensaios, Conan Osíris fez uma grande atuação no palco eurovisivo... Faltaram alguns pormenores, mas nada que possa justificar este tão injusto afastamento. Olhando para os resultados, "Telemóveis" é então pior que "Say Na Na Na"? Muito curioso para ver as votações dos júris...


Recordo então o que escrevi sobre a canção em março:

"É um concurso de performances e de trabalho artístico, onde tais factores aliados a uma canção de 3 minutos disputam o destaque de milhões de espectadores entre mais de 4 dezenas de participantes. E "Telemóveis" tem tudo para se destacar em Israel: da atuação aos sons étnicos da própria canção (admito que estou curioso para ouvir a versão instrumental), a própria irreverência de Conan Osíris não passará despercebida. Ah e poupem-me aos comentários da canção falar de... telemóveis: a canção fala tanto de telemóveis, como "Toy" era sobre galinhas. Mereceu a votação recolhida, sendo que fiquei surpreendido com a (quase) unanimidade da votação dos jurados!"

Hoje voltaria a escrever de igual forma, se bem que agora a curiosidade passa por saber em que lugar realmente ficámos! Para terminar o comentário desta semifinal, atrevo-me a dizer que "Apostámos como nunca, perdemos como sempre" mas ficou, entre nós, eurofãs portugueses, um sentimento de orgulho e de dever cumprido!  Obrigado Conan! Obrigado RTP!

Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: OPINIÂO /Imagem e Vídeo: Eurovision.tv

36 comentários:

  1. Anónimo23:28

    Concordo plenamente consigo no que toca a análise que fez á cancao portuguesa. O sentimento que fica é de uma grande injustiça. Desta vez custou me bastante ver portugal ficar de fora. Um abraço ao conan e ao seu bailarino. Para o ano teremos mais eurovisao e se estivermos vivos ca estaremos para comentar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muita injustiça e a prova de que a eurovisao é mais do mesmo. Sem gosto musical, um copy past de sons déjà vu. Parece que a Suécia marca um formato seguido por todos. Tão vulgar e entediante. Por fim alguns comentários que li de portugueses é estrangeiros que dizem ter querido votar em Portugal e não conseguiram. Não sei se o fizeram bem, não percebi. No entanto o Chipre é a Espanha deram a Portugal 12 pontos no televoto. Por fim um apelo aos apresentadores de Portugal,eles próprios pareciam não acreditar. Hoje às bolsas das apostas dominam o cenário eurovisivo e quem orientará estas bolsas, qual a métrica, gostava de saber. Isto é uma palhaçada, mais se virmos a canção vencedora o ano passado e onde está a sua valia em relação à de Portugal deste ano? Interesses figo eu.

      Eliminar
  2. A Estónia teve uma das piores performances da noite....Não mereceu passar.
    A Eslovenia tem uma das melhores canções este ano, eu é que não consigo olhar para eles...so os consigo ouvir.
    Portugal esteve bem pior que na final nacional. LEDs feios, realização era, efeitos visuais e luzes nem acompanhavam o instrumental.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo23:45

    Adorei o artigo, parabéns!

    ResponderEliminar
  4. Anónimo00:02

    Onde é que a RTP apostou como nunca?!?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo01:10

      Não foi isso que o Nuno Carrilho disse. Mas Guimarães e Portimão foram excelentes apostas de produção da RTP, do melhor que já foi feito. Voltando um pouco atrás talvez Campo Pequeno, mas aí tivemos arena a mais e palco mediano se tanto. Acho que precisamos de alguém bom é para fazer staging eurovisivo, parece que não sabemos fazer nada inovador num palco. Devíamos aproveitar a Surma para apresentação e Conan Osíris para compositor 😂

      Eliminar
    2. Anónimo03:21

      Também precisamos e muito de bons costureiros e estilistas. Acho que o segundo Barbara Dex Award já aí vem a caminho!

