[ESPECIAL] Quais seriam os vencedores do Festival Eurovisão para Portugal?


E se Portugal fosse o único responsável pelos resultados do Festival Eurovisão? Qual seria o país com mais vitórias no certame? Quantas vezes terá Portugal atribuído a pontuação máxima ao vencedor da edição?


Com 50 participações no curriculum, Portugal nem sempre esteve de acordo com os restantes países no que diz respeito aos vencedores do Festival Eurovisão... Além de dois null points a dois vencedores, o favorito de Portugal apenas venceu doze edições do certame. O ESCPORTUGAL pôs mãos à obra e mostra-lhe todas as edições em que o favorito de Portugal não venceu o Festival Eurovisão:

1965 - Áustria
Depois de ter premiado a candidatura vencedora com a pontuação máxima na sua estreia, Portugal deixou a zeros a canção que triunfou no Festival Eurovisão de 1965, "Poupée de cire, poupée de son". A Jugoslávia (1) e a Irlanda (3) figuraram nas preferências do júri português, com a pontuação mais elevada (5) a rumar à Áustria, representada por Udo Jürgens (que viria a vencer no ano seguinte) com "Sag ihr, ich lass sie grüßen", que terminou em 5.º lugar com 16 pontos.



1966 - Espanha
E foi o primeiro ano em que os vizinhos ibéricos trocaram as pontuações máximas. Raphael e "Yo soy aquél", representantes de Espanha, recolheram a pontuação máxima (5) do júri de Portugal, terminando em 7.º lugar, numa votação que também premiou a canção da Bélgica (3) e a vencedora Áustria (1).


1967 - Espanha
Com a estreia de um novo sistema de votação, em que cada país dispunha de 10 pontos para distribuir por entre as diversas canções, Portugal destacou-se... ao votar em 9 canções. A única canção que recebeu 2 pontos foi "Hablemos del amor", defendida por Raphael em representação de Espanha, sendo que a candidatura do Reino Unido, vencedora da edição, foi 1 das 8 canções premiadas com 1 ponto oriundo de Portugal.




1969 - Jugoslávia
No inédito ano de 1969, cuja edição culminou com a consagração de 4 países vencedores, a canção favorita do júri português (3) foi "Pozdrav svijetu", defendida por Ivan & 4M da Jugoslávia, que terminou na distante 13.ª posição com 5 pontos. Espanha e França, vencedores da noite, receberam 2 pontos do júri português, que também pontuou o Reino Unido (1), mas que deixou a Holanda sem qualquer votação.



1971 - Holanda
De regresso ao concurso no ano da instauração do novo sistema de votação, em que cada júri nacional era composto por dois elementos que pontuavam todas as canções de 1 a 5, Portugal atribuiria a pontuação mais elevada (9) à canção da Holanda, "Tijd", defendida por Saskia & Serge, duo que terminou em 6.º lugar. O Mónaco, vencedor da edição, receberia 8 pontos do júri português.



1972 - Itália (ex-aequo Luxemburgo)
No ano em que conquistou um dos melhores resultados de sempre (7.º), sendo apontado como um dos favoritos ao triunfo, Portugal foi um dos países mais "forretas" na hora da votação. Itália, sexta classificada com Nicola di Bari e "I giorni dell'arcobaleno", e Luxemburgo, vencedor da edição com Vicky Leandros e "Après toi", foram os dois países mais pontuados por Portugal, recebendo 7 dos 10 pontos possíveis.




1973 - Espanha
Em 1973, nuestros hermanos voltaram a ser os favoritos do júri português. Segundo classificado na geral, o grupo Mocedades e o tema "Eres Tú" receberam 9 dos 10 pontos possíveis oriundos de Portugal, totalizando 125 pontos. Com quatro pontos a mais ficou o Luxemburgo, representado por Anne-Marie David e "Tu te reconnaîtras", candidatura que recebeu a sua maior votação do júri português (8).



