Ainda o mundo eurovisivo recuperava da primeira semifinal, quando mais uma folha da história do Festival da Eurovisão foi virada! Recorde comigo todas as atuações da semifinal 2 do ESC2016.

Seguindo a tradição dos últimos anos, eu, Nuno Carrilho, volto a escrever os meus comentários sobre a semifinal 2 do Festival da Eurovisão, tal como aconteceu com o espetáculo da terça-feira passada (AQUI). 

Mans Zelmerlow e Petra Mede, anfitriões da gala, foram os responsáveis por dar novamente as boas vindas a todos os presentes na Globe Arena, bem como a todos os telespectadores que assistiam em casa. Se em 2013, fui bastante crítico da presença de Petra, desta vez só posso elogiar o seu trabalho. Divertida e descontraída, qb, conseguiu ofuscar as suas falhas com Mans, que não é propriamente um novato nessas andanças...


Destaco ainda o show de entrada da gala: Mans e Petra conseguiram, de forma bastante divertida e cativante, recordar a história do Festival da Eurovisão! Nada de saudosismos nem de imagens da década de 60... Bravo SVT! (RTP olha para aqui, se faz favor!) Bem... venham daí as canções!


Tal como na primeira semifinal, a fava de abrir o certame calhou a um país do Norte da Europa! Se há uns anos a Letónia era uma carta fora do baralho na disputa pelos lugares cimeiros, o país (aka Aminata) tem mostrado a enorme qualidade que nele existe! Apesar de serem notórias as parecenças com a candidaturas do ano passado, prefiro Heartbeat a Love Injected! Justs mostrou, com uma atuação relativamente simples mas bastante concentrada no essencial, todo o seu poder vocal e teve talvez uma das melhores prestações da noite! Apuramento mais que merecido... mas ficará longe dos resultados do ano passado!
 
Depois de dois apuramentos bastante duvidosos no que diz respeito à qualidade musical, a Polónia mostrou que ainda há pessoas a votar pela qualidade e não pelo espetáculo dado em palco! Admito que não acreditava nesse apuramento! Color of your life é claramente um dos melhores temas a concurso este ano... mas falta algo para se tornar memorável! Michal Szpak esteve, comparando aos ensaios anteriores, bastante bem em palco, mas já o vimos a fazer muito melhor! Espero que sábado as coisas corram melhor para a Polónia! Apuramento merecido, mas deverá ficar colocado na segunda metade da tabela da Grande Final...

O que deverá ser tido em conta no Festival da Eurovisão é a qualidade musical (ou a falta dela), mas há momentos em que não resisto de comentar certos aspetos cénicos! Não sei se a inspiração foi na Medusa da mitologia grega ou na personagem Celia Mae de Monstros e Companhia, mas aquele visual era simplesmente pavoroso! Enfim... cabelos à frente, a Suíça voltou a desperdiçar uma boa oportunidade de ir à Final. O tema não era dos melhores... mas também não era dos piores, e sempre acreditei que estaria na disputa por um dos lugares de acesso! No entanto, a atuação de Rykka deitou tudo a perder: a moça pareceu perdida durante todo o tempo em palco e nada, mas mesmo nada, fez captar a atenção! Ai Suíça Suíça... Esperamos por muito melhor para o ano!



Seguiu-se Israel no alinhamento! Mentiria se dissesse que gosto de Made of Stars desde a sua escolha: não, não gostava! Mas nos últimos tempos, o tema tem escalado na minha tabela classificativa e é provavelmente um dos temas que mais passa na minha playlist. A nível vocal, Hovi Star esteve praticamente perfeito e fez uma interpretação muito bem conseguida! Sem entrar em grandes exageros nem em grandes exuberâncias, o palco e o próprio cantor entraram na temática do tema e brilharam durante toda a atuação! Foi um dos temas mais votados desta semifinal, cujo apuramento nem se põe em causa! Poderá ser uma surpresa no próximo sábado, mas fora da corrida pela vitória!

Polémica, polémica e polémica: esta parece ter sido a aposta da Bielorrússia para Estocolmo. Contudo, se o país queria voar na Eurovisão, que tal ter escolhido algo com melhor qualidade e ter-se deixado de nudismo ou de tentativas do mesmo? Enfim... Tema mediano, totalmente esquecível, e com um cantor que deixa muito a desejar! Fraquinho mesmo! Arrisco-me a dizer que há muitos anos que não víamos uma proposta bielorrussa tão fraca! Nada mais a dizer: ficou na semifinal e ficou muito bem! Deve ter-se escapado aos últimos lugares da gala...

