ESC2019: Conheça a ordem de atuação das duas semifinais


A EBU/UER revelou, esta tarde, a ordem de atuação das duas semifinais do Festival Eurovisão 2019.


Depois do sorteio de janeiro, que dividiu os países semifinalistas pelas duas semifinais e pelas duas partes de cada uma, a organização do Festival Eurovisão 2019 revelou, esta tarde, a ordem de atuação das semifinais do evento deste ano. Chipre e Arménia abrem as respetivas semifinais, enquanto São Marino e Azerbaijão serão os últimos a atuar.

1.ª Semifinal
1. Chipre
2. Montenegro
3. Finlândia
4. Polónia
5. Eslovénia
6. República Checa
7. Hungria
8. Bielorrússia
9. Sérvia
10. Bélgica
11. Geórgia
12. Austrália
13. Islândia
14. Estónia
15. Portugal
16. Grécia
17. São Marino


2.ª Semifinal
1. Arménia
2. Irlanda
3. Moldávia
4. Suíça
5. Letónia
6. Roménia
7. Dinamarca
8. Suécia
9. Áustria
10. Croácia
11. Malta
12. Lituânia
13. Rússia
14. Albânia
15. Noruega
16. Holanda
17. Macedónia do Norte
18. Azerbaijão


Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte/Imagem/Vídeo: Eurovision.tv

23 comentários:

  1. Anónimo15:45

    Excelente para Portugal. Quer dizer que a EBU e a KAN nos vêm como potenciais candidatos a vencedores.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo16:03

    A minha perceçao da primeira semifinal e que quem vir o concurso pela primeira vez vai detestar pois as musicas da primeira parte sao uma porcaria estao todas seguidas... E a segunda parte vai ser ao atropelo. Um dos favorotos vai ficar pelo caminho... E ha aqui um ajudinha da EBu a Sao Marino que ate compreendo e acho muito bom por parte da EBU..

    ResponderEliminar
  3. Anónimo16:18

    A música da Grécia é cliché e passa despercebida, a de San Marino não é lá muito boa. Acho que Portugal pode impactar por ser um dos últimos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo18:43

      Define cliché. Florence The Machine cliché? Annie Lennox cliché? Tudo aquilo que detesto cliché? A Grécia devia ter trazido mais pimbalhada alcoólica e alfa male para animar a cambada não era?

      Eliminar
    2. Anónimo18:45

      A música de Grécia é o que??? Oh Meu Deus vem cá ver isto.
      Em anos que não se via uma voz feminina no ESC tão peculiar. Por amor de Deus.

      Eliminar
    3. Anónimo19:07

      O anónimo afirmou que a música era cliché, não comentou a voz da cantora. E sim, a Katerine tem uma voz única e extraordinária, mas a canção não deixa de ser algo comum visto múltiplas vezes no passado.

      Eliminar
  4. Anónimo16:23

    Portugal vai ser ultrapassado por são Marino cheira me que ainda fica de fora ....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo18:41

      A pior música da final vai ultrapassar um dos favoritos à qualificação? Porquê?! Isto é muito aleatório, não entendo a lógica. Desculpe

      Eliminar
  5. Anónimo16:38

    Ficamos numa excelente posição ... desde a Georgia à Estónia, são esquecidas e depois aparece Portugal. É garantida quase a 100% a passagem à final.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo18:26

    Acreditam mesmo que São Marino têm alguma possibilidade? O Serhat parece ser tratado como um meme pela eurobubble, a música não é má, mas não é nada de especial, pode ser a favorita de um público mais velho, mas mesmo assim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo21:01

      A eurobubble nao representa nem 2 por cento dos resultados...

      Eliminar
  7. Anónimo18:28

    Parece-me bom para Portugal, apesar de eu ser cético quanto à elevada importância que varias pessoas dão à posição de atuação. O número em sim penso que não é tão impactante como isso, mas valorizo o o contexto (a canção antes e depois). A única pena que tenho é a Islândia estar tão perto de nós, por ser a outra música deste ano que se pode considerar “alternativa”. Acho que agora é só o Conan chegar lá e arrasar com um desempenho vocal fixe e com a atuação e os planos de câmara bem estudados pela equipa da delegação portuguesa. Força! #Portugal2020 (e não me estou a referir ao programa do Estado, mas sim a termos a Eurovisão de volta a terras lusas)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo20:41

      Eu também acredito firmemente que Portugal pode vencer novamente a Eurovisão se o Conan tiver um desempenho vocal fixe e com a atuação e os planos de câmara bem estudados pela equipa da delegação portuguesa. Sinceramente estou muito esperançado numa nova vitória de Portugal.

