Raquel Guerra estreou-se, na passada quinta-feira, a solo no palco do Festival do Crato. O ESCPortugal marcou presença no certame e mostra-lhe todas as emoções do concerto numa calorosa noite alentejana.

Designado por muitos como "a canção nacional", o Fado esteve, durante muitos anos, fora das escolhas dos festivais de Verão. A tendência foi mudada pelo Festival do Crato há uns anos e, como não podia deixar de ser, o Fado voltou a ouvir-se naquela vila alentejana, numa fresca noite de Agosto. Pedro Moutinho foi o cabeça-de-cartaz do estilo musical na edição deste ano, mas foi Raquel Guerra quem teve a responsabilidade de abrir as hostilidades do segundo dia oficial do Festival (mas que corresponde ao quarto dia de concertos).


Acompanhada por Custódio Castelo (guitarra portuguesa), Miguel Monteiro (viola) e José Manuel Rodrigues (baixo), a cantora alentejana subiu ao palco principal do Festival ainda com o recinto a meio-gás, sendo que o mesmo foi enchendo com a chegada dos largos milhares de campistas do certame. "Fadista Louca", fado celebrizado por Amália Rodrigues, deu o mote para o início do concerto, sendo seguido por "Porque Teimas Nesta Dor", tema interpretado por Ana Moura, cantora que, na edição passada, marcou presença no Festival do Crato.




"Confesso" e "Não Gosto de Ti" seguiram-se no alinhamento, sendo Raquel Guerra acompanhada a plenos pulmões por muitos dos presentes no recinto no centro da vila do Crato. Conhecida pela sua participação no Ídolos e no Festival da Canção 2014, Raquel Guerra mostrou aquela que, segundo a própria, é a sua essência e que muitos ainda desconheciam... E se no início era notório o nervosismo de subir ao palco do certame pela primeira vez a solo, ao interpretar "Fado das Queixas", o mesmo se desvaneceu, dando ases a momentos de descontração e de uns passes de dança da cantora.


A aproximar-se do fim do pequeno concerto, a cantora elvense deu voz a "Rua dos Meus Ciúmes", um fado que descreveu como "um dos mais belos poemas existentes", numa altura em que o recinto contava com vários milhares de pessoas. Contudo, o facto de ter sido o último nome confirmado pela organização do Festival fez com que o concerto de Raquel Guerra iniciasse mais cedo e tivesse uma duração mais curta que os demais. Porém, tal não afetou a prestação da cantora e a prova foi a última interpretação: "Fadinho Serrano", composto por Arlindo de Carvalho, recentemente falecido, foi defendido com toda a garra alentejana da jovem e arrecadou um dos grandes aplausos da noite.



Apesar dos pedidos de "só mais uma" entoados pelo público não terem sido correspondidos na hora, Raquel Guerra preparara uma surpresa para todos os festivaleiros: a cantora voltou a subir ao palco do Festival do Crato durante o concerto de Pedro Moutinho para juntos interpretarem 'Alfama', satisfazendo o desejo de muitos. Porém, o desejo de muitos outros só poderá ser realizado na edição do próximo ano: Raquel Guerra merece regressar ao Festival do Crato e o Crato merece voltar a receber Raquel Guerra.

Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte/Imagem/Vídeo: ESCPortugal

4 comentário(s):

  1. Anónimo16:34

    Cada vez que vejo estas bossas reportagens nos concertos, concluo que os melhores concertos nao acontecem em lisboa (Infelizmente para mim )

    ResponderEliminar
  2. Rui Ramos16:39

    Se o fado é onde a raquel se sente melhor, pena nao lhe terem dado uma cancao nesse estilo no fc2014

    ResponderEliminar
  3. Anónimo16:59

    Não desgosto de Sonhos Roubados, mas claramente não era uma canção para a brilhante voz da Raquel. Estive seriamente enganado sobre a cantora... obrigado pela reportagem

    ResponderEliminar
  4. Anónimo17:36

    Whaw que vozeirao

    ResponderEliminar

Temas em Destaque

 
Top