Shelter foi, em tempos, um dos meus temas favoritos do Festival da Eurovisão 2016! Contudo, aos poucos, tem descido vertiginosamente na minha tabela classificativa... Desilusão é uma palavra muito forte, mas fiquei um pouco "à espera de mais" de Sanja Vucic que esteve demasiado comedida em toda a atuação, mas que, em momento algum, pôs em risco o seu apuramento. Espero vê-la mais solta no sábado e, se possível, com um novo figurino: aquele era claramente uma imitação rasca do figurino de Nina Sublatti. Apuramento merecido para a Sérvia, mas que não deverá ter sido tão folgado como pensava anteriormente! Espero ver muito melhor no sábado!

É difícil de acreditar, mas a Irlanda já venceu este concurso por sete ocasiões. Em Estocolmo voltou, novamente, a deixar uma possível candidatura finalista muito aquém das expectativas... O tema é bastante comercial, mas perdeu toda a força em palco. O mesmo digo de Nicky Byrne: muito, mas muito aquém, do que mostrou na versão estúdio! A atuação em palco... bem, desastrosa! Mais uma oportunidade perdida para os irlandeses... Queremos o espírito vencedor de volta! Afastamento merecido!



Eis chegada uma das minhas favoritas: a ARJ da Macedónia. A salvadora da pátria regressou ao palco eurovisivo com a esperança de levar novamente o país à Grande Final, mas com um tema bem menos cativante do que o anterior. Com uma prestação vocal de causar muita inveja a pseudos vedetas que por aí andam (se bem que achei aquela nota final bastante escusada...), Kaliopi entrou, contudo, na corrida já em desvantagem: Dona foi o único tema a não ser interpretado em inglês. Contudo, julgava que tal não fosse impedimento para o apuramento... mas pelos vistos deve ter sido! Esta não foi uma derrota da Kaliopi: foi uma derrota de todos os eurofãs e uma derrota da diversidade linguística no Festival da Eurovisão! Foi um gosto voltar a ver-te Kaliopi! Merecia claramente o apuramento!

A Lituânia seguiu-se no alinhamento com uma candidatura que me divide bastante! Se, por um lado, acho I've Been waiting for this night um dos temas mais fracos e sem conteúdo da edição, sou obrigado a admitir que é um dos temas que mais fica na cabeça e que fez um autêntico brilharete em palco. Apesar de toda a agitação da atuação, Donny Montell esteve também muito seguro a nível vocal mas muito aquém do que mostrou em 2012! Sinceramente, não esperava o apuramento lituano, mas não me chocou! Duvido que chegue muito alto na Grande Final.



Antes de mais: não concordo com a participação da Austrália na Eurovisão, mas diga-se: aprenderam mais em dois anos, do que certos países em cinquenta! Se a candidatura do ano passado, já havia colocado o país muito próximo da vitória, Dami Im pode começar a pensar onde irá colocar o troféu! Tema poderoso e que ganhou uma força extra em palco! Mas claramente que a chave de ouro da prestação é a cantora! Que voz... Que interpretação! Bravo Austrália! Deve ter sido a vencedora da semifinal e é uma das claras favoritas à vitória no sábado! 

Apesar de nem eu próprio compreender, mas seguiu-se um dos meus temas favoritos da semifinal. Bastante simples e banal, 'Blue and Red' ficava na cabeça e, por mais que tentássemos, era um dos refrões que mais facilmente era trauteado. Contudo, aspeto negativo da atuação: se "blue is blue and red is red", onde andou o vermelho durante toda a atuação? A Shania Twain da Eslovénia quis ensinar as cores à Europa, mas o retorno foi saber as cores da amarga eliminação. Na minha opinião, teria ocupado o último lugar de acesso à Final.

Seguiu-se o meu tema favorito da semifinal! É impossível resistir ao "Ai mi lucas" da Poli Genova! Tema extremamente viciante e bastante animado que, na minha opinião, deve ter disputado o pódio da semifinal! A Poli Genova esteve bastante segura em palco com uma atuação bastante contida, mas cuja irreverência foi toda colocada no figurino: claramente é o vencedor do Barbara Dex! Não há muito mais a dizer, se não "Ai mi lucas... Ai mi lucas"! Bulgária, doze pontos!
Se a Eurovisão tivesse o peso que outrora teve em Portugal, 'Soldiers of Love' era um dos temas mais passados na rádio! Para mim não passa de uma desilusão total... Tema bastante fraco e que passa totalmente despercebido, apesar da grande mensagem que transporta! A atuação também deixou muito a desejar e só mesmo a prestação vocal dos três cantores safou a Dinamarca de figurar nos últimos lugares do meu top! Já vimos o país a fazer muito melhor... Eliminação merecida!



