ESC2020: Regresso da Bósnia-Herzegovina em 2020 é "muito difícil"


A chefe de delegação da BHRT, Lejla Babovic, referiu que um dos principais da emissora da Bósnia-Herzegovina "é regressar a esta grande competição musical", mas que o regresso em 2020 é "muito difícil".
Em entrevista à imprensa nacional, Lejla Babovic, chefe de delegação da BHRT no Festival Eurovisão, referiu que um dos principais objetivos da emissora estatal é regressar ao certame internacional, mas que tal depende de fundos e de mudanças na legislação do país: "Tudo dependerá das finanças, especialmente como a BHRT opera e como será capaz de pagar as dividas à EBU/UER. Quando conseguirmos fundos e começarmos a pagar, podemos reiniciar as negociações para um regresso. Na melhor das hipóteses, poderemos estar de volta em 2020, mas com um número tão baixo de contribuintes a pagar a taxa, tal será muito difícil" referiu Lejla Babovic, "A lei instaurada em junho de 2016 não resolveu a questão do financiamento. Primeiro precisamos de arranjar um modelo eficiente de recolha das taxas de radiodifusão, o que poderia resultar em lucro e a inclusão da Eurovisão nos planos anuais".

Além disso, Lejla Babovic estima que o país apenas consegue participar, a "um nível competitivo", com um orçamento a rondar os 250 mil euros: "As grandes empresas não têm interesse em apoiar a participação da Bósnia-Herzegovina na Eurovisão (...) e o peso total das anteriores participações fazem com que as operações financeiras estejam extremamente fracas. Além disso, a EBU/UER ainda tem a receber cerca de 6 milhões de francos suíços [cerca de 5,3 milhões de euros] por parte da BHRT".

Estreante em 1993, a Bósnia-Herzegovina participou em 19 ocasiões no Festival Eurovisão, conquistando o 3.º lugar em 2006, o melhor resultado da sua história. Contudo, em 2013, o país retirou-se do concurso alegando problemas financeiros da emissora nacional BHRT. Desde então, a Bósnia-Herzegovina apenas participou em 2016: a candidatura de Dalal & Deen feat. Ana Rucner & Jala com  "Ljubav je" reuniu patrocínios suficientes que cobrissem todos os gastos da emissora no concurso. No entanto, pela primeira vez na história do concurso, o país falhou o apuramento, terminando em 11.º lugar na semifinal. Recorde, de seguida, a participação:



Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: ESCxtra / Imagem/Vídeo: Eurovision.tv

Sem comentários