      Eliminar
  5. Concordo com o que diz sobre Portugal. Foi injusta a não passagem é final.
    Quando levamos músicas mais fracas,a gente até aceita e compreende o facto de se ficar na semifinal, não custa tanto. Este ano custou muito,principalmente se se confirmarem os casos das linhas bloqueadas nalguns países. Mas sobre isso, nunca vamos ficar a saber.
    Também acho que este ano temos um caso Susy 2.0. Só espero que não tenha sido Portugal a dar o tiro no próprio pé, votando em San Marino para nos ficar com o lugar. O que já não seria caso inédito.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo00:07

    Enquanto portugueses poderemos ser suspeitos para falar sobre a a canção, mas eu pessoalmente (apesar de querer sempre o melhor resultado para Portugal e ficar triste com os maus resultados),houve anos que entendi a nossa "nao qualificação". Cito por exemplo 2006, 2011, 2015, etc.. Ontem definitivamente foi uma grande injustiça ficarmos de fora em prol de paises como a Estónia, Sao Marino, Bielorrússia, etc. Custa-me creer que os juris não nos tenham votado quando parte dos critérios de voto eram a autenticidade e originalidade da canção, e prestação vocal. Aspectos estes que creio que estiveram irrepreensíveis. Seremos senpre o "patinho feio" da eurovisao. 2017 foi um erro de percurso que ainda hoje passados 2 anos custa creer que seja mesmo verdade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo03:08

      O representante da Estónia teve uma boa prestação vocal, e o espetáculo visual foi melhor que o do Conan, e a canção também.

      Eliminar
    2. Anónimo14:00

      03:38 LOOOOL obrigado pelo riso........

      Eliminar
    3. Anónimo16:33

      Estónia?? Canção cliché e sem sal.. Por favor tenham noção..

      Eliminar
  7. Vocês repararam no ar chocado do Jon Ola Sand quando lhe deram a palavra?
    Um de duas, ou o país que eles esperam que ganhe o ESC não ficou tão bem classificado como esperado(Suécia???? talvez castigada com o televoto?),ou então a semi foi ganha pela Rússia ou Azerbaijão, e a EBU já está a fazer contas á vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo01:13

      Este ano ganha Austrália, nunca substimar o poder de um BOM staging, que foi exactamente onde falhámos.

      Eliminar
    2. Anónimo03:23

      Concordo a 100%.

      Eliminar
  8. Anónimo00:18

    "Apostámos como nunca"... ou seja, quase nada. Só porque, talvez, escolhemos aquela canção que era a mais eurovisiva de todas a concurso para o Eurofestival, não significa nada. Em que é que "Telemóveis" é a aposta mais ousada que já levamos à Eurovisão? Será apenas porque tem um instrumental diferente? Basta ver e ouvir ao vivo no palco da Eurovisão para perceber que é um instrumental fraquinho. Tanto "Telemóveis" e O Jardim" são cancões que não ficam no ouvido nem chegam à alma, para além de terem quase a mesma melodia do princípio ao fim. Por isso tiveram a classificação que tiveram.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo01:15

      Mas está a criticar quem!? Fomos nós que colocámos Conan Osíris na Eurovisão, que adianta agora dizer que é fraquinho. Preciso de lhe recordar que a maioria não pensa assim?

      Eliminar
    2. Anónimo03:02

      !!!??? Calma, anónimo das 01:15. Beba um chá! Ninguém está a criticar ninguém. Só Deus sabe a razão pela qual você se sentiu criticado. Eu apenas comentei (com a minha opinião pessoal, como todas as pessoas que comentam aqui) o texto do Nuno. É óbvio que todos pensam de forma diferente.