O que me aconteceu com a Rússia na semifinal 1, aconteceu agora novamente com a Ucrânia: as expectativas estavam tão altas que fiquei desiludido com a atuação, que apesar de bastante bem conseguida e marcante, ficou a saber a pouco... Jamala esteve quase, mas quase quase, perfeita e de certeza que estará no seu auge no sábado! Sobre o tema, não há muito mais a dizer: 1944 tem a força suficiente para ficar na história do certame! Vamos a ver a opinião dos europeus na Final... mas acredito que esteja na luta pela vitória!

A Noruega fez o brilhante feito de levar à Eurovisão uma "versão barata" daquilo que apresentou no Melodi Grand Prix! O tema perdeu força com a atuação bastante simples que foi apresentada e Agnete não esteve no seu melhor... Ou dizendo de outra maneira, acho que a cantora nunca consegue estar no seu melhor! Tive bastante pena da eliminação, mas sinceramente a candidatura tinha muito mais para dar do que aquilo que vimos... Melhores dias virão!

Se a eliminação islandesa deixou meio mundo eurovisivo chocado, o apuramento da Geórgia deixou mundo e meio! A mim, sinceramente, não me surpreendeu! Foi um tema, se calhar mesmo o tema mais subvalorizado de toda a edição que ganhou uma grande força no direto, provocando muitas alegrias a quem apostou no seu apuramento! Não é dos meus temas favoritas, mas ao ver a atuação está tudo dito... A diversidade é fulcral no sucesso de uma edição e este tema claramente merece estar na final! 



Sabem aquele momento em que derrubam uma peça de dominó e tudo o que estava de pé, simplesmente, cai? É assim que descrevo o percurso da Albânia nesta edição! Tudo corria bem até que aconteceu a mudança da língua do tema... a partir daí tudo correu mal (e nem o figurino escolhido correu bem)! Como descrevo o que vi? Terrível! Não consigo gostar da voz de Eneda Tarifa e a cantora esteve muito aquém, mas muito aquém mesmo, do que demonstrou com a versão original do tema! Não foi um conto de fadas esta participação... foi mesmo um pesadelo! Para mim, seria o último classificativa da semifinal!

O meu guilty pleasure da edição. Divertida, animada, descontraída e bastante viciante: assim descrevo a candidatura da Bélgica! Laura Tesoro não é a melhor cantora que podia estar a concurso, mas é louvável o seu trabalho desde a final nacional do país. O mesmo digo do tema: os arranjos feitos a What's The Pressure tornaram o desastre anunciado numa candidatura finalista, que poderá surpreender na Grande Final! Apuramento esperado e bastante merecido!

Seguiu-se o habitual período de votação e eis um dos momentos mais futuristas da gala: a disputa entre o Homem e a máquina foi o mote para o interval act da segunda semifinal. Espetáculo bastante interessante e com uma grande mensagem, mas que poderá ter pecado pela sua duração... Contudo, muito melhor do que qualquer um dos interval acts do ano passado! De resto, não há muito mais a dizer! Apenas que: Venha daí a Grande Final!


Obrigado a todos os que leram esta minha análise! Espero pelos vossos comentários!

Esta e outras notícias também no nosso Facebook e Twitter. Visite já!
Fonte: ESCPortugal / Imagem/Vìdeo: eurovision.tv

26 comentário(s):

  1. Anónimo12:43

    Já eu acho que foi a jamala que venceu a SEMI final

    ResponderEliminar
  2. Anónimo13:29

    as apresentacoes que mais me marcaram nesta semi foram a de Bulgaria e a de Georgia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo13:56

      Tenho a mesma opinião.

