[ESPECIAL] Análise aos resultados da segunda semifinal do Festival Eurovisão 2019


Dezoito países disputaram, ontem, o apuramento para a Grande Final do Festival Eurovisão 2019, sendo que apenas 10 conseguiram a passagem. O ESCPORTUGAL apresenta-lhe algumas curiosidades sobre os resultados.


Noite negra para a Arménia. O país estreante em 2006, apenas tinha falhado as finais de 2011 e de 2018, tendo-se ausentado da edição de 2012. Com a eliminação de Srbuk, o país ficou pela primeira vez na história fora da Grande Final em dois anos consecutivos.


A Irlanda também traz más recordações de Telavive. Depois de Ryan O'Shaughnessy ter posto fim a um período de 4 eliminações consecutivas, Sarah McTernan falhou o apuramento para a Final, sendo a quinta eliminação em seis anos.

A viver a melhor série de resultados de sempre, com um terceiro lugar em Kiev e um décimo em Lisboa, a Moldávia voltou a falhar o apuramento para a Final, sendo a primeira vez desde 2016 que o país não estará na Final da competição.

Fora da Grande Final desde 2014, a Suíça está na Grande Final, evitando assim alcançar a sua pior série de resultados de sempre. Esta é o terceiro apuramento helvético nos últimos dez anos.


A Letónia está fora da Grande Final pelo terceiro ano consecutivo, algo que não acontecia desde 2014. De realçar que, desde 2009, o país apenas disputou as Finais de 2015 e 2016.

Depois do desaire em Lisboa, a Roménia voltou a fazer história pela negativa em Telavive. O país nunca tinha falhado a Grande Final em dois anos consecutivos.

Após uma dupla eliminação em 2015 e 2016, a Dinamarca está na Grande Final do Festival Eurovisão pelo terceiro ano consecutivo.

Com apenas uma eliminação no curricullum, a Suécia está na Grande Final pelo nono ano consecutivo, sendo a atual detentora da maior série de apuramentos.


Depois do terceiro lugar em Lisboa, a Áustria falhou o apuramento para a Final do evento, pondo fim a uma série de cinco apuramentos consecutivos, com a última eliminação a remontar a 2013.

A Croácia está de fora da Final pelo segundo ano consecutivo, algo que já não acontecia desde 2013, ano em que o país abandonou o evento por duas edições. Jacques Houdek, compositor de "The Dream", falha assim o regresso à Final da Eurovisão, onde esteve em 2017 enquanto intérprete de "My Friend".

De regresso à Final, Malta pôs fim a uma série de duas eliminações consecutivas, algo que também acontecera em 2007-2008 e 2010-2011.


A Lituânia falhou o apuramento, sendo a segunda eliminação nos últimos cinco anos de participações no Festival Eurovisão.

Após a inédita eliminação em Lisboa, a Rússia está de regresso à Final da Eurovisão, com a última participação a remontar a 2016, ano em Sergey Lazarev, o representante deste ano, alcançou o terceiro lugar. De realçar que o cantor russo foi o 5.º candidato a ser anunciado finalista... repetindo o lugar de anúncio de Jamala (2016), Salvador Sobral (2017) e Netta Barzilai (2018).


Pela primeira vez desde 2009, a Albânia está na Final do Festival Eurovisão em dois anos consecutivos, sendo também a primeira vez na sua história em que consegue o apuramento em anos consecutivos com temas totalmente interpretados em albanês. Além disso, o país foi o único que não utilizou o inglês na semifinal.

A Noruega está na Grande Final pelo terceiro ano consecutivo, ficando a um apuramento de alcançar a sua melhor série de apuramentos (2012-2015).

A Holanda apurou-se para a Grande Final do Festival Eurovisão pelo quarto ano consecutivo, algo inédito na sua história. Além disso, este é o sexto apuramento nos últimos sete anos: antes disso, a Holanda teve oito anos fora da Final.


Pela segunda vez em doze anos e pela primeira vez desde 2012, a Macedónia do Norte está de regresso à Final do Festival Eurovisão, perdendo para Montenegro o título de país que há mais tempo não disputa uma Final. Depois da eliminação na semifinal de 2008, esta é a estreia de Tamara Todevska na Final eurovisiva, onde participou enquanto backing singer em 2004.

Depois do desaire em Lisboa, também o Azerbaijão está de volta à Final eurovisiva, sendo a 11.ª presença em 12 participações. Assim, dos três países que perderam a invencibilidade na capital portuguesa, apenas a Roménia falhou novamente o apuramento.

Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: ESCPortugal / Imagem/Vídeo: Eurovision.tv

8 comentários:

  1. Anónimo11:42

    Só espero que a orden de apresentação da Rússia não queira dizer que vai ganhar. Com Dima Bilan a Russia ganhou na segunda vez que o cantor concorreu e com uma música pior que a primeira participação, igual a Lazarev...só espero que não na classificação final

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo13:39

      Eu vejo dois cenários com a Rússia. O 1 é: ou a Rússia ganhou a sua semifinal e a EBU/Bjorkman estão tentar de tudo para evitar uma repetição na final ao dar-lhe uma péssima running order ou 2: a Rússia realmente flopou e a 5 posição da final é prova disso. Mas sinceramente duvido mesmo MUITO q a Rússia tenha ganho a semifinal. Ou ganhou a Holanda ou a Suíça...ou até mesmo a Suécia.

      Eliminar
    2. Anónimo15:02

      Eu também acho que a Rússia não terá ganho a semi. Não deve ter tido pontos do júri da Lituânia e talvez os júris da Suíça, Suécia e Holanda tenham feito o mesmo que o júri português fez em 2017, não votar muito nos adversários directos
      Eu esperava mais da apresentação, mas a canção não dava muitas hipóteses para grande espectáculo...

      Eliminar
    3. Anónimo19:18

      Os eurofas são tolos, acordem. Claro que a russia vai ganhar, aquele lugar foi só para despistar o pessoal e não ser tao descarado o favorecimento. E claro, para provar que para ganhar não é preciso ficar para o fim

      Eliminar
  2. A Rússia não irá ganhar

    ResponderEliminar
  3. José Luís14:57

    sim detestava que a Rússia ganhasse, espero que seja Holanda Suiça ou França. Penso que seja mais uma vez um país da Europa Ocidental a vencer, o que marcará esta década com vencedores predominantemente do ocidente, ao contrario da década anterior, em que a maioria foram países de Leste os vencedores.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo18:58

    Eu vou ser sincero, este ano gostaria e muito que a suiça ganhasse. Tem sido ao longo dos anos prejudicada se não me engano desde 2014.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo19:19

    o meu sonho seria ver algo semelhante à proposta da suiça no fdc, ja nem digo na eurovisao...

    ResponderEliminar