1974 - Israel & Espanha
Com o regresso do antigo sistema de votação, Espanha, representada por Peret e "Canta y Sé Feliz" (9.º), e Israel, representado por Kaveret e "Natati La Khayay" (7.º), foram os favoritos do júri português ao receberem 2 pontos. A Suécia, vencedora da noite com "Waterloo" defendido pelo grupo ABBA, receberia 1 ponto, bem como outros cinco países.






1975 - França
No ano de estreia dos famosos twelve pointsNicole Rieu e "Et bonjour à toi l'artiste", representantes de França e que terminaram em 4.º lugar, foram os favoritos do júri de Portugal. A Holanda, país vencedor da noite, ficaria em quarto lugar nas preferências, recebendo 7 pontos.



1977 - Reino Unido
Apesar de ter triunfado pela mão da luso-descendente Marie Myriam, França não foi a favorita do júri de Portugal no Festival Eurovisão de 1977, tendo recebido apenas 5 pontos. O Reino Unido, vice-campeão da edição, seria o vencedor para o painel português, tendo sido representado por Lynsey de Paul & Mike Moran com "Rock Bottom".




1978 - Luxemburgo
Representado pelas espanholas Baccara, o Luxemburgo foi o país mais votado pelo júri português, tendo "Parlez-vous français?", sétimo da geral, recebido os 12 pontos de Portugal. Por sua vez, Israel, vencedor da noite, seguiu-se nas preferências lusitanas, amealhando 10 pontos.



1980 - Itália
Alan Sorrenti e "Non so che darei", representantes de Itália, foram os favoritos de Portugal no Festival Eurovisão de 1980, terminando em 6.º lugar com 87 pontos. A Irlanda, representada por Johnny Logan e "What's Another Year", ficou no sexto posto nas preferências portuguesas, recebendo 5 pontos.



1981 - Alemanha
Numa das edições mais renhidas da época, os doze pontos de Portugal rumaram à Alemanha, segunda classificada em 1981, representada por Lena Valaitis e "Johnny Blue", tendo arrecadado 132 pontos. Por outro lado, o Reino Unido, representado pelos Bucks Fizz e "Making Your Mind Up", ficou em quinto no júri português, recebendo 6 pontos, suficiente para garantir a vitória com 136 pontos.




1984 - Espanha
Depois de dois anos a atribuir os doze pontos aos vencedores das edições, em 1984, Portugal atribuiu a pontuação máxima a Espanha, representada pelo grupo Bravo e "Lady, Lady", que terminou em 3.º lugar da geral. O grupo sueco Herreys e "Diggi-Loo Diggi-Ley", vencedores da noite, receberam 4 pontos do júri português.



1985 - Itália
Pela primeira vez desde 1969, ano em que deixou a Holanda fora dos pontuados, Portugal não atribuiu qualquer pontuação ao vencedor da edição, a Noruega. Itália, representada por Al Bano & Romina Power e "Magic Oh Magic", seria a vencedora na opinião do júri português, tendo terminado em 7.º lugar na classificação final.




1987 - Itália
"Gente di mare", defendida por Umberto Tozzi e Raf em representação de Itália, foi a canção favorita do júri português no Festival Eurovisão de 1987, terminando em terceiro lugar. O vencedor da noite, Johnny Logan pela Irlanda, ficou em terceiro nas preferências portuguesas, recebendo 8 pontos.




1989 - Reino Unido
A Jugoslávia, o primeiro país do leste europeu a triunfar na Eurovisão, não convenceu os jurados portugueses em 1989, recolhendo apenas 4 pontos. Por sua vez, a pontuação máxima do júri de Portugal rumou ao Reino Unido, representado por Live Report e "Why Do I Always Get It Wrong?", que terminou em segundo lugar, a 7 pontos da vitória.