      Eliminar
    2. Anónimo00:11

      Vencer não acredito,mas acho que pode alcançar um top10 se as coisas estiverem bem planeadas.

      Eliminar
  8. Anónimo18:38

    San Marino? Mas de onde é que veio este apoio todo?
    Atua no fim, mas continua a ser das piores da semi. Não vejo o juri a ajudar nem o público a votar muito.
    Muito mais do que atuar no início ou no fim, o que importa é o seguimento e se a música vai sobressair ou não. Depois de Portugal e Grécia, encerrar a semi com uma música destas é péssimo!

    Portugal não está mal... anda ali junto com a Islândia e a Grécia, que são favoritos. Vai ser um bom teste!
    Gostei... agora venha Maio

    ResponderEliminar
  9. Anónimo18:45

    Se nos queremos afirmar como potenciais candidatos, não temos de ter medo de São mMrino ou da Grécia. Precisamos é de um bom staging e de um bom espectáculo, que vai estar muito dependente da prestação do Conan e do joão no próprio dia.

    ResponderEliminar
  10. Anónimo19:51

    Atuar em último sempre é mais um fator para passar. Veja-se por ex: Portugal em 2008, Islândia em 2010, Lituânia em 2012... que conseguiram passar facilmente nas suas semifinais e depois na final caíram para meio da tabela ou mesmo Israel em 2017 que de último a atuar na semifinal ficando em 3º, a sua posição de atuação influenciou e muito, tal que na final que atuando em primeiro, não foi além de um 23º posto.
    Claro que quem acompanha o espetáculo todo e mesmo o júri, irá reter melhor em memória as últimas atuações. Mas ser o último a atuar não é sinal de qualificação, porque também conta obviamente a atuação. E muitos já desperdiçaram esse fator.
    Agora que é o grupo de referência que faz a ordenação, São Marino foi ajudado e bem. O país tem sido prejudicado nisso muitas vezes, e é uma boa forma de terminar a semifinal com Na Na Na na cabeça das pessoas. Alguns já comentam que São Marino assim passará... Quem sabe? É fraco por si só a canção, mas em 2014 por 1 ponto e chutou para canto e precisamente Portugal.
    E Portugal tem-se que preocupar não é com os seguintes Grécia ou São Marino. Está numa boa posição de atuação, no fim. Os dois seguintes têm um estilo bem diferente. Mas sim os antecessores com a Islândia ali tão perto, que joga com o fator tal como nosso de ser diferente. Além de que os islandeses com tanta polémica, são favoritos a vencer. Só com a Estónia no meio e com uma receita de pop fabricada para passar (na final nacional teve um stage muito muito bom), acho sim que Portugal tem que marcar pontos mas para a atuação estoniana e sobretudo a islandesa. E aqui mais um ponto para a ordenação, que dizem usar este método para divergir os meus estilos e não massar o espetador. Pôr a nossa tão perto da Islândia, esperar-se-ia que uma estivesse próxima do início da 2ª parte e a outra no fim.
    Independente da posição se a música e a atuação forem fora de série não há motivo para preocupar em qual posição atuar, por exemplo Portugal em 2017. E numa semifinal com menos um e considerada e bem, a “fraca” deste ano, a posição e os votos da diáspora (não esquecer que votam Bélgica, República Checa, Espanha, França…), aliada a uma boa performance e stage, Portugal tem tudo para conseguir passar à final!!