      Eliminar
    3. Anónimo04:37

      La estao os pseudo intelectuais cá do sitio a falar no feeling, mas qual chegar à alma filha. Apostar para voces seria levar uma musiquinha lenta, um baladon com muito feeling e apenas o cantor sozinho em palco com uma luz branca. Telemoveis foi a aposta mais ousada na letra em muita coisa. Chegam à alma?? A maioria das cançoes que passaram à final chegam à alma? Haja paciencia, acordem e deixem o lema do music is feeling que é isso que tem prejudicado Portugal. Abram a mente e saiam de 2017! Dizer que telemoveis tem a mesma melodia do principio ao fim é para rir. Acho sempre piada sempre que esta gentinha tenta decifrar o porque de terem tido a classificação que tiveram. Ponto curioso, a sorte do sobral foi ter a irmã do seu lado porque se não tivesse ganho, iam aparecer comentarios iguais aos do 00:18. Nem vale a pena, não aprendem.

      Eliminar
    4. Anónimo04:51

      vida minha de Filipa Sousa chegava à alma, Suzy ficava no ouvido, nenhuma passou à final. Tiveram a classificaçao que tiveram porque mesmo? Ah tá.

      Eliminar
    5. Anónimo13:16


      Anónimo das 04:37, basta ler o teu comentário para entender que se há alguém aqui que é gentinha, és tu. Limitaste-te a fazer um ataque pessoal em vez de ler o meu comentário com atenção. "cantor sozinho em palco com uma luz branca" resultou com o Salvador (venceu o Eurofestival, lembras-te?). "Telemóveis" foi a aposta mais ousada na letra? Em Português, talvez(...). Como não traduzi as letras dos outros 16 países que competiram na primeira semi-final, não posso comparar, e duvido que os milhões de espectadores que a assistiram ao vivo se tivessem dado ao trabalho de traduzir a letra em Português da canção do Conan para poder analisá-la e votar... Já agora, diz-me, em que é que "Telemóveis" foi a aposta mais ousada(para além da letra em Português)?
      Quando eu falo em "chegar à alma", quero dizer que a canção tem de "dizer algo". Quando ouvi "Telemóveis" pela primeira vez, gostei da letra, do instrumental (embora tivesse pensado que podia ter sido melhorado), gostei da voz do Conan, mas a canção no seu todo não me disse muito... e pronto, é o que eu sinto, e não significa que estou a ser pseudo-intelectual. E não sou apologista da frase "music is feeling". Para finalizar, eu não disse que "Telemóveis" tem a mesma melodia do princípio ao fim. Disse quase. E soa quase tudo o mesmo do princípio ao fim. Não sou o único que escreveu sobre isso aqui. E é difícil votar numa canção assim quando se tem outras escolhas mais apelativas!

      Eliminar
    6. Anónimo13:25

      Quem é que disse que "Vida minha" chegava à alma? A canção pecou por ter visuais muito estáticos (o mesmo aconteceu com Telemóveis), e acho que precisou de outra voz- a Filipa que me perdoe, mas penso que a sua não era a mais indicada para esta canção, embora tivesse feito um trabalho excelente!
      A Suzy ficou no ouvido, sim senhor, não foi à toa que ficou em sexto (se não me engano) no televoto, em Português! O júri é que não ficou impressionado com a voz!...

      Eliminar
    7. Anónimo13:59

      13:16 Basta leres outra vez para perceberes que foi tudo menos um ataque pessoal. Adoro quando tentam usar o argumento do salvador (eu ja saí de 2017, mas parece que muitos portugueses ficam arragados ao passado por alguma razão que desconheco). Lembro-me que venceu o eurofestival, lembro-me tambem que nos ensaios queria fazer uma coisa totalmente diferente no jury show, não fosse a luísa a avisar-lhe e a controlar tudo desde o staging, às entrevistas, à melodia, não tínhamos ganho. E o salvador não tinha só uma luz branca, tinha uns LEDS lindissimos por trás escolhidos pela luísa (Olha, aqueles LEDS que voces tanto desprezam mas ajudaram a atuaçao). Como a atuaçao do Sobral resultou agora querem guiar-se por aí e copiar a formula. Erro tremendo. Não, a canção do Conan não tem de dizer algo. Nem todas as cançoes têm de dizer algo, não é so isso que chega à alma, uma musica para dançar sem qualquer profundidade pode "chegar mais à alma" de milhares de pessoas do que uma balada com sentido. E claro, isso viu-se com os vencedores da 1ª semi final.