1990 - Islândia
Ainda sem nenhuma vitória eurovisiva, a Islândia teria vencido o Festival Eurovisão de 1990 segundo o júri português, que atribuiu os 12 pontos a Stijórnin e "Eitt lag enn", candidatura que terminou em quarto lugar. Itália, vencedora da edição, ficou em segundo nas preferências dos jurados portugueses




1991 - Itália
Representada por Peppino di Capri e "Comme è ddoce 'o mare", Itália, sétima classificada em Roma, seria a favorita do júri de Portugal em 1991. A Suécia, vencedora da edição, recebeu 10 pontos do júri nacional, sendo esta 1 das 5 marcas que lhe conferiram a vitória depois do empate com a candidatura francesa.



1992 - Malta
Mary Spiteri e "Little Child", representantes de Malta, seriam, para Portugal, os vencedores do Festival Eurovisão de 1992: contudo, a candidatura terminara no terceiro lugar da geral. A Irlanda, representada por Linda Martin e "Why Me?", ficaria em sétimo lugar nas preferências nacionais, recolhendo 4 pontos.



1993 - França
Pelo quinto ano consecutivo, Portugal voltaria a atribuir os doze pontos a uma candidatura não-vencedora. Desta vez foi a França, representada por Patrick Fiori e "Mama Corsica", que terminara em 4.º lugar, a recolher a pontuação máxima portuguesa, enquanto que a Irlanda, vencedora da edição, receberia 6 pontos do júri nacional.



1996 - Reino Unido
No ano em que Lúcia Moniz levara Portugal ao 6.º lugar em Oslo, os doze pontos portugueses rumaram a um dos maiores sucessos da edição: "Ooh Aah... Just a Little Bit", defendido por Gina G em representação do Reino Unido, que terminaria no 8.º lugar. Por outro lado, a Irlanda, que conquistaria a 7.ª vitória, amealhou 8 pontos oriundos de Portugal.




1997 - Itália
Naquela que seria a sua última participação até 2011, Itália, representada pelo duo Jalisse e "Fiumi di Parole", foi a favorita do júri de Portugal, tendo terminado em 4.º lugar da geral. Por outro lado, o Reino Unido, vencedor da gala com uma das maiores votações de sempre, ficou em terceiro lugar nas preferências portuguesas, recebendo 8 pontos.



1999 - Alemanha
A edição de 1999 seria a 1.ª de 11 edições em que a pontuação máxima portuguesa não rumaria ao vencedor da edição. A Alemanha, representada por Sürpriz e "Reise nach Jerusalem – Kudüs'e seyahat", foi a favorita do televoto nacional, sendo seguida pela Suécia, vencedora da edição. 




2001 - França
A Estónia, vencedora do Festival Eurovisão 2001, recolheu pontuações de todos os países, excepto um: Portugal. O televoto português, que deixou "Everybody" de fora do top10, atribuira a vitória a França, quarta classificada da noite, sendo representada por Natasha St-Pier e "Je n'ai que mon âme".




2003 - Espanha
Pela primeira vez desde 1984, os doze pontos de Portugal voltaram a rumar a Espanha, país que ficou em 8.º lugar com Beth e "Dime". Por outro lado, Sertab Erener e "Everyway that i can", vencedores da edição pela Turquia, ficou em terceiro no televoto português, depois da candidatura da Áustria.



2004 - Espanha
No ano de estreia da semifinal, Espanha, representada por Ramón e "Para llenarme de ti", seria a vencedora da edição para o público de Portugal, tendo terminado em 10.º lugar na Final. Por outro lado, a Ucrânia, vencedora da edição, ficou em segundo lugar no televoto nacional na Final, depois de ter sido a mais votada pelos portugueses na semifinal e onde ficou em segundo lugar.



2005 - Roménia
Com a Grécia, vencedora da edição, a receber apenas 3 pontos do televoto português, seria a Roménia, representada por Luminița Anghel & Sistem  e "Let Me Try", terceira classificada na geral, a receber a maior pontuação oriunda de Portugal que, na semifinal, deu os 12 pontos ao português Nuno Resende que representou a Bélgica.