      Eliminar
  3. Anónimo13:31

    com a Ucrania me passou o mesmo que com a Russia uma desilusao total que para mim estes dois ficam em segundo plano

    ResponderEliminar
  4. Anónimo13:45

    A Servia pra mim com aquela performance limitou muito a cantora. Onde estao as expressoes e gestos das festas eurovisivas e da apresentacao do tema que a tornavam uma interprete tao especiL?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tambem fiz essa pergunta a mim proprio.Por vezes os artistas deviam fechar os ouvidos ao burburinho dos fans conservadores.Sanja foi a dada altura muito criticada e ate gozada devido ao seu estilo de performance.Talvez venha logo a noite a surpreender-nos com uns "arranques"! :)

      Eliminar
  5. Anónimo13:56

    #paulosays: 1 - Israel 2 - Ucrânia 3 - Austrália ..... será o podium deste concurso este ano... ;)

    ResponderEliminar
  6. Anónimo14:01

    Engraçado Nuno Carrilho a minha música favorita desta semi-final é a da Bulgária também. Pecou pelo figurino mas amei a actuação.

    ResponderEliminar
  7. A Bulgaria foi a que mais me surpreendeu,pois estava de pe atras acerca de como iria correr a actuaçao.Resultou estrondosamente bem, o melhor numero uptempo neste ESC! Deliciosamente dançavel!Barbara Dex??Como assim??Um dos outfits mais bem conseguidos/sucedidos! Barbara Dex?Moldavia,ou Armenia.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo15:04

    a cancao da Suiza nao e ruim mas o que nao funcionou foi a Rykka: a voz dela melhorou e esteve aceitavel e ela e naturalmente bonita mas a roupa era horrivel e o penteado estranho além dos movimentos bizarros e amadores que ela realizou em palco que só restou os poucos pontos que ainda lhe restavam, se tivesse se movimentado como na final nacional poderia até ter chegado na final!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo16:09

      Por acaso achei que ela cantou terrivelmente. A música tinha imenso potencial e era uma das minhas favoritas, mas infelizmente Rikka não esteve à altura do momento. É pena, porque correndo bem seria um espectáculo.

      Eliminar
  9. Anónimo15:06

    para o Barbara Dex creio que ganharia a Moldavia ou a Suiza....

    ResponderEliminar
  10. Anónimo15:11

    eu diría que a voz da Eneda Tarifa foi impecavel mesmo que a nova versao seja bem inferior a original e por alguma razao a apresentacao na semifinal me fez lembrar do Sex and the city

    ResponderEliminar
  11. Anónimo15:21

    A Suíça e a Eslovénia empataram no último lugar. Soube hoje por portas travessas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo15:51

      portas travessas?

      Eliminar
    2. Pois para mim a vencedora da noite foi a Dami Im que interpretação, que voz, e que música! Ouvi a primeira vez e ficou-me no ouvido.

      Eliminar
    3. Os anónimos sabem sempre tudo...! =))

      Eliminar
    4. Anónimo17:40

      Ou ės tu que nunca sabes nada?

      Eliminar
    5. Anónimo17:56

      Eu também acho, aliás, espero que assim seja (em relação à Austrália). Eu assim que ouvi a música da Austrália, que foi precisamente a 1ª que ouvi deste ano, gostei logo e é a minha favorita.

      Eliminar
    6. Anónimo18:00

      Ahah pois estou a ver... sabem tudo!

      Eliminar
  12. Anónimo16:36

    Ainda não consegui ver ou neste caso ouvir o que tem a música da Ucrânia de especial...a mim parece que a rapariga está chateada com alguém ou então está mesmo para parir...

    ResponderEliminar
  13. Anónimo17:14

    Barbara Dex Award para a Suíça, com um pedido de desculpas à própria Barbara Dex (que entretanto se tornou uma excelente cantora) e a quem lhe fez a fatiota em 1993 - comparada com a cantora da Suíça, B. Dex parecia desfilar numa "passerelle" de moda...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na verdade ,apesar de ja ter sugerido para o honorifico Barbara Dex Award 2016 a Moldavia ou a Armenia,reconsidero, e sem hesitaçoes sugiro a Islandia.

      Eliminar
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  15. Muito bem, como sempre. Polónia ao primeiro lugar.

    ResponderEliminar
  16. Anónimo18:53

    Quem realmente me impressionou foi a Austrália. Até quinta não tinha reparado na música, mas a performance em palco (estilosa e potente) disparou a música para talvez a minha preferência nº 1. Que espetáculo!
    E nós, Portugal, levamos canções que parece que foram feitas na pré-história... E depois ainda querem que passem à final.
    Pois sim! É que os europeus não têm o nosso mau gosto!

    Os meus favoritos para hoje são: Austrália, Rússia e Sérvia.

    ResponderEliminar

Temas em Destaque

 
Top