      Eu não votei em telemoveis, acho que o Conan tinha cançoes melhores, mas a cançao nao foi o problema. Foi a aposta mais ousada pelo estilo de musica que levámos, o experimentralismo musical, a mescla de generos, instrumentos e influencias musicais que estava presente na cançao, os sons estranhos que o coro fazia e que pareciam gemidos, a atuação irreverente e experimental...foi tudo muito arriscado. Foi tudo muito teatral.

      Quanto a dizeres que tem quase a mesma melodia do principio ao fim, dá igual, mantenho a mesma opiniao: Não tem.

      Eliminar
    8. Anónimo15:18

      13:25 Ai pa a serio? atao olha, senhora do mar que ficou num lugar que nao merecia, ou mesmo a da filipa azevedo. A tua opiniao nunca será a verdade, por muito que tentes. Tás a leste.

      Eliminar
    9. Anónimo18:32

      Oh pá, parece que estás sempre a bater na mesma tecla! Quem disse que a minha opinião é verdade? Se te incomoda, passa à frente. Eu dei a minha opinião e justifiquei, e tu? Jogaste frases ao ar! Estás mesmo sem direcção.

      Eliminar
  9. Já acompanho o Esc há mais anos do que gosto de admitir. Foi a primeira vez que uma não qualificação me doeu mesmo no coração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo09:48

      Como te compreendo... Esta música infelizmente não foi compreendida pelos europeus, mas esperava melhor dos juris, vai ser interessante ver como foi a votação. Não vejo razão alguma para um júri competente desvalorizar uma canção como a que tínhamos. Mas vamos olhar para o que houve de positivo e manter ambição no futuro sem ter medo de arriscar.

      Eliminar
  10. Anónimo03:11

    All countries that got Robbed — Portugal, Romania, Moldova, Croatia, Hungary, Ireland, etc... — Let's all VOTE for San Marino. They want bad taste and cheesy trash-pop?! WE WILL GIVE THEM THAT! This ESC is a TOTAL CIRCUS 🤣😂 Let the "na na na na" thing WIN

    ResponderEliminar
  11. Anónimo03:38

    Texto muito longo e chato, parece uma conversa de café. Deviam convidar outro comentador...

    ResponderEliminar
  12. Anónimo04:46

    Se até os estrangeiros dizem que era uma proposta arriscada, não entendo onde está a duvida. Foi a mais arriscada que levámos, tinha tudo para ter um top 10, estavamos em alta nas apostas e espalharam-se ao comprido ao fazerem aquelas mudanças todas. Esta mentalidadezinha do music is feeling e chegar à alma cansa, não chega terem visto as cançoes que passaram à final para perceberem o que falhou e o que pode funcionar no ESC atualmente? A chapada de luva branca que levaram? O quao atrasado está o nosso fdc em termos de produção e espectaculo visual? Ora, quantas cançoes medíocres se salvaram graças à performance, bielorussia teve uma atuação horrível na final do seu país, todos achavam aquilo fraquinho até ao dia da semi final onde mudaram drasticamente o staging e ela arrasou com o seu carisma, sua voz e presença. Alguns portugueses acham que a culpa foi da letra, do instrumental, do fato de espinafre...meus queridos, isto deixou de ser um concurso apenas de música ha muito tempo, mas não se preocupem, não sao so voces que estão a leste do problema, a RTP também está.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo16:01

      Totalmente de acordo consigo. Salvador foi o alinhamento perfeito de vários factores quase aleatórios. Apresentação e balada muito simples e super despretensiosa. Não se observa nenhum, repito, nenhum factor de pretensão a vencer. Raramente há um vencedor do ESC nessas condições.