2006 - Ucrânia
Depois de atribuir os 12 pontos à Suécia na semifinal, na Grande Final do Festival Eurovisão de 2006 seria a Ucrânia, representada por Tina Karol e "Show Me Your Love", a receber a pontuação máxima de Portugal, sendo a única que o país recebera na edição. Por sua vez, a Finlândia, vencedora da edição, ficou pelo quinto lugar no televoto português, recebendo 6 pontos.




2007 - Ucrânia
Automaticamente qualificada para a Final, a Ucrânia foi, novamente, a mais votada pelo televoto de Portugal no Festival Eurovisão de 2007, com Verka Serduchka, segunda classificada, a receber cinco pontuações máximas na votação. Por outro lado, a Sérvia, vencedora da noite, recebeu 5 pontos do televoto português, que, na semifinal, atribui a pontuação máxima à candidatura da Moldávia (votação que colocou Portugal fora dos apurados...).




2008 - Ucrânia
E, pela vontade do televoto português, a Ucrânia teria conquistado três títulos seguidos no Festival Eurovisão, com Ani Lorak e "Shady Lady" a recolherem a votação máxima de Portugal na semifinal e na Final. A Rússia, representada por Dima Bilan e "Believe", receberia 5 pontos do televoto português, suficientes para confirmar a primeira (e única) vitória do país no certame.




2009 - Moldávia
A Moldávia (14.ª), segunda classificada nas votações do júri (venceu o Reino Unido) e do televoto (venceu a Espanha), seria a vencedora do Festival Eurovisão 2009 para Portugal, no ano que ficou marcado pelo regresso do júri à Grande Final. A Noruega (4.ª no televoto e 10.ª no júri) receberia 5 pontos de Portugal que, na semifinal (onde só houve televoto), deu os 12 pontos à canção da Islândia.



2010 - Espanha
Pondo fim a um jejum de 28 anos sem vitórias, a Alemanha, representada por Lena e "Satelite", triunfou em Oslo, tendo apenas recebido 1 ponto da votação portuguesa, equivalente ao 10.º lugar das preferências. Espanha, representada por Daniel Diges e "Algo Pequenito", seria a favorita de Portugal, terminando em 15.º lugar na Final, enquanto que, na semifinal, a pontuação máxima portuguesa rumou à Bélgica.




2011 - Espanha
Depois de ter atribuído a pontuação máxima à Grécia na semifinal (deixando o país fora dos pontuados na Final), a pontuação máxima de Portugal rumaria, novamente, a Espanha. Contudo, Lucia Pérez e "Que me quiten lo bailao", que também foram os favoritos de França, não foram além do 23.º (antepenúltimo) lugar, sendo a favorita de Portugal que ficou pior classificada. Por outro lado, o Azerbaijão, vencedor da edição, ficou em terceiro nas preferências portuguesas.



2012 - Espanha
Pelo terceiro ano consecutivo, Espanha, representada por Pastora Soler e "Quédate Conmigo", que terminaria em 10.º lugar, seria a favorita de Portugal na Final do Festival Eurovisão, enquanto que, na semifinal, foi a Estónia a mais votada. Por sua vez, a Suécia, representada por Loreen e "Euphoria", recebeu apenas 3 pontos de Portugal, a pior pontuação recebida, exceptuando o null points de Itália.



2015 - Itália
Depois de Conchita Wurst ter conquistado a preferência dos portugueses, algo inédito desde 1998, em 2015, o vencedor da edição voltou a não conquistar os portugueses... Itália, terceira classificada da geral, foi a favorita dos portugueses, vencendo o televoto nacional, enquanto a Suécia, vencedora da edição, recebeu os 8 pontos de Portugal na Final, depois de ter sido a mais votada na semifinal. De destacar que, pela primeira vez desde 1999, Portugal atribuiu as três pontuações mais elevadas aos três primeiros classificados, se bem que numa ordem diferente. 



2017 - Bélgica e Moldávia
No ano em que Portugal alcançaria a primeira vitória, a Moldávia e a Bélgica recolheram as maiores pontuações dos portugueses, com 18 pontos cada um: o grupo Sunstroke Project e "Hey, Mamma!" conquistaram a pontuação máxima do televoto e o 5.º lugar no júri, enquanto que a belga Blanche e "City Lights" ficaram em segundo no televoto e em 3.º no júri. Na semifinal, o grupo moldavo também se destacou na votação portuguesa recolhendo 22 pontos (a República Checa foi a favorita do júri português).





