FC2019: Tozé Brito felicita RTP e Conan Osiris por "levarem o país a ouvir e a discutir a música que por cá se faz"


Desafiado pela MAGG, Tozé Brito, vice-presidente do júri do Festival da Canção nos últimos dois anos e representante português em 1977, reagiu ao fenómeno Conan Osíris: "Goste-se ou não, a canção tem a sua marca de originalidade, tanto melódica como ritmicamente".


O site MAGG desafiou Tozé Brito, compositor e atual vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Autores, a dar a sua opinião sobre Conan Osíris, candidato a representar Portugal no Festival Eurovisão com "Telemóveis". O representante português em 1977 e um dos responsáveis pela participação das Doce em 1982 realçou a "sua legitimidade como concorrente e a sua liberdade para participar com a canção que mais lhe agradar", felicitando a RTP e o cantor por "levarem mais uma vez o país a ouvir e discutir a música que por cá se faz. Esse mérito já ninguém vos tira".

Aceda, de seguida, à declaração de Tozé Brito:
(Artigo original AQUI)

"Nas artes performativas, ou se preferirem, mesmo no entretenimento, a qualidade é sempre subjetiva, e o que muito agrada a uns desagrada sempre a muitos outros, não conhecendo eu unanimidades em qualquer campo artístico ou cultural, o da música incluído. Dividem-se, inevitavelmente, as opiniões quanto à qualidade de Conan Osíris enquanto autor e intérprete no Festival da Canção, mas o único ponto de interesse é, quanto a mim, o da sua relevância social e do seu interesse público — que são claramente manifestos, já que a sua participação no festival decorreu de um convite que a própria RTP lhe dirigiu.

É, portanto, clara a sua legitimidade como concorrente e a sua liberdade para participar com a canção que mais lhe agradar, não tendo nunca que respeitar o gosto de terceiros ou de pretensas maiorias. Pela subjetividade acima referida, não está aqui em questão a qualidade do seu trabalho. Para a julgar, só acredito no critério da longevidade, que daqui a décadas será o mais seguro indicador dessa qualidade, como o é para qualquer obra artística.

Até lá, fiquemos com o indicador da sua relevância social, com a sua legitimidade para responder afirmativamente aos convites que vier a receber, e com a sua absoluta liberdade para se expressar musicalmente como melhor entender e lhe agradar. Parabéns RTP e Conan Osíris, por levarem mais uma vez o país a ouvir e discutir a música que por cá se faz. Esse mérito já ninguém vos tira. Sempre se discutiu e discutirá a música portuguesa nas suas múltiplas vertentes, mas o aparecimento cíclico de músicos como Conan Osíris e tantos outros que, pelas suas características, se tornam rapidamente figuras polémicas, ajuda e ajudará sempre a incentivar essa discussão. E como diz o ditado, da discussão nasce a luz.

Como com qualquer compositor, músico e intérprete, é a sua música, acima de tudo, que o destaca de outros concorrentes. Goste-se ou não, ela tem a sua marca de originalidade, tanto melódica como ritmicamente, e a sua excentricidade ajuda acima de tudo a chamar a atenção para essa música que faz. O que me parece mais cativante na pessoa de Conan Osiris é a forma livre e original como se expressa, tanto estética como musicalmente. Se alguém soubesse o que é material de Eurovisão, todo o festival deixaria de ter interesse, encomendava-se esse material e assunto arrumado. Diria no entanto que a aposta na diferença é sempre a que reúne mais hipóteses de se aproximar do material pretendido."


Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: MAAG/Imagem: Google/Vídeo: RTP

9 comentários:

  1. Anónimo19:43

    "a aposta na diferença é sempre a que reúne mais hipóteses de se aproximar do material pretendido." Acho que o Tozé já disse tudo!

    ResponderEliminar
  2. Anónimo19:44

    Este, de vez em quando vai dizendo umas coisas acertadas. Concordo com tudo.

    "Diria no entanto que a aposta na diferença é sempre a que reúne mais hipóteses de se aproximar do material pretendido." - Ora, nem mais.Vai dizer isso ao Júlio Isidro,a ver se no próximo ano abre mais a mente.

    O Tozé Brito é team Conan. Quem diria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luis Andre Santos22:49

      sim, o Júlio Isidro que para o ano abra mais a mente ... de preferência fora do júri

      Eliminar
  3. Anónimo20:27

    Go conan, idem ao wiwiblogs falaram da canção do conann

    ResponderEliminar
  4. Anónimo21:34

    Boa surpresa as palavras de Tozé Brito!

    ResponderEliminar
  5. Não esquecer que foi a mente "fechada" do Júlio Isidro e do Nuno Markl que levou à Eurovisão o único concorrente português que a venceu...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo17:47

      Não foi não, nem o Júlio, nem o Markl votaram na final em 2017

      Eliminar
    2. Anónimo23:28

      Mas votaram na semifinal e deram-lhe a pontuação máxima, enquanto o público, nessa semifinal, escolheu os Viva la Diva e deram 8 pontos ao Salvador.

      Eliminar
    3. Anónimo10:11

      Se o Júlio Isidro deu a vitória ao Salvador por isso, então ele também deu a vitória à Cláudia Jardim e secalhar deu a vitória ao Conan no sábado passado, porque o que ele se limitou a fazer foi a passar esses concorrentes à final, mais nada, nenhum dos membros dos jurados das semifinais teve qualquer poder de decisão na final.

      Eliminar