      Eliminar
    2. Anónimo22:59

      O Salvador ganhou porque é um intérprete muito especial, capaz de tocar a alma das pessoas como muito poucos conseguem fazer. Basta ver a receção do público e da crítica aos concertos que tem dado no estrangeiro, para perceber que ele tem, de facto, uma estrelinha de génio.
      E Amar pelos Dois (ao contrário do que vocês dizem) era tudo menos simples. Tinha uma grande riqueza melódica e harmónica, um arranjo complexo do Luís Figueiredo, com um bom gosto irrepreensível. Tinha todas as qualidade que definem um clássico.

      Eliminar
  13. Péssimo artigo. E claramente demonstra falta de gosto... #azeite

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo16:09

      Não deve aferir a qualidade de um artigo confundindo o que é gosto pessoal e intransmissível. O artigo está bem construído, é a opinião de um apaixonado como nós e não é vazio, porque vai fundamentando a sua visão. Temos de estar gratos onde há um fã, sobretudo quando oferece tempo da sua vida, vamos manter esta paixão entre nós, viva, com saúde e com respeito. Gosto musical jamais será uma ciência.

      Eliminar
  14. Bom artigo. Gostei das opiniões e até admito que a RTP, a nível nacional, trabalhou bem. Na eurovisão foi o costume, um desastre, uma "foleirada" em palco... Lamento mas é isto que penso. A RTP não "trabalhou" a canção, após o FC, nem fez qualquer promoção lá fora... Podiam ter trabalhado o tema com arranjos mais ao gosto pop eurovisivo, tornado-a mais evolutiva e mais rica... Nada... E quanto ao palco foi o que se viu... Um desastre, que não concordo que se justifique com os problemas técnicos de produção...

    Não quero me alongar em comentários sobre a canção de Portugal, até porque não aprecio muito o tema. Digo apenas que, a meu ver, havia canções bem piores na semifinal1 e que, apesar da prestação em palco pouco conseguida, Portugal merecia chegar à final. Na final, na minha opinião, estaria condenada aos últimos lugares...

    Pessoalmente acho que RTP tem a mania que Portugal, na Eurovisao, tem de se apresentar de verde e vermelho. Isso, para mim é a mesma coisa que andar na rua vestido de verde e vermelho e achar que estou bem vestido, cheio de estilo... O que, obviamente, é não ter noção de estilo... Considero, portanto, um erro crasso da RTP insistir em "obrigar" os outros países a gostarem da nossa bandeira a encher o palco. Verde e vermelho têm muito significado para os portugueses, é a bandeira nacional, mas para os outros é visto como "berrante". Sinceramente, sou português, mas detesto a sensação que me fica dum espectáculo em tons de verde e vermelho. E neste caso, as roupas "transformaram" os artistas em dinossauros répteis... Cansativo... Sinceramente, é o meu Pais, mas não consigo gostar da apresentação.

    Não me recordo de chegarmos à final com verde e vermelho. Alguém se recorda?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo22:45

      Ora vamos lá ver duas coisas:

      1 - O que é que a RTP fez em 2017 para ganhar a Eurovisão? O mesmo que em todos os anos: NADA! Então ganhou porquê? Os cantores é que têm de se desenrascar a vender o produto deles. As outras televisões idem aspas. A do Azerbaijão (segundo a televisão suíça) é o único país que desde o início compra um produto final que leva à Eurovisão.

      2 - Que indústria discográfica existe em Portugal para lançar mundialmente um cantor português? Os cantores que vão à eurovisão têm de se desenrascar ou de convencer uma editora que o que levam à eurovisão vai ser lucrativo.

      Parem de bater na RTP que não é nem cantora nem compositora e muito já faz em dar luz ao que os votantes nacionais escolheram como muito bonito.

      Eliminar