2018 - Estónia
Após ter sido a favorita de Portugal na semifinal, a Estónia também recolheu a maior pontuação de Portugal na Final do Festival Eurovisão 2018, 19 pontos (12 do júri e 7 do televoto). Por outro lado, Israel, vencedor da edição, ficaria em 10.º lugar nas votações do júri e do televoto, recolhendo 2 pontos de Portugal, cujas votações apenas coincidiram em mais dois países: Espanha (12 do televoto e 2 do júri) e Itália (10 do televoto e 4 do júri).



Deste modo, para Portugal, entre 1964 e 2018, o Festival Eurovisão contaria com 20 países vencedores (ao contrário dos verdadeiros 27), com destaque para Espanha (11 vitórias) e Itália (8 vitórias). Islândia, Malta, Roménia e Moldávia entrariam para a lista de vencedores do Festival Eurovisão, enquanto a Suécia, Rússia, Mónaco, Turquia, Azerbaijão, Grécia, Letónia, Sérvia e Finlândia perderiam os seus triunfos eurovisivos, na opinião dos portugueses-



Concorda com as votações de Portugal ao longo da história do Festival Eurovisão? Queremos saber a sua opinião!

Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: ESCPORTUGAL / Imagem e Vídeo: Eurovision.tv

8 comentários:

  1. Anónimo18:18

    Interessante mas hope e o dis do Carlos paiAO

    ResponderEliminar
  2. Anónimo23:15

    Para vermos a tendência dos vizinhos ou países amigos. A maior parte das vezes os pontos são para Espanha, França ou Itália.
    Acho que Portugal ate tem bom gosto. A Itália merecia sem duvida ganhar em 2015, a Belgica também tinha uma ótima canção em 2017 e em 2018 a Estonia também daria uma ótima vencedora (melhor que Israel na minha opinião.

    ResponderEliminar
  3. Se por um lado dá gosto ver o televoto português ter sido o único a dar 0 pontos à Estónia em 2001, por outro é assustador observar os países vencedores após o telvoto ter sido introduzido:basicamente ou é a Espanha ou então um país de leste qualquer com grande comunidade imigrante.

    Os júris não são a melhor solução e definitivamente não são imparciais...mas o televoto como estava na Eurovisão era uma desgraça :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo02:10

      Parece-me óbvio que têm de reformular o júri.
      Para mim o grande problema é serem apenas 5 membros, eu duplicaria o número e reintroduzia a regra de os membros terem um mínimo de anos como proficionais na indústria musical

      Eliminar
  4. Anónimo08:40

    ontem carlos paiao faz 30 anos que morreu e nem 1 linha no escportugal. A noite A tua cara nao me e estranha com todos os concorrentes com ligacao ao fc e no escportugal nada! nao sei o que se passa mas parece que depois do esc 2018 se eatao a marimbar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Anónimo
      O ESCPORTUGAL assinalou os 30 anos da morte do Carlos Paião nas diversas redes sociais. Sobre o programa A Tua Cara Não Me Estranha que está a ser emitido já foi emitido anteriormente, tratando-se de uma repetição... Sobre o que disse no final do comentário, não corresponde à verdade e isto basta ver o número de artigos que são lançados todos os dias.

      Grato, Nuno Carrilho

      Eliminar
  5. Anónimo15:55

    Uma retrospectiva muito interessante, parabéns pelo artigo :)

    ResponderEliminar
  6. Nota-se bem a variação dos membros do júri todos os anos, porque há edições em que o júri português vota com categoria e outras em que é uma verdadeira desgraça. Não vou comentar os anos anteriores, mas este ano o júri esteve muito bem. Dou os meus parabéns a todos os jurados que dele fizeram parte.

    ResponderEliminar