    ResponderEliminar
  11. Anónimo19:51

    Atuar em último sempre é mais um fator para passar. Veja-se por ex: Portugal em 2008, Islândia em 2010, Lituânia em 2012... que conseguiram passar facilmente nas suas semifinais e depois na final caíram para meio da tabela ou mesmo Israel em 2017 que de último a atuar na semifinal ficando em 3º, a sua posição de atuação influenciou e muito, tal que na final que atuando em primeiro, não foi além de um 23º posto.
    Claro que quem acompanha o espetáculo todo e mesmo o júri, irá reter melhor em memória as últimas atuações. Mas ser o último a atuar não é sinal de qualificação, porque também conta obviamente a atuação. E muitos já desperdiçaram esse fator.
    Agora que é o grupo de referência que faz a ordenação, São Marino foi ajudado e bem. O país tem sido prejudicado nisso muitas vezes, e é uma boa forma de terminar a semifinal com Na Na Na na cabeça das pessoas. Alguns já comentam que São Marino assim passará... Quem sabe? É fraco por si só a canção, mas em 2014 por 1 ponto e chutou para canto e precisamente Portugal.
    E Portugal tem-se que preocupar não é com os seguintes Grécia ou São Marino. Está numa boa posição de atuação, no fim. Os dois seguintes têm um estilo bem diferente. Mas sim os antecessores com a Islândia ali tão perto, que joga com o fator tal como nosso de ser diferente. Além de que os islandeses com tanta polémica, são favoritos a vencer. Só com a Estónia no meio e com uma receita de pop fabricada para passar (na final nacional teve um stage muito muito bom), acho sim que Portugal tem que marcar pontos mas para a atuação estoniana e sobretudo a islandesa. E aqui mais um ponto para a ordenação, que dizem usar este método para divergir os meus estilos e não massar o espetador. Pôr a nossa tão perto da Islândia, esperar-se-ia que uma estivesse próxima do início da 2ª parte e a outra no fim.
    Independente da posição se a música e a atuação forem fora de série não há motivo para preocupar em qual posição atuar, por exemplo Portugal em 2017. E numa semifinal com menos um e considerada e bem, a “fraca” deste ano, a posição e os votos da diáspora (não esquecer que votam Bélgica, República Checa, Espanha, França…), aliada a uma boa performance e stage, Portugal tem tudo para conseguir passar à final!!

    JB

    ResponderEliminar
  12. Anónimo20:51

    A 2 semi final creio que a 2 parte , vao praticamente todos passar

    ResponderEliminar
  13. Em 15º? Nessa altura já devo estar quase a dormir. A da Eslovénia vai me dar sono de certeza. Nem a Austrália vai conseguir despertar-me.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo22:16

      Eslovénia seguindo-se a da República Checa... é mesmo boring, boring... já eu acho que acordo com o georgiano... lol

      Eliminar
  14. Anónimo20:59

    Na 1ª semi final devem passar os favoritos Chipre, Austrália,Islândia,Portugal e Grécia sem dificuldades.Depois com fortes chances vem uma Hungria, Eslovénia, Rep. Checa e Sérvia. A surpresa poderá vir de São Marino ou Polónia. Pouca sorte teve a Estónia em ficar entre as duas canções mais originais de todo o concurso.
    De estranhar temos 3 baladas de seguida 9-Sérvia, 10-Bélgica e 11-Geórgia.E se o intervalo for como o ano passado à 6ª e 12ª atuação não tem qualquer lógica.

    Na 2º semi-final curiosamente o Azerbaijão o ano passado abriu, este ano fecha. Suíça, Suécia, Rússia, Noruega, Holanda e Malta não importa a ordem porque são favoritos. Intermitentes temos a abrir a Arménia, Dinamarca e Roménia na primeira parte. Segundo lugar ingrato para a Irlanda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo. Contudo, tenho dúvidas na passagem da Austrália, devido ao televoto. Os europeus não gostam muito da Austrália na Eurovisão, e é sempre das menos votadas. Quanto á Islândia, tenho duvidas que se safem com o júri, vai depender do televoto. Portugal é um diamante em bruto, pode dar-se bem com júri e televoto, mas vai depender da atuação. Li há dias, num outro forum, que a RTP contratou um equipa sueca, expert em staging, que vai ser responsável pela sua atuação(não sei se é rumor). San Marino por atuar em último não tem passagem garantida. Já houve países, com melhores músicas que não passaram atuando em último.

      Eliminar