A EBU/UER disponibilizou, esta manhã, a carta enviada às autoridades ucranianas devido à polémica entre a Rússia e Ucrânia. O prazo de resposta termina hoje, 31 de março, com vários países a ameaçar boicotar a edição se a situação não for resolvida.

Depois da diretora-geral da EBU/UER, Ingrid Deltenre, ter revelado que o organismo máximo do Festival Eurovisão havia enviado um ultimato às autoridades ucranianas apelando a "um acordo amigável entre as partes", depois da polémica em torno do banimento de Julia Samoylova, a União Europeia de Radiodifusão revelou o conteúdo da carta. 

Enviada a 23 de março, a carta tem como prazo máximo de resposta o dia de hoje, 31 de março. Contudo, segundo Frank-Dieter Freiling, presidente do Grupo de Referência do Festival Eurovisão, as autoridades da Ucrânia ainda não responderam ao ultimato.

Aceda AQUI à carta enviada pela EBU/UER.

Segundo se pode ler na carta, a União Europeia de Radiodifusão garante que, se não for encontrada uma solução e se mantiver o banimento de Julia Samoylova, "vários países já manifestaram a intenção de abandonar o concurso este ano". Além disso, pode ler-se que "em caso da continuidade da proibição, acontecerá um impacto muito negativo na reputação internacional da Ucrânia (...) o veto é algo inaceitável", justificando que a EBU/UER não recebeu qualquer notificação de que Julia Samoylova seja uma ameaça para a segurança nacional da Ucrânia.

A lider máxima da EBU/UER apelou diretamente ao primeiro ministro ucraniano, Volodymyr Groysman, para que "intervenha e confirme que a candidata russa possa participar nas mesmas condições de que as restantes 42 delegações". Ao mesmo tempo, Ingrid menciona que "a EBU/UER compreende e respeita plenamente as leis da Ucrânia" mas recorda que "o país anfitrião comprometeu-se, em junho de 2016, a garantir a segurança e a participação das 43 delegações". Além disso, a EBU/UER recordou que "a televisão ucraniana poderá ser excluída de eventos futuro se não existir um acordo entre as partes", destacando que "a participação do país na próxima edição poderá ficar comprometida.

Esta e outras notícias também no nosso Facebook e Twitter. Visite já!
Fonte: Eurovision-Spain/ Imagem: EBU

8 comentário(s):

  1. Anónimo14:29

    Só espero que, se a deixarem particpar não mobilize o voto por pena que sabemos tão bem que já valeu vitórias neste e noutros concursos.

    ResponderEliminar
  2. boa! É agora que vamos ganhar isto...por falta de comparência dos outros ;-)

    ResponderEliminar
  3. Acho muita piada a isto.
    Já sabiam dos problemas entre Rússia e Ucrânia, mesmo assim aceitaram que a Ucrânia organizasse o ESC.
    Segundo a notícia a Ucrânia comprometeu-se com a segurança das delegações e que eu saiba não há questões de segurança da delegação russa. O que há, acho eu, é uma provocação da Rússia. Se todos sabiam das condições desde o início basta ver quem não as está, de facto, a respeitar.
    É uma vergonha esta dualidade de critérios. Aposto que se fosse outro país não se importavam tanto.
    Isto também pode ser uma jogada da UER/EBU para ficar bem na fotografia como apazigoadora da situação mas todos já sabem que ela não vai entrar na Ucrânia.
    Vergonhoso ter a EBU/UER contribuido para toda esta situação desde o início e agora estar admirada e muito preocupada. Cinismo sem limites. E ainda mais, incompetência

    ResponderEliminar
  4. Anónimo14:53

    Boa, podiam abandonar , a Italia. a Estonia, França, Azerbaijão, Israel ;)

    ResponderEliminar
  5. Acho triste esta situação, não consigo sentir simpática pela Rússia porque eles podiam simplesmente seleccionar outro interprete e enviar a Julia para 2018 ou outro ano

    ResponderEliminar
  6. Agora a má da fita é a ucrania. Quando ha dinheiro pelo meio o pobre é que paga.
    Enfim. Agora a ucrania nao tem opção e tera que dar mil passos atras. Rusia foraaaaaa.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo16:26

    Se dúvidas houvesse que os ESC é Política, a EBU deixa bem claro que o ESC é Política pura e dura, com a atitude invasiva e desumana que está a tomar, ameaçando e declarando guerra a um País, seu membro, que ainda está a levantar-se de uma outra invasão, que lhe amputou parte do seu território, enquanto a EBU fazia-se de coitadinha ceguinha, surdinha, mudinha e manetinha. Com a Força e Coragem que só os fracos e oprimidos têm, espero que a Ucrânia continue firme e hirta na sua posição, que o Mundo está contigo! E caso a EBU, com essa tentativa de humilhação, expulse a Ucrânia, só digo à Ucrânia que o lixo [EBU] não faz falta. Só faz falta quem cá está [ao teu lado, nos maus momentos]!!

    O texto da EBU merece um BÚUUUUUUUUU! Não coloco em causa o ESCPortugal, mas o texto é tão estúpido e oco que me custa a acreditar que seja verdade. Deve ser uma peta de 1 de Abril antecipada por parte da EBU, só pode!! "Veto" por parte da Ucrânia? Enfim, os dirigentes da EBU que sejam expulsa em bloco!! Vergonha alheia!! Fora a Rússia e os outros países mafiosos (se é que existem!!)!! Fora com os dirigentes da EBU (que têm um cérebro de pulga, como o holandês do Eurogrupo!! Namasté.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo21:31

    Quem sao os paises que querem boicotar esta edição?

    ResponderEliminar

Temas em Destaque

 
Top